Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Conteudo da pagina de rosto

quarta-feira, novembro 25th, 2020

 

FB_IMG_1448986362629-300x300

20200507_062328-300x72

VEJA REFLEXÕES DA LITURGIA – ANO C- MARCOS

************************

** VEJA MATERIAL DE LITURGIA GERAL

** CALENDÁRIO LITÚRGICO – 3 ANOS

 

FB_IMG_1448986362629-300x300

20200507_062328-300x72

VEJA REFLEXÕES DA LITURGIA – ANO B – MARCOS

 ******

******************************************

aviary-image-1602398855252

FRATELLI TUTTI

ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO

 

 ******

**************************************************

aviary-image-1581963103195

ECONOMIA DO PAPA FRANCISCO

******

**************************************************

 CFE-2021 - CARTAZ

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2021 – ECUMÊNICA

FRATERNIDADE E DIÁLOGO: COMPROMISSO DE AMOR

“CRISTO É A NOSSA PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UMA UNIDADE” (Ef 2,14)

******

****************************************************

MARCOS-CAPA-SITE

MATERIAL SOBRE

O EVANGELHO DE MARCOS

******

****************************************************

Mateus Evangelista-cartaz

MATERIAL SOBRE

O EVANGELHO DE MATEUS

******

****************************************************

LUCAS-

MATERIAL SOBRE

O EVANGELHO DE LUCAS

******

****************************************************

EVANGELHO DE JOAO

MATERIAL SOBRE

O EVANGELHO DE JOÃO

******

****************************************************

06h

10 VÍDEOS

COMO FUNCIONAVA A SOCIEDADE

NO TEMPO DE JESUS

E A SUA PROPOSTA

******

****************************************************

Cordeiro para site

Esta pagina é destinada

a aprofundar o livro do

APOCALIPSE DE SÃO JOÃO

******

**************************************************

paulo-apostolo-de-cristo

MATERIAL SOBRE

AS CARTAS DE PAULO

******

***************************************************

Screenshot_20200730-104349_Slides

ARQUEOLOGIA BÍBLICA

******

******************************************

DEUTERONOMIO

MÊS DA BÍBLIA – 2020

O LIVRO DO DEUTERONÔMIO

 (UM LIVRO DO ANTIGO TESTAMENTO)

******

***************************************************

Screenshot_20200415-105842_Google

VÍDEOS DE Frei CARLOS MESTERS SOBRE A BÍBLIA

******

***************************************************

****************************************************

20200117_203146

MÊS DA BÍBLIA – HISTÓRICO

 

******

****************************************************

Screenshot_20200212-173127_Chrome

QUERIDA AMAZÔNIA

SÍNODO PARA AMAZÔNIA

******

****************************************************

aviary-image-1570527267512

INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA

E OUTROS DOCUMENTOS

 

 ******

****************************************************

aviary-image-1569666408572

VEJA MAIS SUBSÍDIOS SOBRE A ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI’

 VEJA TAMBÉM A ENCÍCLICA DO PAPA: ‘FRATELLI TUTTI’

 *****

****************************************************

Screenshot_20200430-074017_Google

VEJA OUTROS DOCUMENTOS DO PAPA FRANCISCO

 ******

****************************************************

Screenshot_20190218-200010_Google

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

******

*********************************************

20190218_174752

V CONFERÊNCIA DE APARECIDA

******

****************************************************

Screenshot_20190219-064816_Google

SANTO ÓSCAR ROMERO

******

****************************************************

CAMPANHA DA FRATERNIDADE

HISTÓRICO

******

****************************************************

Screenshot_20200117-233607_Chrome

FUNDAMENTALISMO

E

FASCISMO

*******

****************************************************

** VEJA OUTRO MATERIAL NO ONE DRIVE

******

****************************************************

 SITES E BLOGS INDICADOS

** BÍBLIA SAGRADA Edição Pastoral (original) – ONLINE

** BÍBLIA CATÓLICA ONLINE - CNBB, VULGATA, AVE MARIA

** BÍBLIA CATÓLICA ONLINE - Várias línguas

** ENCICLOPÉDIA CATÓLICA POPULAR

** BIBLE HUB - Várias traduções

** BÍBLIA PORTUGUÊS - Línguas originais para pesquisa

** BÍBLIA – TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - para pesquisa

** Indice dos Mapas da Biblia – completo

** BÍBLIA.ORG - UMA JANELA SOBRE O MUNDO BÍBLICO

** DICIONÁRIO BÍBLICO ONLINE

** OBSERVATÓRIO BÍBLICO

** AYRTON’S BIBLICAL PAGE - Dedicada ao estudo acadêmico da Bíblia

** WIKIPÉDIA – A ENCICLOPÉDIA LIVRE

** APROFUNDAMENTO DO APOCALIPSE - Blog do Frizzo

** LEITURA ORANTE - Pe Ray

** CENTRO BÍBLICO VERBO – CBV

** BÍBLIA E APÓCRIFOS - Frei Jacir de Freitas Farias

** POR CAUSA DE UM CERTO REINO - Blog de Pe Francisco Cornélio – Explicação das leituras do Evangelho 

** BÍBLIA POVO - Pe  José Luis

** CEBI – CENTO DE ESTUDOS BÍBLICOS

** CEBI – CENTRO DE ESTUDOS BÍBLICOS DO PARANÁ - no YOUTUBE

** GRUPOS DE JESUS - HOMILIAS EM LÍNGUAS DIFERENTES - José Antonio Pagola

** SITE DA CNBB

** LITURGIA DIARIA DA CNBB

** IHU – Instituto Humanitas Unisinos e ADITAL

** MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

** ENCONTRO COM MARCELO BARROS

** IRMANDADE DOS MÁRTIRES DA CAMINHADA

** SITE DO GRUPO DE LEIGOS CATÓLICOS IGREJA NOVA

** ARTIGOS DA REVISTA VIDA PASTORAL – INDÍCE POR AUTORES

** PAZ E BEM – ESPIRITUALIDADE PLURAL E DE PAZ

** CEBS DO BRASIL

** VOZ DAS COMUNIDADES

** OBSERVATÓRIO DA EVANGELIZAÇÃO

** SITE DO Frei GILVANDER

** CARTA CAPITAL

** VERBO FILMES - VÍDEOS NO YOUTUBE

** PALAVRAS DO PAPA

** DICASTERIUM PRO COMUNICATIONE – VATICANO

** INSTITUTO CULTURAL Pe JOSIMO

** SITE de Frei BETTO

** ACI DIGITAL – NOTIÇIAS SOBRE A IGREJA EM PORTUGUÊS

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO GERÔNIMO – VÍDEOS YOUTUBE

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO-  várias redes sociais: YouTube, Facebook, Instragram

** SÉRIE INTRODUÇÃO À BÍBLIA – DOM PAULO JACKSON, BISPO DE GARANHUNS

** Prof. Jonathan Matthies – Cultura e Tradição Religiosa Judaico-Cristão

** DAVAR – OPINIÃO E RELIGIÃO

** PORTAL DE LOS SERVIÇOS KOINONIA

** CANAL PAZ E BEM – no YOUTUBE

** CANAL RESISTENTES – no YOUTUBE

** CANAL DA RESISTÊNCIA – Paulo Pimenta – no YOUTUBE

** O ARCANJO NO AR – Pe LANCELLOTTI – no YOUTUBE

** WIKIPEDIA

** COM JESUS NA CONTRAMÃO por TIAGO DE FRANÇA

** BLOG da Ir. MERCEDES LOPES

** BLOG de Frei Vanildo Luiz Zugno OFMCap

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

DISPONÍVEL 

WORDPRESS

 

 

 

 

LITURGIA DOMINICAL – ANO B – MARCOS

quarta-feira, novembro 25th, 2020

** CALENDÁRIO LITÚRGICO-Ano B – MARCOS – 2020-2021 – imprima formato livrinho - em PDF

** VEJA SUBSÍDIOS SOBRE O EVANGELHO DE MARCOS

** EVANGELHO-DE-MARCOS-para leitura – baixe no seu Smartfone ou Tablet

** CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA-2021

** Pe Gilvan – ANO LITURGICO – livrinho – Veja o esquema dos 5 DOMINGOS DA QUARESMA

 

Dia: 07 de março de 2021
3º Domingo da Quaresma
Evangelho: Jo 2,13-25
Primeira Leitura: Ex 20,1-17
Segunda Leitura: 1 Cor 1,22-25.
Salmo: Sl 19/18,8.9.10.11

 

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 3º DOMINGO DA QUARESMA – 7 de Março – JESUS, O NOVO TEMPLO - Revista Pastoral – Por Izabel Patuzzo – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O III DOMINGO DA QUARESMA – JOÃO 2,13-25 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 3º Domingo do Tempo da Quaresma (Jo 2,13-25)- Ano B - Dehonianos

** 3 Quaresma – B (João 2,13-25) O AMOR NÃO SE COMPRA - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** O NOVO SANTUÁRIO QUE É JESUS - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

**  3° DOMINGO DA QUARESMA – 07/03/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 3° Domingo da Quaresma – Jo 2,13-25 - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do III Domingo da Quaresma, ano B – 07/03/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** A purificação do Templo? Nunca acabou - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 3º Domingo da Quaresma – Ano B – O zelo na defesa da vida e da justiça - Maria Josete Rech, iens - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 3º DOMINGO DA QUARESMA 2021 - ALIANÇA MOSAICA – ALIANÇA BATISMAL - Pe. Gilvan Leite de Araujo

** 3° Domingo da Quaresma Ano B – Jo 2, 13-25 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

** A Páscoa de Jesus e a casa de Deus em nós - do Blog do Marcelo Barros

 

VÍDEOS

** 3° Domingo da Quaresma – Jo 2, 13-25 – Jesus não acreditava neles - Reflexão de Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Gallazzi)

https://youtu.be/V4jx_B91GhY

** O TEMPLO E A LEI - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/YTbpwggl6qU

** VEJA COMO FUNCIONAVA O TEMPLO NA ÉPOCA DE JESUS

https://youtu.be/TRWtBoAq-GE

.

 

** 3° Domingo da Quaresma – Jo 2,13-25 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 07/03/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/RHcGNk4M-gM

 

**A casa do Pai não pode ser abrigo de ladrões e comerciantes corruptos. Reflexão Bíblica: Êxodo 20,1-17; 1Coríntios 1,22-25 e João 2,13-25 - Por Padre Manoel Godoy – Professor e Mestre na FAJE – 28/2/2021 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/VksztAd74D8

 

** Domingo da 3ª Semana da Quaresma (07/03/21) - Prof. Dr. Pe. Isidoro Mazzarolo (PUC-RS) - Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo

 

https://youtu.be/PUBYOpNkmoM

 

 

 

 

 

 

 

Screenshot_20201127-205713_Adobe Acrobat

** Pe Gilvan – ANO LITURGICO – livrinho – Veja o esquema dos 5 DOMINGOS DA QUARESMA

Segundo Domingo da Quaresma
Dia: 28 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Gn 22,1-2.9a.10-13.15-18
Salmo: 116/115, 10 e 15. 16-17.18-19
Segunda Leitura: Rm 8,31b-34
Evangelho: Mc 9,2-10

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 2º DOMINGO DA QUARESMA – 28 de fevereiro – O FILHO TRANSFIGURADO - Revista Pastoral – Por Izabel Patuzzo – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 2º DOMINGO DA QUARESMA – MARCOS 9,2-10 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 02º Domingo do Tempo da Quaresma (Mc 9,2-10)- Ano B - Dehonianos

** 2 Quaresma – B (Marcos 1,12-15) – NOVA IDENTIDADE CRISTà- José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** A SOLENE EXPOSIÇÃO DO FILHO - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

**  2° DOMINGO DA QUARESMA – 28/02/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 2° Domingo da quaresma – Mc 9,2-10 - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do II Domingo da Quaresma, ano B – 28/02/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**   - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** Os discípulos veem Jesus em volto em luz - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 2º domingo da quaresma – Ano B – Ouvir, acolher, seguir o filho amado de deus - Maria Josete Rech, iens - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

 

** 2° Domingo da Quaresma – Mc 9,2-10 - Contém isso só depois do Calvário - Reflexão de Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Gallazzi)

https://youtu.be/aEbezlgAAAY

 

** ESCUTAI-O - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/HIjhce36rrc

** 2° Domingo da Quaresma – Mc 9,2-10 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 28/02/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/r-_FGKDMCh8

 

**Transfiguração de Jesus e nossa no dia a dia – Reflexão Bíblica: Gênesis 22,1-2.9a.10-13.15-18; Romanos 8,31b-34 e Marcos 9,2-10 – Por Padre Manoel Godoy – Professor e Mestre na FAJE – 28/2/2021 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/WHPU4EmsnY0

 

** 2° Domingo da Quaresma Ano B – Mc 9,2-10 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo -  Reflexão bíblica – 2ª Domingo do Tempo Comum (17/01/2021) Prof. Dr. Pe. Boris Augustín Nef Ulloa (PUC-SP)

 

https://youtu.be/qYJNrE76JW0

 

 

** 4° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

 

 

 

 

1º Domingo da quaresma

Dia: 21 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Gn 9,8-15
Salmo: 25/24, 4bc-5ab. 6-7bc. 8-9
Segunda Leitura: 1Pd3,18-22
Evangelho: Mc 1,12-15

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 1º DOMINGO DA QUARESMA – 21 de fevereiro – TENTAÇÕES DA HUMANIDADE - Revista Pastoral – Por Izabel Patuzzo – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 1º DOMINGO DA QUARESMA – MARCOS 1,12-15 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 01º Domingo do Tempo da Quaresma (Mc 1,12-15)- Ano B - Dehonianos

** 1 Quaresma – B (Marcos 1,12-15) – A CONVERSÃO FAZ-NOS BEM - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** DESERTO, LUGAR DE PROVA E DE GRAÇA - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 1º DOMINGO DA QUARESMA – 21/02/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 1° Domingo da Quaresma – Mc 1,12-15 - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do I Domingo da Quaresma, ano B – 21/02/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** Jesus, continuamente tentado como nós - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 1º domingo da quaresma – Ano B – O tempo da graça é hoje – Célia Soares de Sousa - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 1° Domingo da Quaresma – Mc 1,12-15 – O ESPÍRITO O EMPURROU PARA O DESERTO - Reflexão de Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Gallazzi)

 

https://youtu.be/yPMN5It7poQ

 

** NO DESERTO - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/ukX32Qo8m38

** 1° Domingo da Quaresma – Mc 1,13-15 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 21/02/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/vDhU7c-Fc7k

 

**Com Jesus, discernindo nossa missão. Reflexão bíblica. Gênesis 9,8-15; 1Pedro 3,18-22 e Marcos 1,12-15. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 21/02/2021 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/YLTlRQ-J4so

.

.

.

.

.

** 5° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,29-39 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

 

** 4° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

 

 

 

QUARTA FEIRA DE CINZAS

Dia: 17 de fevereiro de 2021

Primeira Leitura: Jl 2,12-18
Salmo: Sl 50 (51), 3-4. 5-6a. 12-13. 14.17 (R.Cf.3a)
Segunda Leitura: 2Cor 5,20-6,2

Evangelho: Mt 6,1-6.16-18

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** QUARTA FEIRA DE CINZAS – DEHONIANOS

** QUARESMA, RECEBER O PERFUME DE NOSSAS CINZAS - Pe Adroaldo Palaoro sj

** Reflexão: Liturgia da Quarta-feira de Cinzas, ano B – 17/02/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

** CINZAS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

 

https://youtu.be/ejZI7ome2KE

 

Screenshot_20201127-205713_Adobe Acrobat

6º Domingo Do Tempo Comum

Dia: 14 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Lv 13,1-2.44-46
Salmo: 32/31,1-2.5.7.11
Segunda Leitura: 1Cor 10,31-11.1
Evangelho: Mc 1,40-45

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 07 de FEVEREIRO – A COMUNIDADE QUE ACOLHE OS EXCLUÍDOS E MARGINALIZADOS - Revista Pastoral – Por Izabel Patuzzo – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 6° DOMINGO DO TEMPO COMUM – MARCOS 1,40-45 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM  - Ano B – Mc 1,29-39 – Dehonianos

** 6 Tempo ordinário – B (Marcos 1,40-45) – ESTENDER A MÃO - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** IMITADORES DE CRISTO - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 14/02/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 6° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,40-45 - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do VI Domingo do Tempo Comum, ano B – 14/02/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** NÓS, LEPROSOS, TOCADOS E CURADOS POR JESUS - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 6° Domingo do Tempo Comum – Ano B – A COMPAIXÃO QUE LIBERTA - Maria Heloísa Helena Bento, SND - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 6° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,40-45 – Em testemunho para eles - Reflexão de Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Gallazzi)

 

https://youtu.be/5-wenv_ZcSE

 

** OS ESCLUIDOS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/gYbJ97MLLVw

** 6° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,40-45 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 14/02/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/npH-v5G4OM0

.

.

.

.

.

**Ai de mim se eu não evangelizar! Reflexão bíblica. Jó 7,1-4.6-7; 1Cor 9,16-19.22-23 e Marcos 1,29-39. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 07/02/2021 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/4XOGqWE4nmk

 

** 5° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,29-39 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

 

 

 

 

 

 

 

** 4° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

5º Domingo do Tempo Comum
Dia: 7 de Fevereiro de 2021

Primeira Leitura: Jó 7,1-7.
Salmo: 147/146,1-2.3-4.5-6.
Segunda Leitura: I Cor 9,16-19.22-23.
Evangelho: Mc 1,29-39

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 5º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 07 de FEVEREIRO – A COMUNIDADE MISSIONÁRIA DE JESUS - Revista Pastoral – Por Izabel Patuzzo – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 5° DOMINGO DO TEMPO COMUM – MARCOS 1,29-39 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 5º DOMINGO DO TEMPO COMUM  - Ano B – Mc 1,29-39 – Dehonianos

** 5 Tempo ordinário – B (Marcos 1,29-39) – ALIVIAR O SOFRIMENTO) - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** AINDA A «JORNADA DE CAFARNAUM», E JOB, O HOMEM QUE DÓI - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** Liturgia do V Domingo do Tempo Comum, ano B – 07/02/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

** 5º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 07/02/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 5° Domingo do Tempo Comum - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** 5° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,29-39 – “E ela os servia” - Reflexão de Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Gallazzi)

 

https://youtu.be/d85gVgxo8CY

 

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** JESUS ACOLHEE CURA MUITOS DOENTES - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 5° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,29-39 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

 

 

** O SOFRIMENTO - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/PDrLytH8Jrc

** 5° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,29-39 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 07/02/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/G5FgvIRk720

 

**Ai de mim se eu não evangelizar! Reflexão bíblica. Jó 7,1-4.6-7; 1Cor 9,16-19.22-23 e Marcos 1,29-39. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 07/02/2021 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/4XOGqWE4nmk

 

 

 

 

 

 

 

 

** 4° Dom do Tempo do Tempo Comum – Ano B – Um ensinamento novo dado com autoridade - Michele da Silva - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 4° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

 

 

 

 

 

 Quarto Domingo do Tempo Comum
Dia: 31 de Janeiro de 2021

Primeira Leitura: Dt 18,15-20
Salmo: 95/94,1-2.6-9
Segunda Leitura: 1Cor 7,32-35
Evangelho: Mc 1,21-28

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 4º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 24 de janeiro – SOMOS SEU POVO E SEU REBANHO - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O IV DOMINGO DO TEMPO COMUM – MARCOS 1,21-28 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 4º DOMINGO DO TEMPO COMUM  - Ano B – Mc 1,21-28 – Dehonianos

** 4° Domingo do Tempo Comum – B (Marcos 1,21-28) – OS MAIS DESPROTEGIDOS ANTE O MAL) - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** ALTA FIDELIDADE - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** Reflexão: Liturgia do IV Domingo do Tempo Comum, Ano B – 31/01/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

** 4º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 31/01/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 4° Domingo do Tempo Comum - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** JESUS NOS LIBERTA DO PODER DO DIABO - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 4° Dom do Tempo do Tempo Comum – Ano B – Um ensinamento novo dado com autoridade - Michele da Silva - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 4° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

** 4° Domingo do Tempo Comum -B – Mc 1,21-28 – Os espíritos lhe obedecem - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Galazzi)

https://youtu.be/wjxO6FWBYzk

 

** O PROFETA - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/fB08koE8HrI

 

** 4° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,21-28 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 31/01/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/0HXWfuMFF84

 

**Onde está Jesus, o mal não tem vez! Reflexão bíblica. Dt 18,15-20; 1Cor 7,32-35 e Mc 1,21-28. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 31/01/2021. - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/m2J5QXKLMdo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

** Reflexão bíblica – 3º Domingo do Tempo Comum (24/01/2021) Profa. Ma. Patrícia Maria Oliveira dos Santos (Domus) Jn 3,1-5.10

 

 

https://youtu.be/koHyzSt2NCg

 

 

3º Domingo do Tempo comum

Dia: 24 de janeiro de 2021

Primeira Leitura: Jn 3,1-5.10
Salmo: 24,4ab.6-7bc.8-9
Segunda Leitura: 1Cor 7,29-31
Evangelho: Mc 1,14-20

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 24 de janeiro – MOSTRAI-ME, O SENHOR, VOSSOS CAMINHOS - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – MARCOS 1,14-20 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM  - Ano B – Mc 1,14-20 – Dehonianos

** 3º Domingo do Tempo  Comum – B (Marcos 1,14-20) – O PROJETO DO REINO DE DEUS  - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 24/01/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 3° Domingo do Tempo Comum - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do III Domingo do Tempo Comum, Ano B – 24/01/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** GRANDEZA E MISÉRIA DA VOCAÇÃO - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 3° Dom do Tempo do Tempo Comum – Ano B – Um convite para renovar a fé - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 3° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

** 3º Domingo do Tempo Comum – Ano B – HOMILIA -  Evangelho: Mc 1, 14-20 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

** A BOA NOTÍCIA DE DEUS – 3° Domingo do Tempo Comum -B – MC 1,14-20 - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Galazzi)

https://youtu.be/oU82zlZqQNg

 

** PESCADORES DE HOMENS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/5dCJFNbrYq8

 

** Reflexão bíblica – 3º Domingo do Tempo Comum (24/01/2021) Profa. Ma. Patrícia Maria Oliveira dos Santos (Domus) Jn 3,1-5.10

 

 

https://youtu.be/koHyzSt2NCg

 

** 3° Domingo do Tempo Comum – Mc 1,14-20 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 24/01/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/Xv1VJfB3LdM

 

**Chamados a construir o Reino de Deus. Jn 3,1-5.10; 1Cor 7,29-31; Mc 1,14-20. Manoel Godoy – 24/01/21 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/uL1HttuYJGU

 

 

 

 

Segundo Domingo do Tempo Comum

Dia: 17 de janeiro de 2021

Primeira Leitura: 1Sm 3,3b-10.19
Salmo: 39,2.7-10
Segunda Leitura: 1Cor 6,13c-15a.17-20
Evangelho: Jo 1,35-42

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 17 de janeiro – Tu me chamaste, aqui estou - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM – JOÃO 1,35-42 (ANO B) - Francisco Cornelio F. Rodrigues (Por causa de um certo Reino)

** 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM  - Ano B – Jo 1,35-42 – Dehonianos

** 2 Tempo ordinário – B (João 1,35-42) – TORNARNOS MAIS CRISTÃOS - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** VINDE E VEDE! - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 17/01/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 2° Domingo do Tempo Comum - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do II Domingo do Tempo Comum, Ano B – 17/01/2021 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** JESUS AINDA NOS PERGUNTA: O QUE VOCÊS ESTÃO PROCURANDO - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 2° Dom do Tempo do Tempo Comum – Ano B – Discernir as muitas vozes e decidir por Jesus - Elisângela Pereira Machado - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** 2° Domingo do Tempo Comum, Ano B 2021 por Pe. Gilvan  Leite  de  Araujo

** 2º Domingo do Tempo Comum – Ano B – HOMILIA -  Evangelho: João 1,35-42 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

** FICARAM COM ELE – 2° Domingo do Tempo Comum -B – Jo 1,35-42 - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Galazzi)

https://youtu.be/efGFrqTUkjQ

 

** ONDE MORAS? - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/w-ZNtU9kviw

 

** 2° Domingo do Tempo Comum – Jo 1,35-42 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 17/01/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/ETQpkr5YlBc

 

**Deus chama: eis-me aqui! Reflexão bíblica. 1Samuel 3,3b-10.19; 1Coríntios 6,13c-15a.17-20 e João 1,35-42. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 17/01/2021 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/h2We2EKXOU4

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo -  Reflexão bíblica – 2ª Domingo do Tempo Comum (17/01/2021) Prof. Dr. Pe. Boris Augustín Nef Ulloa (PUC-SP)

 

https://youtu.be/qYJNrE76JW0

 

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo Reflexão bíblica – Festa do Batismo do Senhor (10/01/2021) – Mc 1,7-11 Prof. Dr. Valmor da Silva (PUC Goiás)

https://youtu.be/-szLi5EZtHg

 

 

 

BATISMO DO SENHOR

Dia 10 de Janeiro de 2021

Primeira Leitura: Is 42,1-4.6-7
Salmo: 29/28,1a.2.3ac-43b.9b.-10
Segunda Leitura: At 10,34-38
Evangelho: Mc 1,7-11

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** BATISMO DO SENHOR – Mc 1, 7-11 – 10 de janeiro - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA A FESTA DO BATISMO DO SENHOR – MARCOS 1,7-11 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** FESTA DO BATISMO DO SENHOR – Ano B – Mc 1,7-12 -  Ano B - Dehonianos

** Batismo do Senhor – B (Marcos 1,7-11) - O CAMINHO ABERTO POR JESUS - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** FESTA DO BATISMO DO SENHOR - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** BATISMO DO SENHOR – 10/01/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** BATISMO DO SENHOR - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

 

 ** JESUS ESTÁ SEMPRE NO MEIO DOS PECADORES - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** Batismo do Senhor – Ano B – Jesus, nossa esperança, está conosco - Terezinha das Neves Cota - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** Batismo de Jesus – Ano B – HOMILIA -  Evangelho: Marcos 1,7-11 - por Alberto Maggi, no blog do Pe Telmo

** VIU OS CÉUS SE RASGAREM – Mc 1,7-11 - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES no canal de Sandro Galazzi)

https://youtu.be/vGNo8tE6iK4

 

** BATISMO DE JESUS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/-30LcUgfwYo

 

** BATISMO DO SENHOR – Mc 1,7-11 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 10/01/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/GYaA_dse-Io

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo Reflexão bíblica – Festa do Batismo do Senhor (10/01/2021) – Mc 1,7-11 Prof. Dr. Valmor da Silva (PUC Goiás)

https://youtu.be/-szLi5EZtHg

 

 

 

 

 

 

CURSO DE VERAO: Segue o link para acessar a transmissão do SEGUNDO dia do Curso de Verão 2021 – “Cuidar da casa comum: por uma cidade sustentável”, a partir das 19h30, da sexta-feira, dia 08/01/2021. Nossa Casa comum em perigo. Panorama socioeconômico ambiental._ – Moema Miranda

https://www.cursodeverao.com/cv2021-transmiss%C3%B4es

 

EPIFANIA DO SENHOR

03 DE JANEIRO DE 2021
1ª Leitura – Is 60, 1-6
Salmo – Sl 72/71, 1-2.7-8.10-11.12-13 (R. Cf.11)
2ª Leitura – Ef 3,2-3a.5-6
Evangelho – Mt 2,1-12

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** EPIFANIA DO SENHOR – Mt 2,1-12 – 03 de janeiro - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA A SOLENIDADE DA EPIFANIA DO SENHOR (MATEUS 2,1-12) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

**  Solenidade da EPIFANIA DO SENHOR – Ano B – Mt 2,1-12 -  Ano B - Dehonianos

** EEPIFANIA DO SENHOR – A (Mateus 2,1-12) APRENDER A ADORAR DEUS - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

**Epifania do Senhor – B (Mateus 2,1-12) - A NOSSA INCAPACIDADE PARA ADORAR - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** A ESTRELA QUE NOS GUIA  – Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** FESTA DA EPIFANIA DO SENHOR – 03/01/2021 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana 

** EPIFANIA DO SENHOR - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

**  Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** Epifania do Senhor do Natal – Ano B – Da periferia do Oriente chega a Luz para todas as nações - Ana Maria Formoso - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** Epifania do Senhor – Ano B – O Senhor de todos os povos e nações  - Aíla Luzia Pinheiro de Andrade - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

**  Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

 

** Pastores, sábios e a luz de uma família pobre - Lc 2,16-21 - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/Swpk-ngs4gI

 

** UMA ESTRELA - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/_w52BcduiRU 

.

.

.

SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS
DIA DA PAZ UNIVERSAL

Dia: 01 de JANEIRO de 2021
1ª Leitura – Nm 6,22-27
Salmo – Sl 67/66,2-3.5.6.8 (R. 2a)
2ª Leitura – Gl 4,4-7
Evangelho – Lc 2,16-21

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** SANTA MÃE DE DEUS – Lc 2,16-21 – 01 de janeiro - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA A SOLENIDADE DE SANTA MARIA, MÃE DE DEUS – LUCAS 2,16-21 - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

**  Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus – Ano B – Lc 2,22-40 -  Ano B - Dehonianos

** Santa Maria, Mãe de Deus – B (Lucas 2,16-21) – ANTE UN NOVO ANO - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** SANTA MARIA, MÃE DE DEUS - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** SANTA MÃE DE DEUS, MARIA - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Solenidade da Mãe de Deus e Dia Mundial da Paz - Lúcia Weiler - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** MENSAGEM DO SANTO PADRE - FRANCISCO PARA A CELEBRAÇÃO DO 54º DIA MUNDIAL DA PAZ - 1º DE JANEIRO DE 2021 - A CULTURA DO CUIDADO COMO PERCURSO DE PAZ

** MÃE DE DEUS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

 

https://youtu.be/rsktI7eMSh4

 

** Pastores, sábios e a luz de uma família pobre - Lc 2,16-21 - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/Swpk-ngs4gI

 

** Grupo de reflexão Bíblica São Jerónimo -  Reflexão bíblica – Solenidade do Santa Maria, Mãe de Deus (01/01/2021) - Lc 2,16-21 - Profa. Dra. Solange Maria do Carmo (PUC Minas e ISTA)

https://youtu.be/_3e9_JwWnNE

 

** Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós! Nm 6,22-27; Gl 4,4-7 e Lc 2,16-21. Manoel Godoy – 1º/01/21 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/FWpbEqNgK_M

 

** SANTA MARIA,, MÃE DE DEUS – Lc 2,16-21 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 01/01/2021 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

https://youtu.be/s2H6rykWhXo

.

.

.

.

 

 

 

 

.

.

.

** Solenidade da Mãe de Deus e Dia Mundial da Paz - Lúcia Weiler - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

 

** Veja a Carta Apostólica “Patris corde” por ocasião do 150º aniversário da declaração de São José como Padroeiro da Igreja Universal (8 de dezembro de 2020) – Papa Francisco

** FALAVA A TODOS DO MENINO Lc 2, 22-40 – ‘AGORA, SENHOR’  - Simeão e Ana sabem e proclamam que a salvação vem do menino - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/bFC-jizRvA0

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo - Reflexão bíblica – Festa da Sagrada Família (27/12/2020) Prof. Dr. Pe. Leonardo Agostini Fernandes (PUC Rio) – Lc 2,22-40

 

https://youtu.be/-xgXV4nnFko

 

** Construir uma Casa para o Senhor – Deus menino veio fazer história com seu povo/2 Sm 7,1-5.8-12.14.16/Lc 1,67-79- Manoel Godoy-24/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/tnSA9z-yL1c

 

 

Domingo da Sagrada Família

Dia: 27 de dezembro de 2020
Primeira Leitura: Eclo 3,3-7.14-17a
Salmo: 128/127,1-5
Segunda Leitura: Cl 3, 12-21
Evangelho: Lc 2,22-40

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** SAGRADA FAMÍLIA: JESUS, MARIA E JOSÉ – Lc 2,22-40 – 27 de dezembro - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA A FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA – LUCAS 2,22-40 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** NATAL DO SENHOR – MISSA DO DIA – Lc 2,22-40 -  Ano B - Dehonianos

** SAGRADA FAMÍLIA – B (Lucas 2,22-40) – EDUCAR NA FÉ NOS NOSSOS DIAS - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** COM O MENINO NOS BRAÇOS E NO CORAÇÃO - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** SAGRADA FAMÍLIA – 27/12/2020 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA - Maria Inês de Castro Millen - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

 

** Veja a Carta Apostólica “Patris corde” por ocasião do 150º aniversário da declaração de São José como Padroeiro da Igreja Universal (8 de dezembro de 2020) – Papa Francisco

** Sagrada Família de Jesus, Maria e José – Ano B – HOMILIA -  Evangelho: Lucas 2,22-40 - Pe José Maria Castillo

** FALAVA A TODOS DO MENINO Lc 2, 22-40 – ‘AGORA, SENHOR’  - Simeão e Ana sabem e proclamam que a salvação vem do menino - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/bFC-jizRvA0

 

** Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo - Reflexão bíblica – Festa da Sagrada Família (27/12/2020) Prof. Dr. Pe. Leonardo Agostini Fernandes (PUC Rio) – Lc 2,22-40

 

https://youtu.be/-xgXV4nnFko

 

** SAGRADA FAMÍLIA - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

 

https://youtu.be/FtNusl7beGg

 

** Festa da Sagrada Família. Eclo 3,3-7.14-17a; Col 3,12-21 e Lucas 2,22-40. Por Manoel Godoy –27/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/t5gIfOLqLt8

 

 

 

 

IMG-20201223-WA0017

FELIZ NATAL

MISSA DA NOITE DE NATAL DO SENHOR (24/12)

Primeira Leitura: Is 9, 1-6
Salmo: 96/95
Segunda Leitura: Tito 2,11-14
Evangelho: Lc 2,1-14

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** NATAL DO SENHOR – MISSA DA NOITE – Lc 1,1-14 - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** NATAL DO SENHOR – MISSA DA MEIA NOITE –  Lc 2,1-14 – Ano B - Dehonianos

** NATIVIDADE DO SENHOR – B (Lucas 2,1-14) – DEUS ENCARNADO) - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** NATAL DO SENHOR - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

** A “EXCITANTE” NOITE DE NATAL - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** NATAL DE LUZ E DE JESUS - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

 ** MEDITAÇÃO NA MISSA DESTA NOITE DE NATAL – Marcelo Barros (Meditação Bíblica)

** NATAL DO SENHOR – Lc 2,1-14 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 24/12/2020 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/atsYfriu_5o

 

** É NATAL - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

 

https://youtu.be/zhQouIyUTx8

** Natal de luz: fim das trevas! Reflexão. Isaías 9,1-6; Tito 2,1-14 e Lc 2,1-14. Manoel Godoy–24/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/X_ZgcLOVVOg

 

.

.

.

 

MISSA DO DIA DE NATAL DO SENHOR (25/12 – a tarde)

Primeira Leitura: Is 52,7-10
Salmo: 98/97
Segunda Leitura: Hb 1,1-6
Evangelho: Jo 1,1-18

** NATAL DO SENHOR – MISSA DO DIA – Jo 1,1-18 - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** NATAL DO SENHOR – MISSA DO DIA – Jo 1,1-18 -  Ano B - Dehonianos

** NATAL DO SENHOR – MISSA DO DIA – Jo 1,1-18 - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

.

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo – Solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo (25/12/2020) -Jo 1,1-18 – Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

https://youtu.be/CYqZnt_V6Z8

 

 

https://youtu.be/iekXakWDN7Y

 

 

 

 

 

 

 

 

 

** NATAL DE LUZ E DE JESUS  - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 4º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA - Evangelho: Lc 1,26-38 -  José María CastilloTeólogo espanhol

** REFLEXÃO PARA O IV DOMINGO DO ADVENTO – LUCAS 1,26-38 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

 

 

** Jesus, seu nome: Deus salva! 2Sm 7,1-5.8b-12.14a.16; Rm 16,25-27; Lc 1,26-38. Manoel Godoy -20/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/ghrUKUs4ZG4

 

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO- Reflexão bíblica – 4º Domingo do Advento (20/12/2020) Profa. Dra. Ir. Zuleica Aparecida Silvano (FAJE e SAB/Paulinas) Lc 1,26-38

 

https://youtu.be/oSv_X-X44-Q

 

** Palavra de Deus em carne humana. Reflexão. 1João 2,18-21 e João 1,1-18. Por Manoel Godoy -31/12/2020 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/B9b_zPX_-ig

 

 

 

Screenshot_20200418-074448_YouTube

 

Assista ao “GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO” no YouTube

** CALENDÁRIO LITÚRGICO-Ano B – MARCOS – 2020-2021 – imprima formato livrinho - em PDF

 

** VEJA SUBSÍDIOS SOBRE O EVANGELHO DE MARCOS - em PDF

** 01c-EVANGELHO-DE-MARCOS-para leitura – baixe no seu Smartfone ou Tablet

 

Screenshot_20201127-205713_Adobe Acrobat

TEMPO DO ADVENTO

ADVENTO-3anos

4° Domingo do Advento
Dia 20 de dezembro de 2020
Primeira Leitura: 2Sm 7,1-5.8b-12,14a.16
Salmo: 89/88,2-3.4-5.27.29
Segunda Leitura: Rm 16,25-27
Evangelho: Lc 1,26-38

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** 4º DOMINGO DO ADVENTO –  20 de DEZEMBRO  – Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** 4° Domingo do Advento – Lc 1,26-38 – ACONTECE EM MIM A TUA PALAVRA - Sandro Gallazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

 

https://youtu.be/B9b_zPX_-ig

 

** REFLEXÃO PARA O IV DOMINGO DO ADVENTO – LUCAS 1,26-38 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** 4º Domingo do Advento – Ano B - Dehonianos

** 4 Advento – B (Lc 1,26-38) - ACOLHER JESUS COM ALEGRIA - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** 4° Domingo do ADVENTO – 20/12/2020 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 4° DOMINGO DO ADVENTO - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do IV Domingo do Advento, ano B – 20/12/2020 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

 ** GERAR CRISTO: UM DESAFIO AOS CRISTÃOS E CRISTÃS - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 4º domingo do Advento – Ano B - O PROTAGONISMO DE MARIA NA NOVA ALIANÇA - Maria de lourdes da Fonseca Freire Norberto - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** DEIXAR O CÉU FALAR… E ADORAR!  - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 4º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA - Evangelho: Lc 1,26-38 -  José María CastilloTeólogo espanhol

** SIM A MARIA - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/0G99lHYrULk

** 4° DOMINGO DO ADVENTO – Lc 1,26-38 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 20/12/2020 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

https://youtu.be/yjKZqf2FZ58

 

** Jesus, seu nome: Deus salva! 2Sm 7,1-5.8b-12.14a.16; Rm 16,25-27; Lc 1,26-38. Manoel Godoy -20/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/ghrUKUs4ZG4

 

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO- Reflexão bíblica – 4º Domingo do Advento (20/12/2020) Profa. Dra. Ir. Zuleica Aparecida Silvano (FAJE e SAB/Paulinas) Lc 1,26-38

 

https://youtu.be/oSv_X-X44-Q

 

 

 

 

3º Domingo do Advento

Dia 13 de dezembro de 2020

Primeira Leitura: Is 61,1-2a.10-11
Salmo: Lc 1, 46-48.49-50.53-54
Segunda Leitura: 1 Tes 5,16-24
Evangelho: Jo 1,6-8.19-28

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** João Batista – BATISMO – Sinopse em PDF

** JOAO BATISTA – PAGOLA em PDF - imprimir formato livrinho

** 3° Domingo do Advento – Jo 1,6-8.19-28 – No meio de vocês por Sandro Galazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

 

https://youtu.be/YzdBUmtUzVg

 

 

** 3º DOMINGO DO ADVENTO –  06 de DEZEMBRO  – Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O III DOMINGO DO ADVENTO – JOÃO 1,6-8.19-28 (Ano B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** 03º Domingo do Advento – Ano B - Dehonianos

** 3 Advento – B (João 1,6-8.19-28) - TESTEMUNHAS DA LUZ - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** 3° Domingo do ADVENTO – 13/12/2020 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 3° DOMINGO DO ADVENTO - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do III Domingo do Advento, ano B – 13/12/2020 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

 **  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

 ** João Batista era a voz. Jesus, a Palavra - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 3º domingo do Advento – Ano B - A Boa Nova do Salvador que vem! - Lucíola Cruz Paiva Tisi - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** MAIS TERMOSTATOS, MENOS TERMÓMETROS - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 3º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA - Evangelho: João 1,6-8.19-28 -  José María CastilloTeólogo espanhol

 ** ALEGRAI-VOS - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/_tlfJs7kZbk

** 3° DOMINGO DO ADVENTO – Jo 1,6-8.19-28 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 13/12/2020 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

https://youtu.be/Wt4qasFOqjs

 

** Alegrai-vos no Senhor! Pense! Is 61,1-2a.10-11; 1Tes 5,16-24; Jo 1,6-8.19-28. Manoel Godoy- 13/12/20 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/m3KhELbTa30

 

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO- Reflexão bíblica - Reflexão bíblica – 3º Domingo do Advento (13/12/2020) Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA) Jo 1,6-8.19-28

 

https://youtu.be/nfSbaagjiQQ

 

 

 

2º Domingo do Advento
Dia 6 de dezembro de 2020
Primeira Leitura: Is 40,1-5.9-11
Salmo: 84/85,9ab-14
Segunda Leitura: 2Pd 3,8-14
Evangelho: Mc 1,1-8

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

** João Batista – BATISMO – Sinopse em PDF

** JOAO BATISTA – PAGOLA em PDF - imprimir formato livrinho

** 2° Domingo do Advento – Mc 1,1-8 – Inicio da Boa Nova por Sandro Galazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/vPAPjVX5YnI

** 2º DOMINGO DO ADVENTO –  06 de DEZEMBRO  – Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA O II DOMINGO DO ADVENTO – MARCOS 1,1-8 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** 02º Domingo do Advento – Ano B - Dehonianos

** 2 Advento – B (Marcos 1,1-8) – FRESTAS - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** 2° Domingo do ADVENTO – 06/12/2020 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 2° DOMINGO DO ADVENTO - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do II Domingo do Advento, ano B – 06/12/2020 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** João Batista era a voz. Jesus, a Palavra - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 2º domingo do Advento – Ano B - Preparemos o caminho do Senhor! - Sonia Cosentino - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** JOÃO BATISTA E OS HOMENS-CANA - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

 

 ** VEM SENHOR - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/rfhizBL6d08

 

** 2° DOMINGO DO ADVENTO – Mc 1,1-8 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 6/12/2020 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

https://youtu.be/92uEoAKGw2M

 

 

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO- Reflexão bíblica – 2º Domingo do Advento (06/12/2020) Prof. Dr. Pe. Leonardo Agostini Fernandes (PUC Rio) Mc 1,1-8

https://youtu.be/owDTcp3ZAZE

 

 

** “Preparai o caminho do Senhor!” Reflexão bíblica. Is 40,1-5.9-11; 2Pd 3,8-14 e Mc 1,1-8. Por Padre Manoel Godoy, Mestre e Professor na FAJE – 06/12/2020 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/i6KZY6HqlrA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

** 1º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA - Evangelho: Marcos 13,33-37   -  José María Castillo

 

 

 

** Roteiro Homilético – Solenidade de Cristo Rei - do site de Presbíteros

ano liturgico-

ano liturgico-3 anos

1º Domingo do Advento
Dia: 29 de novembro de 2020
Primeira Leitura: Is 63,16b-17.19b; 64,2b-7
Salmo: 80,2ac.3b.15-16.18-19
Segunda Leitura: 1 Cor 1,3-9
Evangelho: Mc 13,33-37

LITURGIA DIÁRIA DA CNBB

 ** 1° Domingo do Advento – Mc 13, 33-37 - Abram bem os olhos por Sandro Galazzi - (Veja mais REFLEXÕES)

https://youtu.be/Yj4Ny_I0xY0

** 1º DOMINGO DO ADVENTO – 29 de novembro  - Revista Pastoral – Por Ir. Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj – (Roteiros Homiléticos)

** REFLEXÃO PARA 1º DOMINGO DO ADVENTO – MARCOS 13,33-37 (ANO B) - FRANCISCO CORNELIO F. RODRIGUES (Por causa de um certo Reino)

** 01º Domingo do Advento – Ano B - Dehonianos

** 1 Advento – B (Marcos 13,33-37) – É SEMPRE POSSÍVEl REAGIR - José Antonio Pagola (Grupos de Jesus)

** 1° Domingo do ADVENTO – 29/11/2020 - Escola superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana

** 1° DOMINGO DO ADVENTO - Franciscanos (Litúrgia – Franciscanos)

** Reflexão: Liturgia do I Domingo do Advento, ano B – 29/11/2020 - Pe. Leomar Antonio Montagna (Homilia Domenical)

**  - Pe Adroaldo Palaoro sj (Jesuitas – Espiritualidade)

** O SENHOR VEM! ESPEREMO-LO - Enzo Bianchi - (Comentário do Evangelho-IHU-ADITAL)

** 1º domingo do Advento – Ano B - Ceci M.C. Baptista Mariani - (Ministério da Palavra na voz das mulheres - Reflexóes da IHU-ADITAL)

** PARA VÓS, SENHOR, ELEVO A MINHA ALMA - Antônio Couto (Mesa da Palavra)

** 1º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA - Evangelho: Marcos 13,33-37   -  José María Castillo

 ** VEM SENHOR - Vídeos no YouTube –  Pe Antôn Geraldo dalla Costa (Buscando novas águas)

https://youtu.be/7Y7j9i6upGk

** 1° DOMINGO DO ADVENTO – Mc 13,33-37 – Reflexão da Classe Trabalhadora com Reginaldo Veloso – 29/11/2020 - no YouTube – (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES NE II)

 

https://youtu.be/iZmaq3-Pa2w

 

** GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO- Reflexão bíblica – 1º Domingo do Advento (29/11/2020) Profa. Dra. Solange Maria do Carmo (PUC Minas e ISTA) Mc 13,33-37

 

https://youtu.be/CqLxXzrso24

 

** Corramos ao encontro do Senhor que vem! Reflexão Bíblica: Is 63,16b-17.19b;64,2b-7;  1Cor 1,3-9;  Mc 13,33-37 – 1º Domingo do Advento – 29/11/2020 – Padre Manoel Godoy – Professor e Mestre da FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia) - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/mosbUFAUgWk

 

 

 

 

LINK PERMANENTE

http://xacute1.com/?p=16594

** Roteiro Homilético – Solenidade de Cristo Rei - do site de Presbíteros

 

VEJA OUTRAS REFLEXÕES DAS LEITURAS DESTE DOMINGO DO ADVENTO

** Papa Francisco – FRATELLI TUTTI em PDF

☆☆ Tudo sobre a Encíclica do Papa Francisco FRATELLI TUTTI

☆☆ Tudo sobre a ECONOMIA DE FRANCISCO

 

 

 

 

 

 

Responsável por este trabalho

    Xavier Cutajar

            xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

Dia: 14 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Lv 13,1-2.44-46
Salmo: 32/31,1-2.5.7.11
Segunda Leitura: 1Cor 10,31-11.1
Evangelho: Mc 1,40-45

https://franciscanos.org.br/vidacrista/liturgia/1o-domingo-da-quaresma/#gsc.tab=0

CF2021 – ECUMÊNICA

quinta-feira, novembro 19th, 2020

 

 CFE-2021 - CARTAZ

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2021 – ECUMÊNICA

TEMA: FRATERNIDADE E DIÁLOGO: COMPROMISSO DE AMOR

LEMA: CRISTO É A NOSSA PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UMA UNIDADE” (Ef 2,14)

 

 ** LEIA A INTEGRA DO TEXTO BASE DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA-2021 - fornecido pelo CONIC

 

** CFE-2021-SÍNTESE-DIALOGO-PARA-A-PAZ em PDF

** CFE-2021-SÍNTESE-DIALOGO-PARA-A-PAZ em Powerpoint

** Objetivos da CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2021

** CFE-2021-NOSSO TESTEMUNHO ECUMENICO – DA CONIC - em PDF

** CFE-2021-Carta-aos-Efésios

** VIVENCIAR A CFE 2021 NOS PASSOS DOS DISCÍPULOS DE EMAÚS.

** CONHEÇA O FUNDO NACIONAL DE SOLIDARIEDADE, O FNS, CRIADO COM RECURSOS DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE

**  Pe Vitor Galdino fala sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 no YouTube

** Vídeo da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021

** Mensagem do Papa Francisco sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica-2021 no Youtube 

** Mensagem do Papa Francisco por ocasião da Campanha da Fraternidade 2021 - Vatican News

 

** ESCOLHIDO O CARTAZ DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA DE 2021: “FRATERNIDADE E DIÁLOGO: COMPROMISSO DE AMOR” Veja o significado do Cartaz

** A CAMINHO DA CFE 2021: 3 PONTOS PARA VIVER BEM O ESPÍRITO DA CAMPANHA

** Seminário Estadual Online da V Campanha da Fraternidade Ecumênica – 2021.

https://youtu.be/FBdAlZ5MtUQ

 

 

 *************

 

LANÇADO O CLIP DO HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2021

*************

HINO DA CFE-2021 no YouTube

https://youtu.be/XX9V_b7DZaA

 

APRENDER O HINO DA CFE-2021 no YouTube 

 

https://youtu.be/6ekWLNqX0NY

*****************

 

Partituras e Músicas da CFE-2021

******************

** CADERNO DE PARTITURAS E CIFRAS - em PDF

** CFE-2021-CANTOS-LIVRINHO-PROVA em PDF

** Diálogo profético: desafio da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021 por Joel Portella Amado na VIDA PASTORAL

** Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor (CFE/2021) por Frei Gilvander

 

 

 

 

 

A POLÊMICA AO REDOR DA CF2021 ECUMÊNICA

** Presidência da CNBB publica nota diante dos ataques contra a Campanha da Fraternidade

** CFE-2021-CNBB-NOTA - em PDF

** Pastor Eliel Batista, da Igreja Betesda de São Paulo, integrante da Comissão do Texto-Base, explica um pouco como a redação final foi construída… “Todos os valores do Texto-Base são extraídos das Escrituras”, frisou. “O texto foi trabalhado para ser inspirativo, não normativo”, ressaltou.

** Dom Pedro Luiz Stringhini, presidente do Regional Sul 1 da CNBB, é enfático ao dizer quem é contra a Campanha da Fraternidade não é católico.

** Pronunciamento de Dom Vital Corbellini, bispo de Marabá.

** Pronunciamento importante da Aliança de Batistas que, este ano, integram a Comissão da Campanha da Fraternidade.

** Padre José Carlos Pereira explica a Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano. Se você tem alguma dúvida relacionada à CF deste ano, vale a pena conferir!

** Manifesto das Comunidades sobre as críticas caluniosas do Centro Dom Bosco à Campanha da Fraternidade 2021

** Live especial das Igrejas da Comunidade Metropolitana do Brasil em apoio à Campanha da Fraternidade Ecumênica promovida pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. Apoiamos e participamos ativamente da CFE 2021.

** NOTA DE APOIO À CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA, AO CONIC E À PASTORA ROMI

** QUEM TEM MEDO DO DIÁLOGO ECUMÊNICO? Por Pe Alfredo J. Gonçalves

** QUEM GANHA COM AS CRÍTICAS À CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA -2021 por Pe Reuberson Ferreira msc

** O QUE MAIS NÃO LHE CONTARAM SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021 por Pe. João Luiz Ferreira Peçanha e Pe. Paulo Adolfo Simões do Clero da Arquidiocese de Pouso Alegre

** A IMPORTÂNCIA DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021 - Diocese de Marabá

** O CONCÍLIO VATICANO II CONFIRMOU A NECESSIDADE DE AVANÇAR NA CAMINHADA ECUMÊNICA E NO DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO

** Brasil 2021: Precisa-se de exorcistas! ‘Há muita gente soprando o mal na política, na economia, na cultura, no meio ambiente e, o que soa pior, na religião’, escreve Magali Cunha…

** ECUMENISKO POPULAR – Fraternidade e justiça social por Francisco de Aquino Junior

** Campanha da Fraternidade 2021: o que está por trás das críticas? - No Youtube por Leonardo dall Osto

** REFEP emite nota em apoio à Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021

** CAMPANHA DA FRATERNIDADE, POR QUE TANTA POLÊMICA? Por Dom Paulo Jackson presidente do Regional Nordeste II

** CFE-2021: PASTORA TEME QUE VIRE “CRUZADA SANTA”

** Ouça esta explicação simples sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE-2021) por Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, bispo, auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, Reitor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB

 

https://youtu.be/-vDHGcyc97s

** CORRE, POR FORA, UMA CAMPANHA ECUMÊNICA DA DESFRATERNIDADE

 

 

**VEJA O HISTÓRICO DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

INTERESSE GERAL

quarta-feira, outubro 21st, 2020

 

CORAGEM! As muitas vidas do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns

 

https://youtu.be/ezRh35vUNeM

 

Publicado em 3 de nov. de 2020

Em primeiro de novembro de 1970, um importante personagem se juntava na resistência à ditadura militar brasileira: dom Paulo Evaristo Arns tomava posse como o quinto arcebispo de São Paulo. Sua ação foi tão imediata que 8 dias depois da posse ele era, pela primeira vez, fichado no DOPS. Ao longo da resistência, dom Paulo recebeu outras 46 fichas no Dops paulista, fora as mais de 1.500 citações no SNI, o serviço de informações do regime.

Esta e tantas outras informações sobre o papel que dom Paulo exerceu no combate à ditadura estão no documentário “Coragem! As muitas vidas do cardeal dom Paulo Evaristo Arns”.

O documentário “CORAGEM! – As muitas vidas do cardeal dom Paulo Evaristo Arns”, que apresentamos no início e ao fim do evento, divide estas tantas vidas em seis movimentos:
“Cardeal da Periferia”,
“Cardeal dos Operários”,
“Cardeal dos Direitos Humanos”,
“Cardeal do Povo da Rua”,
“Cardeal da Esperança”, e o
“Cardeal da Resistência”.

Em seus 28 anos de arcebispado, dom Paulo reunia milhares de pessoas na Praça da Sé e a própria escadaria da catedral de São Paulo se tornou o palco para as reivindicações políticas e de um povo pobre e esquecido que aprendeu a se juntar para reivindicar os seus direitos básicos.

** DIA MUNDIAL DAS MISSÕES – Cardeal  Odilo Pedro Scherer e Dom Luis Fernando Lisboa, bispo brasileiro em Pemba, Moçambique.

https://youtu.be/SOfE70cc3KU

LISTA DE LIVES

LIVES ANUNCIADOS

FÉ E POLÍTICA

** CUIDADO COM A VIDA NA CASA COMUM com LEONARDO BOFF

 

https://youtu.be/V2_j9Cg_xeg

 

 

☆☆ ECLESIOLOGIA DO PAPA FRANCISCO

A Comissão Regional de CEBs – Regional NE2 da inicio essa semana a um ciclo de formações virtuais, refletindo sobre a Eclesiologia do Papa Francisco. Começaremos a reflexão com Dom Gabriel Marchesi – Bispo da Diocese de Floreste e Referencial das CEBs.

https://youtu.be/ktBjV3X0Mk4

**********

☆☆ LIVE – CAPITALISMO DE DESASTRE: A ECOLOGIA E A SOCIEDADE – ASSISTA COM LEONARDO Boff

https://youtu.be/hXkRrc1MwGs

 

**********

☆☆ BISPOS E DEFESA DA DEMOCRACIA.

https://youtu.be/wua8916BEaw

 

☆☆ A IGREJA, DE DOM HÉLDER CÂMARA A DOM PEDRO CASALDALIGA

DIÁLOGO DE FÉ E VIDA NA CAMINHADA DA IGREJA, CONTANDO COM A PARTICIPAÇÃO DE DOM GABRIEL MARCHESI, BISPO DIOCESANO DE FLORESTA – PE E, COM O IRMÃO MARCELO BARROS, MONGE, TEÓLOGO E ESCRITOR, REFLETINDO SOBRE A IGREJA DE DOM HÉLDER CÂMARA A DOM PEDRO CASALDÁLIGA.

 

 

https://youtu.be/T9lURSJ_mFU

 

***********

 

*********

PROJETO BRASIL POPULAR

01. A IMPORTÂNCIA DO PROJETO NACIONAL com Margarida Salomão e João Pedro Stédile

https://youtu.be/4fVIZTpj8w8

*A importância do Projeto Nacional*_

O curso *”A crise brasileira e as saídas populares”* inicia hoje, 25 de agosto, às 19h com aula inaugural de Margarida Salomão e João Pedro Stédile.

Serão 9 encontros virtuais ao vivo pelo youtube, as terças-feiras às 19hs, até o dia 20 de outubro.

Acesse os materiais de apoio para os encontros

*********

 

 

** Volta à PÁGINA PRINCIPAL

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

 

 

 

FRATELLI TUTTI – Papa Francisco

sábado, outubro 10th, 2020

Fratelli Tutti – Santa Missa e Assinatura no YouTube

https://youtu.be/WuFEbDpddRQ

No sábado, 3 de outubro, o Papa Francisco assinou sua nova encíclica, direto de Assis, na Itália. Com o título Fratelli Tutti (todos irmãos), que traz as palavras de São Francisco, o documento é dedicado à reflexão sobre a fraternidade e a amizade social. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em parceria com Vatican News, transmite pelas redes sociais a missa que o Papa presidiu e a assinatura do documento.

 ***********************************

** Conferência sobre a Carta Encíclica “Fratelli tutti” 4 outubro 2020 em Italiano

 

https://youtu.be/Qd-Hb5L8ThM

 

******************************

 

** Papa Francisco – FRATELLI TUTTI - do site do Vaticano

 

** Papa Francisco – FRATELLI TUTTI em PDF

** Papa Francisco – FRATELLI TUTTI-resumo em PDF

** 8 pontos para entender encíclica FRATELLI TUTTI

** Fratelli Tutti: os maiores ensinamentos da nova encíclica de Francisco

** Fratelli tutti: um guia para a leitura da encíclica do Papa Francisco. Artigo de Antonio Spadaro

Leia mais

** FRATELLI TUTTI - Cardeal Sergio da Rocha - Arcebispo de Salvador – CNBB

** Fratelli Tutti (Todos Irmãos) por Dom Rubens Sevilha, OCD, Bispo de Bauru – CNBB Regional Sul1

 ************************

 CNBB  #FratelliTutti

01. Da Laudato Si a Fratelli Tutti: Ecologia Integral e amizade social – Introdução e apresentação

https://youtu.be/bzEypNmwF1A

 

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, é o primeiro convidado da série de lives. Nesta terça-feira, dia 6 de outubro, ele aborda a reflexão “Da Laudato Si a Fratelli Tutti: Ecologia Integral e amizade social”.

*******

02. Quais são as sombras de um mundo fechado? – Capítulo 1 da FRATELLO TUTTI

 

https://youtu.be/YTTIftL2I_k

03. Um estranho no caminho – Capítulo 2 da FRATELLI TUTTI

 

 

https://youtu.be/uF03DR8i28o

 

4. Pensar e Gerar um mundo aberto  – Capítulo 3 da FRATELLI TUTTI

 

https://youtu.be/IUcZx0xWNJ8

 

5. Um coração aberto ao mundo inteiro - Capítulo 4 da FRATELLI TUTTI

 

https://youtu.be/V-2iTpt_jYc

 

6.

 

7.https://www.facebook.com/219269178109722/posts/3415136205189654/

 

8.

 

9.

 

*************************************

 

** Apresentação da Encíclica “Fratelli Tutti”, do Papa Francisco da Arquidiocese de Braga

 

https://youtu.be/RfltcEtZibA

 

************

** Fratelli tutti – Comentário de Dom Frei Severino Clasen

https://youtu.be/64VDWRtULN4

 

Neste vídeo, o Arcebispo de Maringá, Dom Frei Severino Clasen, faz um breve comentário sobre a encíclica do Papa Francisco, Fratelli tutti.

 

 ********************

** LIVE – Abertura da Semana de Integração da Unicap com palestra do Cardeal José Tolentino

 

https://youtu.be/lbE0uZvhwlQ

 

Transmitido ao vivo em 19 de out. de 2020
A abertura oficial da Semana de Integração 2020 da Universidade Católica de Pernambuco foi realizada nesta segunda-feira (19), a partir das 16h, com o Cardeal José Tolentino, Diretor da Biblioteca Apostólica do Vaticano e professor visitante da Unicap. A palestra “A fraternidade como chave do futuro” vai falar sobre a Encíclica Fratelli Tutti, do Papa Francisco. Você pode acompanhar a abertura da Siucs 2020 no canal da Unicap no Youtube – www.youtube.com/unicapvideo. #Siucs #Unicap

 

*****************

Frei Vanildo Luiz Zugno

** 01 -  FRATELLI TUTTI – Contexto por Frei Vanildo Luiz Zugno

 

https://youtu.be/az8at2ivfHk

 

Neste primeiro de uma série de vídeos que pretendemos partilhar sobre a Encíclica Fratelli Tutti, buscamos situar este documento papal no conjunto mais amplo da Doutrina Social da Igreja. No nosso entendimento, ele é herdeiro dos pronunciamentos que, em momentos críticos da história da humanidade, a Igreja propôs para a reflexão não só dos católicos, mas a todos os cristãos e a todas as pessoas de boa vontade.

 

** 02 -  FRATELLI TUTTI – Fundamentos teológicos por Frei Vanildo Luiz Zugno

 

https://youtu.be/tF33zYR84U8

 

Dois são os principais motivos teológicos presentes na Fratelli Tutti: a paternidade universal divina e a misericórdia como modo de construir a fraternidade e a amizade.

 

** 03 - FRATELLI TUTTI – Uma política para além da modernidade.

https://youtu.be/lFCyjImvEbQ

 

Depois do iluminismo e da Revolução Francesa, a política, no Ocidente, se guiou pelos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Alguns modelos políticos deram mais acento à liberdade, ao indivíduo, à livre iniciativa, ao mercado. Outros primaram pelo coletivo, o planejamento público, o papel do Estado. Os dois modelos tiveram suas virtudes e suas limitações. É possível ir além deles? Sim! Como? Incorporando na ação política o terceiro e esquecido elemento do ideal da política moderna: a fraternidade.

 

** 04 - FRATELLI TUTTI – De Babel a Pentecostes

https://youtu.be/C8SlvnVbQxI

*********************************

** RODA DE CONVERSA | A nova encíclica do Papa Francisco FRATELLI TUTTI - veja no You Tube

 

https://youtu.be/PfPwrqdWTjA

 

Uma encíclica para todos irmãos e irmãs “Fratelli tutti” é o título que o Papa estabeleceu para sua nova encíclica dedicada, como lemos no subtítulo, à “fraternidade” e à “amizade social”. O título original em italiano permanecerá assim – portanto sem ser traduzido – em todos os idiomas em que o documento for distribuído. Como se sabe, as primeiras palavras da nova “carta circular” (este é o significado da palavra “encíclica”) são inspiradas no grande santo de Assis cujo nome o Papa Francisco escolheu. Sobre o túmulo do Santo que viu a fraternidade em cada criatura de Deus e a transformou em um canto sem tempo. Inicia dali a nova etapa do Magistério do Papa que escolheu carregar o nome do Santo de Assis. Depois da “Lumen fidei” (2013) e “Laudato si’” (2015) – que ecoa no título o início do Cântico das Criaturas – desta vez é a cidade do Pobrezinho que batizará a terceira Encíclica “Fratelli tutti” (Todos irmãos)…, que o Papa assinará na tarde do dia 3 de outubro, depois de chegar a Assis às 15h e celebrar a santa missa na Basílica inferior. Uma celebração ainda condicionada pela pandemia, já que a prefeitura da Casa Pontifícia refere em uma declaração o desejo de Francisco de que a visita “se realize de forma privada, sem qualquer participação dos fiéis”, “por causa da situação de saúde”.

Convidados Prof. Dr. Eugenio Rivas | Teólogo da FAJE Profa. Dra. Cláudia Maria Rocha de Oliveira | Filósofa da FAJE Mediação Profa. Es. Lucimara Trevisan (Coordenadora da Animação Bíblico-Catequética CNBB Leste 2 / Coordenadora do Centro Loyola de BH)

*******************

** Faustino Teixeira e Mauro Lopes conversam sobre a nova encíclica do Papa Francisco, “Fratelli Tutti”, Todos irmãos, “sobre a fraternidade e a amizade social”.

 

https://youtu.be/U0JXoCxPEpg

 

 

 

*************************************

 

** Encíclica Fratelli Tutti: uma leitura francisclariana com Prof. Dr. Ildo Perondi – PUCPR e Prof. Dr. Luiz Carlos Susin – PUCRS.

 

https://youtu.be/75l3YpPba1A

 

*******************************

 

** Fratelli Tutti é um testamento do Papa Francisco - Programa Ecclesia

 

https://youtu.be/JuaVqXI-XS4

 

********************************************

 

** Fratelli Tutti” , a nova encíclica do Papa Francisco, com Francisco Borba Neto (PUC-SP).

 

https://youtu.be/ZBkr1erkf6k

 

Vamos conversar com Francisco Borba Neto, coordenador do Núcleo de Fé e Cultura da PUC-SP, para compreender a nova encíclica do Papa Francisco, a “Fratelli Tutti”. O documento reforça a ‘cruzada’ em prol da construção da fraternidade. Lançado no dia do aniversário de São Francisco de Assis (04 de outubro), o Papa fez nascer, na mesma pequenina cidade de Assis, na Itália, um novo caminho para a fraternidade cristã e é tratado como uma “encíclica social”, de forma a incentivar a vivência dos valores do Evangelho.

*******************

RODA DE CONVERSA -Rodrigo Schüler de Souza

 

** 1a RODA DE CONVERSA – RECEPÇÃO FRATELLI TUTTI com Ir Creusa Maria Andeatta e Frei Luís Carlos Suzin

 

https://youtu.be/T2zAH3CJFnc

 

** 2a RODA DE CONVERSA – RECEPÇÃO FRATELLI TUTTI com Moema Miranda e Marcelo Barros

 

https://youtu.be/6wL3XsF1-qk

 

** 3a RODA DE CONVERSA – RECEPÇÃO FRATELLI TUTTI – com Célio Turino

 

https://youtu.be/oFqcBNGj68o

 

Célio Turino – Historiador, escritor. Consultor em políticas públicas. Integra a articulação brasileira pela economia de francisco e clara. Caminha por aí, difundindo as ideias da cultura do encontro e do bem viver. Andrei Thomaz Oss-Emer – Pesquisador em filosofia política e educador franciscano.

*********************************

 

 

 

OUTROS DOCUMENTOS DO PAPA FRANCISCO

** MENSAGEM DO SANTO PADRE - FRANCISCO PARA A CELEBRAÇÃO DO 54º DIA MUNDIAL DA PAZ - 1º DE JANEIRO DE 2021 – A CULTURA DO CUIDADO COMO PERCURSO DE PAZ

** Veja a Carta Apostólica “Patris corde” por ocasião do 150º aniversário da declaração de São José como Padroeiro da Igreja Universal (8 de dezembro de 2020) – Papa Francisco

** FRATELLI TUTTI – Papa Francisco em PDF

** A ALEGRIA DO EVANGELHO – Papa Francisco em PDF

** DIA MUNDIAL DA PAZ – MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO – 2019

** DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÃO SOCIAIS-53

** Discurso do Papa em Abu Dhabi

** Homilia do Papa Francisco no Santuário de Guadalupe

** 1° DIA MUNDIAL DOS POBRES – 2017 – PAPA FRANCISCO

** 2° DIA MUNDIAL DOS POBRES – 2018 – PAPA FRANCISCO

** MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO 27º Dia Mundial do Enfermo-2019

** PAPA A CARITAS INTERNACIONAL

** Papa aos Cardeiais

** PAPA FRANCISCO-CARTA APOSTOLICA ABRIU-LHES

** Quem sou para julgar-Papa Francisco-Ebook

Screenshot_20200430-070801_Adobe Acrobat

 

VEJA MAIS SUBSÍDIOS SOBRE O SÍNODO DA AMAZÔNIA

 

 

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RELIGIÕES

quarta-feira, agosto 26th, 2020

 

RELIGIÕES

**RELIGIÃO: EM BUSCA DO SENTIDO por leandro Karnal**

**RELIGIÕES**

01 – EM BUSCA DE SENTIDO por Leandro Carnal

 

02 – O JUDAÍSMO por Leandro Karnal

 

03 – CRISTIANISMO por Leandro Karnal

 

 

 

 

 

 

 

** Volta à PÁGINA PRINCIPAL

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO

quarta-feira, agosto 19th, 2020

GRUPO DE REFLEXÃO BÍBLICA SÃO JERÔNIMO

 

Screenshot_20200418-074448_YouTube

 Assista ao “GRUPO DE REFLEXÃO BIBLICA SÃO JERÔNIMO” no YouTube

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10223892528762227&id=1266427159 

 

*********** ***********

TEOLOGIA DA RETRIBUIÇÃO: O que ela de fato significa? Como compreender essa lei muitas vezes controversa? Por Prof. Dr. Pe. Carlos André da Cruz Leandro (UCSal)

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

https://youtu.be/BGiznl9lGlM

 

AMAR OS INIMIGOS

 

https://youtu.be/ZRBlnKeRVgo

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Sábado da 1ª Semana da Quaresma (27/02/2021)
Prof. Me. Augusto Lívio (FCRN)

Mt 5,43-48
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’
Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!
Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos.
Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa?
Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito.’

******

 

CURA EM DIA DE SÁBADO

 

https://youtu.be/Y7bQdpLofFo

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quarta-feira da 2ª Semana do Tempo Comum (20/01/2021)
Prof. Dr. Pe. Cássio Murilo Dias da Silva (PUCRS)

Mc 3,1-6
1 Jesus entrou de novo na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca.
2 Alguns o observavam para ver se haveria de curar em dia de sábado, para poderem acusá-lo.
3 Jesus disse ao homem da mão seca: ‘Levanta-te e fica aqui no meio!’
4 E perguntou-lhes: ‘É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?’ Mas eles nada disseram.
5 Jesus, então, olhou ao seu redor, cheio de ira e tristeza, porque eram duros de coração; e disse ao homem: ‘Estende a mão.’ Ele a estendeu e a mão ficou curada.
6 Ao sairem, os fariseus com os partidários de Herodes, imediatamente tramaram, contra Jesus, a maneira como haveriam de matá-lo.
*******

SOBRE O JEJUM

 

https://youtu.be/_xK8DUHEUa4

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Segunda-feira da 2ª Semana do Tempo Comum (18/01/2021)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Mc 2,18-22
18 Os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: ‘Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?’
19 Jesus respondeu: ‘Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar.
20 Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar.
21 Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda.
22 Ninguém pðe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos’.
*******

DEUS É AMOR

https://youtu.be/7aGIBqW5jSo

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Terça-feira do Tempo do Natal depois da Epifania (05/01/2021)
Prof. Dr. Pe. Jean Richard Lopes (PUC Minas)

1Jo 4,7-10
Caríssimos:
7 Amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece Deus.
8 Quem não ama, não chegou a conhecer a Deus, pois Deus é amor.
9 Foi assim que o amor de Deus se manifestou entre nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio dele.
10 Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de reparação pelos nossos pecados.
******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

———
Para quem quiser aprofundar a *1°Carta de João*, acesse:

http://xacute1.com/?p=6842

 

***********

FALAVA A TODOS DO MENINO Lc 2, 25-40 – ‘AGORA, SENHOR’
Simeão e Ana sabem e proclamam que a salvação vem do menino por SANDRO GALLAZZI -  (Veja mais REFLEXÕES)

 

https://youtu.be/bFC-jizRvA0

***********

CONSTRUIR UMA CASA PARA O SENHOR

** Construir uma Casa para o Senhor – Deus menino veio fazer história com seu povo/2 Sm 7,1-5.8-12.14.16/Lc 1,67-79- Manoel Godoy-24/12/20 - no canal de Frei Gilvander

https://youtu.be/tnSA9z-yL1c

 

** Jesus, seu nome: Deus salva! 2Sm 7,1-5.8b-12.14a.16; Rm 16,25-27; Lc 1,26-38. Manoel Godoy -20/12/20 - no canal de Frei Gilvander

 

https://youtu.be/ghrUKUs4ZG4

2Sm 7,1-17: 1 O rei Davi foi morar no seu palácio e Javé o livrou de todos os inimigos ao redor. 2 Então ele disse ao profeta Natã: «Veja! Eu moro em palácio de cedro, enquanto a arca de Deus mora numa tenda!» 3 Natã respondeu ao rei: «Vá e faça tudo o que está pensando, porque Javé está com você». 4 Nessa mesma noite, porém, a palavra de Javé foi dirigida a Natã: 5 «Vá dizer ao meu servo Davi: Assim diz Javé: Você quer construir uma casa para eu morar? 6 Pois bem: eu não morei em casa nenhuma desde o dia em que tirei os filhos de Israel do Egito até hoje. Sempre andei errante sob uma tenda e um abrigo. 7 Durante todo o tempo em que caminhei junto com os filhos de Israel, por acaso eu disse para algum dos juízes de Israel, que estabeleci como pastores do meu povo: ‘Por que você não constrói uma casa de cedro para mim?’ 8 Portanto, diga ao meu servo Davi: Assim diz Javé dos exércitos: Eu tirei você do pastoreio, onde você cuidava das ovelhas, para fazê-lo chefe do meu povo Israel. 9 Estive com você em toda parte por onde você andava, e destruí na sua frente todos os seus inimigos. E eu darei a você um grande nome, como o nome dos grandes da terra. 10 Fixarei um lugar para o meu povo Israel, eu o firmarei, para que habite no seu lugar próprio. E assim ele não precisará mais andar errante. Os perversos não continuarão a oprimi-lo como antes, 11 como acontece desde o dia em que estabeleci juízes sobre o meu povo Israel. Eu livrarei você de todos os seus inimigos. Javé informa que vai fundar uma dinastia para você. 12 E quando esgotar seus dias e você repousar junto a seus antepassados, eu exaltarei a sua descendência depois de você, aquele que vai sair de você. E firmarei a realeza dele. 13 Ele é que vai construir uma casa para o meu nome. E eu estabelecerei o trono real dele para sempre. 14 Serei para ele um pai e ele será um filho para mim. Se ele falhar, eu o corrigirei com bastão e chicote, como se costuma fazer. 15 Mas eu não desistirei de ser fiel para com ele, como desisti de Saul, que tirei da frente de você. 16 A dinastia e a realeza dele permanecerão firmes para sempre diante de mim; e o seu trono será sólido para sempre».

17 Natã comunicou a Davi todas essas palavras e toda essa visão.

COMO SURGIU A CRENÇA EM ALMAS NA RELIGIÃO JUDAICA E NO CRISTIANISMO – Prof. Jonathan Matthies

https://youtu.be/a2vgfeemvU8

 

 ***************************

GENEALOGIA DE JESUS em Mt 1,1-17

 

https://youtu.be/wRA7-GD6UHQ

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quinta-feira da 3ª Semana do Advento (17/12/2020)
Prof. Dr. Pe. Romeu Leite Izidório (PUC Campinas e Paulo VI)

Mt 1,1-17
1 Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.
2 Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos.
3 Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram;
4 Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon;
5 Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé.
6 Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias.
7 Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa;
8 Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias;
9 Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias;
10 Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias.
11 Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia.
12 Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel;
13 Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor;
14 Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud;
15 Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó.
16 Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo.
17 Assim, as gerações desde Abraão até Davi são catorze;
de Davi até o exílio na Babilônia catorze;
e do exílio na Babilônia até Cristo, catorze.
******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

**********

ÉS AQUELE QUE HÁ DE VIR? – LC 7,19-23

 

https://youtu.be/yyzSXRz6CSQ

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quarta-feira da 3ª Semana do Advento (16/12/2020)
Prof. Dr. Pe. Boris Augustín Nef Ulloa (PUC-SP)

Lc 7,19-23
Naquele tempo, João convocou dois de seus discípulos,
19 e mandou-os perguntar ao Senhor: “És tu aquele que há de vir, ou devemos esperar outro?”
20 Eles foram ter com Jesus, e disseram: “João Batista nos mandou a ti para perguntar: ‘És tu aquele que há de vir, ou devemos esperar outro?’”
21 Nessa mesma hora, Jesus curou de doenças, enfermidades e espíritos malignos a muitas pessoas, e fez muitos cegos recuperarem a vista.
22 Então, Jesus lhes respondeu: “Ide contar a João o que vistes e ouvistes: os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e a boa nova é anunciada aos pobres.
23 E feliz é aquele que não se escandaliza por causa de mim!”
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojer

***********

PROFETA BALAÃO – Num 24

 

https://youtu.be/FbDuog_irdE

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Memória de São João da Cruz (14/12/2020)
Prof. Dr. Cláudio Vianney Malzoni (UNICAP)

Nm 24,2-7.15-17a
2 Balaão levantou os olhos e viu Israel acampado por tribos. O espírito de Deus veio sobre ele,
3 e Balaão pronunciou seu poema: ‘Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos;
4 oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, que vê o que o Poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem.
5 Como são belas as tuas tendas, ó Jacó, e as tuas moradas, ó Israel!
6 Elas se estendem como vales, como jardins ao longo de um rio, como aloés que o Senhor plantou, como cedros junto das águas.
7 A água transborda de seus cântaros, e sua semente é ricamente regada. Seu rei é mais poderoso do que Agag, seu reino está em ascensão’.
15 E Balaão continuou pronunciando o seu poema: ‘Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos,
16 oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, e conhece os pensamentos do Altíssimo, que vê o que o Poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem.
17a Eu o vejo, mas não agora; e o contemplo, mas não de perto. Uma estrela sai de Jacó, e um cetro se levanta de Israel’.
*******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

*********

SO BOM PASTOR – SALMO 23/22, 1-6

 

https://youtu.be/9G5VqkRvLyY

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quarta-feira da 1ª Semana do Advento (02/12/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Sl 22(23),1-6
1 O Senhor é o pastor que me conduz;* não me falta coisa alguma.
2 Pelos prados e campinas verdejantes* ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha,*
3 e restaura as minhas forças. Ele me guia no caminho mais seguro,* pela honra do seu nome.
4 Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso,* nenhum mal eu temerei. Estais comigo com bastão e com cajado,* eles me dão a segurança!
5 Preparais à minha frente uma mesa,* bem à vista do inimigo; com óleo vós ungis minha cabeça,* e o meu cálice transborda.
6 Felicidade e todo bem hão de seguir-me,* por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei* pelos tempos infinitos.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

 

*********

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO – Is 11,1-10

 

https://youtu.be/2KVBfkOhFME

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Terça-feira da 1ª Semana do Advento (01/12/2020)
Prof. Dr. Pe. Jaldemir Vitório (FAJE)

Is 11,1-10
1 Nascerá uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor;
2 sobre ele repousará o espírito do Senhor: espírito de sabedoria e discernimento, espírito de conselho e fortaleza, espírito de ciência e temor de Deus;
3 no temor do Senhor encontra ele seu prazer. Ele não julgará pelas aparências que vê nem decidirá somente por ouvir dizer;
4 mas trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos; fustigará a terra com a força da sua palavra e destruirá o mau com o sopro dos lábios.
5 Cingirá a cintura com a correia da justiça e as costas com a faixa da fidelidade.
6 O lobo e o cordeiro viverão juntos e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o bezerro e o leão comerão juntos e até mesmo uma criança poderá tangê-los.
7 A vaca e o urso pastarão lado a lado, enquanto suas crias descansam juntas; o leão comerá palha como o boi;
8 a criança de peito vai brincar em cima do buraco da cobra venenosa; e o menino desmamado não temerá pôr a mão na toca da serpente.
9 Não haverá danos nem mortes por todo o meu santo monte: a terra estará tão repleta do saber do Senhor quanto as águas que cobrem o mar.
10 Naquele dia, a raiz de Jessé se erguerá como um sinal entre os povos; hão de buscá-la as nações, e gloriosa será a sua morada.
******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

——
Acompanhe as leituras diárias da Missa pela *LITURGIA DIARIA DA CNBB*

https://liturgiadiaria.cnbb.org.br/app/user/user/UserView.php?mes=12&ano=2020

 

***********

ZAQUEU – Lc 19,1-10

¨HOJE A SALVAÇÃO ENTROU NESTA CASA” – Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

https://youtu.be/5JFRLXZ1VJg

 

 

Ap 3,1-6.14-22 e Lc 19,1-10

“Hoje a salvação entra nesta casa” Zaqueu – Manoel Godoy

 

https://youtu.be/qh-0YD-BTGQ

 

Evangelho – Lc 19,1-10

1Jesus tinha entrado em Jericó e estava atravessando a cidade.
2Havia ali um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico.
3Zaqueu procurava ver quem era Jesus, mas não conseguia, por causa da multidão, pois era muito baixo.
4Então ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali.
5Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse: ‘Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa.’
6Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria. 7Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo: ‘Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!’
8Zaqueu ficou de pé, e disse ao Senhor: ‘Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais.’
9Jesus lhe disse: ‘Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão.
10Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.’

************

O REINO DE DEUS ESTÁ ENTRE VÓS

Lc 17,20-25

https://youtu.be/sOCRLinXM-Y

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quinta-feira da 32ª Semana do Tempo Comum (12/11/2020)
Prof. Dr. Valmor da Silva (PUC Goiás)

*Evangelho: Lc 17,20-25*
Naquele tempo,
20 os fariseus perguntaram a Jesus sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus. Jesus respondeu: “O Reino de Deus não vem ostensivamente.
21 Nem se poderá dizer: ‘Está aqui’ ou ‘Está ali’, porque o Reino de Deus está entre vós”.
22 E Jesus disse aos discípulos: “Dias virão em que desejareis ver um só dia do Filho do Homem e não podereis ver.
23 As pessoas vos dirão: ‘Ele está ali’ ou ‘Ele está aqui’. Não deveis ir, nem correr atrás.
24 Pois, como o relâmpago brilha de um lado até o outro do céu, assim também será o Filho do Homem, no seu dia.
25 Antes, porém, ele deverá sofrer muito e ser rejeitado por esta geração”.
——
*1ª Leitura – Carta de São Paulo a Filêmon 7-20*
Carissimo:
7 Grande alegria e consolo tive por causa de tua caridade. Os corações dos santos foram reanimados por ti, irmão.
8 Por este motivo, se bem que tenha plena autoridade em Cristo para prescrever-te tua obrigação,
9 prefiro fazer apenas um apelo à tua caridade.Eu, Paulo, velho como estou e agora também prisioneiro de Cristo Jesus,
10 faço-te um pedido em favor do meu filho que fiz nascer para Cristo na prisão, Onésimo.
11 Antes, ele era inútil para ti; agora, ele é valioso para ti e para mim.
12 Eu o estou mandando de volta para ti. Ele é como se fosse o meu próprio coração.
13 Gostaria de tê-lo comigo, a fim de que fosse teu representante para cuidar de mim nesta prisão, que eu devo ao evangelho.
14 Mas, eu não quis fazer nada sem o teu parecer, para que a tua bondade não seja forçada, mas espontânea.
15 Se ele te foi retirado por algum tempo, talvez seja para que o tenhas de volta para sempre,
16 já não como escravo, mas, muito mais do que isso, como um irmão querido, muitíssimo querido para mim quanto mais ele o fôr para ti, tanto como pessoa humana quanto como irmão no Senhor.
17 Assim, se estás em comunhão de fé comigo, recebe-o como se fosse a mim mesmo.
18 Se em alguma coisa te prejudicou ou se alguma coisa te deve, põe em minha conta.
19 Eu, Paulo, de meu punho o escrevo; eu o pagarei, para não dizer que tu mesmo me deves a própria vida.
20 Sim, irmão, deixa que eu te explore no Senhor. Conforta em Cristo meu coração.
——–
*Salmo – Sl 145 (146),7. 8-9a. 9bc-10 (R. 5a)*

R. Feliz quem se apóia no Deus de Jacó!

7 O Senhor faz justiça aos que são oprimidos;
ele dá alimento aos famintos, *
é o Senhor quem liberta os cativos.R.

8 O Senhor abre os olhos aos cegos, +
o Senhor faz erguer-se o caído, *
o Senhor ama aquele que é justo.
9 É o Senhor quem protege o estrangeiro.R.

9b E ele quem ampara a viúva e o órfão, *
9b mas confunde os caminhos dos maus.
10 O Senhor reinará para sempre! +
Ó Sião, o teu Deus reinará *
para sempre e por todos os séculos!
******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

A VIDA DOS JUSTOS ESTÁ NA MÃO DE DEUS

SABEDORIA 3,1-9

https://youtu.be/ma98lFUgpm4

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Todos os Fiéis Defuntos (02/11/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Sb 3,1-9
1 A vida dos justos está nas mãos de Deus e nenhum tormento os atingirá.
2 Aos olhos dos insensatos parecem ter morrido; sua saída do mundo foi considerada uma desgraça,
3 e sua partida do meio de nós, uma destruição; mas eles estão em paz.
4 Aos olhos dos homens parecem ter sido castigados, mas sua esperança é cheia de imortalidade;
5 tendo sofrido leves correções, serão cumulados de grandes bens, porque Deus os pôs à prova e os achou dignos de si.
6 Provou-os como se prova o ouro no fogo e aceitou-os como ofertas de holocausto;
7 no dia do seu julgamento hão de brilhar, correndo como centelhas no meio da palha;
8 vão julgar as nações e dominar os povos, e o Senhor reinará sobre eles para sempre.
9 Os que nele confiam compreenderão a verdade, e os que perseveram no amor ficarão junto dele, porque a graça e a misericórdia são para seus eleitos.

*************

** A morte, o tempo e o amor: a tríade da vida

 

*****************

A ARTE DO BEM-MORRER-INFERNO-PURGATÓRIO E SUA RELAÇÃO COM A DEVOÇÃO MARIANA NOS APÓCRIFOS por Frei Jacir

 

https://youtu.be/LBiRBjY1TFo

 

*************

O SÁBADO – Lc 13,10-17

Existem seis dias para trabalhar. Vinde, então, nesses dias para serdes curados, mas não em dia de sábado”.

https://youtu.be/OqMnIXnDLOE

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Segunda-feira da 30ª Semana do Tempo Comum (26/10/2020)
Prof. Me. Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues (FCRN)

Lc 13,10-17
10 Jesus estava ensinando numa sinagoga em dia de sábado.
11 Havia aí uma mulher que, fazia dezoito anos, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de se endireitar.
12 Vendo-a, Jesus chamou-a e lhe disse: “Mulher, estás livre da tua doença”.
13 Jesus colocou as mãos sobre ela, e imediatamente a mulher se endireitou e começou a louvar a Deus.
14 O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. E, tomando a palavra, começou a dizer à multidão: “Existem seis dias para trabalhar. Vinde, então, nesses dias para serdes curados, mas não em dia de sábado”.
15 O Senhor lhe respondeu: “Hipócritas! Cada um de vós não solta do curral o boi ou o jumento para dar-lhe de beber, mesmo que seja dia de sábado?
16 Esta filha de Abraão, que satanás amarrou durante dezoito anos, não deveria ser libertada dessa prisão em dia de sábado?”
17 Esta resposta envergonhou todos os inimigos de Jesus. E a multidão inteira se alegrava com as maravilhas que ele fazia.
**********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

————
Acompanhe o Blog de Pe Francisco no aprofundamento da leitura do Evangelho de cada Domingo.
Acesse:

https://porcausadeumcertoreino.blogspot.com/

************

A PAZ – Lc 12,49-53

NÃO VIM TRAZER A PAZ – AS CONSEQUÊNCIAS DO BATISMO DE JESUS

https://youtu.be/DpOz3XqZ2j0

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quinta-feira da 29ª Semana do Tempo Comum (22/10/2020)
Prof. Dr. Pe. Leonardo Agostini Fernandes (PUC Rio)

Lc 12,49-53
49 Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso!
50 Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra!
51 Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão.
52 Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três;
53 ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra.’
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

************

CRISTO É A NOSSA PAZ – Ef 2,12-22


https://youtu.be/d1UljOTowio

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Terça-feira da 29ª Semana do Tempo Comum (20/10/2020)
Prof. Dr. Pe. Jean Richard Lopes (PUC Minas)

Ef 2,12-22
Irmãos,
12 naquele tempo, éreis sem Messias, privados de cidadania em Israel, estranhos às alianças da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo.
13 Mas, agora, em Jesus Cristo, vós que outrora estáveis longe, vos tornastes próximos, pelo sangue de Cristo.
14 Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade.
15 Ele aboliu a Lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz.
16 Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade.
17 Ele veio anunciar a paz a vós que estáveis longe, e a paz aos que estavam próximos.
18 É graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai.
19 Assim, já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus.
20 Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra principal.
21 É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor.
22 E vós também sois integrados nesta construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

*********** ***********

AS BODAS DE CANAÃ – Jo 2,1-11

Solenidade de Nossa Senhora Aparecida

https://youtu.be/jFFHZ2odrRc

Reflexão bíblica – Solenidade de Nossa Senhora Aparecida (12/10/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Jo 2,1-11
1 Houve um casamento em Caná da Galiléia. A mãe de Jesus estava presente.
2 Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento.
3 Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”.
4 “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou.”
5 Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”.
6 Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros.
7 Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca.
8 Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram.
9 O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água.
10 O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!”
11 Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galiléia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.

*********

BELZEBÚ – Lc 11,15-26

“É  por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios”

https://youtu.be/fT0uWwkGsEg

Reflexão bíblica – Sexta-feira da 27ª Semana do Tempo Comum (09/10/20)
Prof. Dr. Pe. Cássio Murilo Dias da Silva (PUCRS):

JESUS EXORCISTA

https://youtu.be/LPxSkzqPpXY

 

Lc 11,15-26
15 Mas alguns disseram: ‘É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios.’
16 Outros, para tentar Jesus, pediam-lhe um sinal do céu.
17 Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes: ‘Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra.
18 Ora, se até Satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios.
19 Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes.
20 Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus.
21 Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros.
22 Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava, e reparte o que roubou.
23 Quem não está comigo, está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa.
24 Quando o espírito mau sai de um homem, fica vagando em lugares desertos, à procura de repouso; não o encontrando, ele diz: ‘Vou voltar para minha casa de onde saí’.
25 Quando ele chega, encontra a casa varrida e arrumada.
26 Então ele vai, e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele. E, entrando, instalam-se aí. No fim, esse homem fica em condição pior do que antes.’

**********

O BOM SAMARITANO – Lc 10,25-37

PARA HERDAR A VIDA ETERNA, FAZ O QUE O BOM SAMARITANO FEZ!

https://youtu.be/xh9-dPOuCt0

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Segunda-feira da 27ª Semana do Tempo Comum (05/10/2020)
Prof. Dr. Pe. Johan Konings (FAJE)

Lc 10,25-37
Naquele tempo,
25 levantou-se um doutor da lei e, para pôr Jesus à prova, perguntou: “Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?”
26 Disse-lhe Jesus: “Que está escrito na lei? Como é que lês?”
27 Respondeu ele: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu pensamento; e a teu próximo como a ti mesmo”.
28 Falou-lhe Jesus: “Respondeste bem; faze isto e viverás”.
29 Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: “E quem é o meu próximo?”
30 Jesus então contou: “Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de ladrões, que o despojaram; e depois de o terem maltratado com muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o meio morto.
31 Por acaso desceu pelo mesmo caminho um sacerdote, viu-o e passou adiante.
32 Igualmente um levita, chegando àquele lugar, viu-o e passou também adiante.
33 Mas um samaritano que viajava, chegando àquele lugar, viu-o e moveu-se de compaixão.
34 Aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho; colocou-o sobre a sua própria montaria e levou-o a uma hospedaria e tratou dele.
35 No dia seguinte, tirou dois denários e deu-os ao hospedeiro, dizendo-lhe: ‘Trata dele e, quanto gastares a mais, na volta to pagarei’.
36 Qual destes três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?”
37 Respondeu o doutor: “Aquele que usou de misericórdia para com ele. Então Jesus lhe disse: Vai, e faze tu o mesmo”.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

************

A PARABOLA DA VINHA – Mt 21,33-43 

A ECOLOGIA dos dois Franciscos:  o Santo e o Papa relacionando com o tema da VINHA

https://youtu.be/Il1e3jJIXcU

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – 27º Domingo do Tempo Comum – Memória de São Francisco de Assis (04/10/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Mt 21,33-43
Naquele tempo, Jesus disse aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo:
33 “Escutai esta outra parábola: Certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas, e construiu uma torre de guarda. Depois, arrendou-a a vinhateiros, e viajou para o estrangeiro.
34 Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos.
35 Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro, e ao terceiro apedrejaram.
36 O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma.
37 Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’.
38 Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’
39 Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram.
40 Pois bem, quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?”
41 Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”.
42 Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?’
43 Por isso, eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

** A ECOLOGIA dos dois Franciscos:  o Santo e o Papa.

https://www.otempo.com.br/opiniao/artigos/a-ecologia-dos-dois-franciscos-o-santo-e-o-papa-1.2393267

*************

OS IRMÃOS DE JESUS  – Mt 13,54-58


https://youtu.be/LnzXeBiKF4g

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Memória de Santo Inácio de Loyola (31/07/2020)
Prof. Dr. Pe. Leonardo Agostini Fernandes (PUC Rio)
Mt 13,54-58
54 Dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: ‘De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres?
55 Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas?
56 E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?’
57 E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: ‘Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!’
58 E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

*********** ***********

A IRA DE DEUS – Is 10,5-7.13-16

A IRA DE DEUS NO AT – COMO ENTENDER? – Prof. Dr. Pe. Jean Richard Lopes (PUC Minas)

https://youtu.be/-Q4L-CDVmYM

 

Is 10,5-7.13-16

5Ai de Assur, vara de minha cólera, bastão em minhas mãos, instrumento de minha indignação! 6Eu o envio contra uma nação ímpia e ordeno-lhe, contra um povo que me excita à ira, que o submeta à pilhagem e ao saque, que o calque aos pés como lama nas ruas. 7Mas ele assim não pensava, seu propósito não era esse; pelo contrário, sua intenção era esmagar e exterminar não poucas nações. 13Pois diz o rei da Assíria: ‘Realizei isso pela força da minha mão e com minha sagacidade, pois tenho experiência; aboli as fronteiras dos povos, saqueei seus tesouros, e derrubei de golpe os ocupantes de altos postos; 14minha mão empalmou como um ninho a riqueza dos povos; e como se apanha uma ninhada de ovos, assim ajuntei eu os povos da terra, e não houve quem batesse asa ou abrisse o bico e desse um pio’. 15Mas acaso gloria-se o machado, em detrimento do lenhador que com ele corta? Ou se exalta a serra contra o serrador que a maneja? Como se a vara movesse quem a levanta e um bastão erguesse aquele que não é madeira. 16Por isso, enviará o Dominador, Senhor dos exércitos, contra aqueles fortes guerreiros o raquitismo; e abalará sua glória com convulsões que queimam como fogo.

O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

*********** ***********

AMOR AOS INIMIGOS – Lc 6,27-38

https://youtu.be/WsjHYxMgzK0

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Quinta-feira da 23ª Semana do Tempo Comum (10/09/2020)
Prof. Me. Pe. Francisco Cornélio Freire Rodrigues (FCRN)

Lc 6,27-38
27 A vós que me escutais, eu digo: Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam,
28 bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam.
29 Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica.
30 Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva.
31 O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles.
32 Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam.
33 E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim.
34 E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia.
35 Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus.
36 Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso.
37 Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados.
38 Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos.’
*******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

*********** ***********

 

O AMOR: EROS, FILIA E ÁGAPE – 1Cor 12,31-13,13

https://youtu.be/zC4SSwwyoCY

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Memória de São Cornélio e São Cipriano (16/09/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

1Cor 12,31-13,13
31 Aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior.
13,1 Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine.
2 Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse caridade, eu não seria nada.
3 Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria.
4 A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece;
5 não faz nada de inconveniente, não é interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor;
6 não se alegra com a iniqüidade, mas se regozija com a verdade.
7 Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo.
8 A caridade não acabará nunca. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá.
9 Com efeito, o nosso conhecimento é limitado e a nossa profecia é imperfeita.
10 Mas, quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito.
11 Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança.
12 Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então, veremos face a face. Agora, conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei como sou conhecido.
13 Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade.
******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!! Acesse: https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

*********** ***********

 

TUDO TEM SEU TEMPOCal 3, 1-11

https://youtu.be/uQF1fPMp63w

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Sexta-feira da 25ª Semana do Tempo Comum (25/09/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Ecl 3,1-11
1 Tudo tem seu tempo. Há um momento oportuno para tudo que acontece debaixo do céu.
2 Tempo de nascer e tempo de morrer; Tempo de plantar e tempo de colher a planta.
3 Tempo de matar e tempo de salvar; tempo de destruir e tempo de construir.
4 Tempo de chorar e tempo de rir; tempo de lamentar e tempo de dançar.
5 Tempo de atirar pedras e tempo de as amontoar; tempo de abraçar e tempo de se separar.
6 Tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de esbanjar.
7 Tempo de rasgar e tempo de costurar; tempo de calar e tempo de falar.
8 Tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz.
9 Que proveito tira o trabalhador de seu esforço?
10 Observei a tarefa que Deus impôs aos homens, para que nela se ocupassem.
11 As coisas que ele fez são todas boas no tempo oportuno. Além disso, ele dispôs que fossem permanentes; no entanto o homem jamais chega a conhecer o princípio e o fim da ação que Deus realiza.
*******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

—-
*Tocando em Frente*
Renato Teixeira

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque eu já chorei demais
Hoje me sinto mais forte
Mais feliz, quem sabe
Eu só levo a certeza
De que muito pouco eu sei
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora
Cada um de nós compõe
A sua própria história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
*Ouça a canção*

https://youtu.be/b-x5Jy_leQY

 

 *********** ***********

 

CONHEÇA O LIVRO DE JÓ E SUA LIÇÃO-Pe Johan Konings

 

https://youtu.be/3HEwcbRhxzU

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Segunda-feira da 26ª Semana do Tempo Comum (28/09/2020)
Prof. Dr. Pe. Johan Konings (FAJE)

Jó 1,6-22
6 Um dia, foram os filhos de Deus apresentar-se ao Senhor; entre eles também Satanás.
7 O Senhor, então, disse a Satanás: ‘Donde vens?’ – ‘Venho de dar umas voltas pela terra’, respondeu ele.
8 O Senhor disse-lhe: ‘Reparaste no meu servo Jó? Na terra não há outro igual: é um homem íntegro e correto, teme a Deus e afasta-se do mal’.
9 Satanás respondeu ao Senhor: ‘Mas será por nada que Jó teme a Deus?
10 Porventura o não levantaste um muro de proteção ao redor dele, de sua casa e de todos os seus bens? Tu abençoaste tudo o que ele fez, e seus rebanhos cobrem toda a região.
11 Mas, estende a mão e toca em todos os seus bens; e eu garanto que ele te lançará maldições no rosto!’
12 Então o Senhor disse a Satanás: ‘Pois bem, de tudo o que ele possui, podes dispor, mas não estendas a mão contra ele’. E Satanás saiu da presença do Senhor.
13 Ora, num dia em que os filhos e filhas de Jó comiam e bebiam vinho na casa do irmão mais velho,
14 um mensageiro veio dizer a Jó: ‘Estavam os bois lavrando e as mulas pastando a seu lado,
15 quando, de repente, apareceram os sabeus e roubaram tudo, passando os criados ao fio da espada. Só eu consegui escapar para trazer-te a notícia’.
16 Estava ainda falando, quando chegou outro e disse: ‘Caiu do céu o fogo de Deus e matou ovelhas e pastores, reduzindo-os a cinza. Só eu consegui escapar para trazer-te a notícia’.
17 Este ainda falava, quando chegou outro e disse: ‘Os caldeus, divididos em três bandos, lançaram-se sobre os camelos e levaram-nos consigo, depois de passarem os criados ao fio da espada. Só eu consegui escapar para trazer-te a notícia’.
18 Este ainda falava, quando chegou outro e disse: ‘Teus filhos e tuas filhas estavam comendo e bebendo vinho na casa do irmão mais velho,
19 quando um furacão se levantou das bandas do deserto e se lançou contra os quatro cantos da casa, que desabou sobre os jovens e os matou. Só eu consegui escapar para trazer-te a notícia’.
20 Então, Jó levantou-se, rasgou o manto, rapou a cabeça, caiu por terra e, prostrado, disse:
21 ‘Nu eu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei para lá. O Senhor deu, o Senhor tirou; como foi do agrado do Senhor, assim foi feito. Bendito seja o nome do Senhor!’
22 Apesar de tudo isso, Jó não cometeu pecado nem se revoltou contra Deus.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

*****************

Festa de Santa Maria Madalena – Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria

https://youtu.be/Z-XW9I2r6lE

 

Reflexão bíblica – Festa de Santa Maria Madalena (22/07/2020)
Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Jo 20,1-2.11-18
1 No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.
2 Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.
11 Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo.
12 Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
13 Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”.
14 Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus.
15 Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”.
16 Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabunni” (que quer dizer: Mestre).
17 Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”.
18 Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.
********
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado. Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

 

MARIA MADALENA – Pe Frizzo

 

https://youtu.be/0EzMHQdQCBk

Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo
Reflexão bíblica – Sexta-feira da 24ª Semana do Tempo Comum (18/09/2020)
Prof. Dr. Pe. Antônio Carlos Frizzo (ITESP)

Lc 8,1-3
1 Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa Nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele;
2 e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios;
3 Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes; Susana, e várias outras mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.
*******
O Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo é uma iniciativa de professores de Bíblia, cuja proposta é oferecer um nutrimento bíblico-espiritual, uma palavra de conforto e esperança a partir do texto sagrado.
Inscreva-se em nossas redes sociais e não perca nenhuma reflexão!!
Acesse:

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

—–
Veja mais informações sobre *Maria Madalena* em

http://xacute1.com/?p=7742

*********** ***********

*********** ***********

TEB-TRADUÇÃO ECUMÊNICA DA BÍBLIA

https://youtu.be/72Wq4G6FQDc

 

*********************

 

CURSO SOBRE O LIVRO DO DEUTERONÔMIO

Neste ano de 2020, a Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia fundamentando-se no livro do Deuteronômio, com o lema “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11). É um livro rico em reflexões morais e éticas, com leis para regular as relações com Deus e com o próximo. Por isso, em setembro, nós do Grupo de Reflexão Bíblica São Jerônimo ofereceremos, com exclusividade, pelo nosso canal do YouTube, um mini curso sobre o Deuteronômio, apresentando uma introdução geral ao livro, aos principais temas teológicos e à sua importância na literatura bíblica.

Inscreva-se em nossas redes sociais.

https://www.linktree.com.br/grbsaojeronimo

 

Aula 01 – Introdução ao livro do Deuteronômio Prof. Dr. Fabrizio Zandonadi Catenassi (PUCPR) - Veja no YouTube

 

https://youtu.be/9UUmcSeQGlU

 

Aula 02 – Temas teológicos do  livro do Deuteronômio:  Profa. Dra. Ir. Elizangela Chaves Dias (Pontifícia Universidade Urbaniana e SIMI) e Prof. Dr. Pe. Jean Richard Lopes (PUC Minas) - Veja no YouTube

https://youtu.be/vLf-0-rQIbE

 

 

AULA 03 – DEUTERONÔMIO: CONSTITUIÇÃO PARA ISRAEL – por Prof. Dr. Pe. Jaldemir Vitório - Veja no YouTube

https://youtu.be/cqgK31faClE

 

AULA 04 – DEUTERONÔMIO E ANTIGO TESTAMENTO por Prof. Dr. Pe. Cássio Murilo Dias da Silva (PUCRS) - Veja no YouTube

https://youtu.be/dmoCHf1BQZ8

 

 

 

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

 

 

 

 

ARQUEOLOGIA BÍBLICA

segunda-feira, julho 27th, 2020

 O QUE É ARQUEOLOGIA?

 

arqueologia é uma disciplina que se ocupa da investigação dos indícios, ou vestígios, de civilizações e culturas passadas. O termo é composto pelos radicais gregos Arkhé, que significa tanto “início/começo” quanto “ordem/organização”, e Logia, que significa, por sua vez, “estudo/ciência”.

As investigações arqueológicas têm por objetivo principal fornecer subsídios materiais, com datação temporal precisa, para a reconstrução do passado humano. Por isso essa ciência é tão importante para outras disciplinas, como a história e a antropologia.

VEJA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ARQUEOLOGIA NA WIKIPÉDIA

 

O QUE É ARQUEOLOGIA BÍBLICA? – WIKIPÉDIA

arqueologia bíblica é um ramo da arqueologia especializado em estudos dos restos materiais relacionados direta ou indiretamente com os relatos bíblicos e com a história das religiões judaico-cristãs. A região mais estudada pela arqueologia bíblica, na perspectiva ocidental, é a denominada Terra Santa,[1] localizada no Médio Oriente.

Os principais elementos desta ciência arqueológica são, em sua maioria, referências teológicas e religiosas, sendo considerada uma ciência em toda a sua dimensão metodológica. Assim como se dá com os registros históricos de outras civilizações, os manuscritos descobertos devem ser comparados com outras sociedades contemporâneas da EuropaMesopotâmia e África.

As técnicas científicas empregadas são as mesmas da arqueologia em geral, com escavações[2] e datação radiométrica,[3] entre outras. Em contraste, a arqueologia do antigo Médio Oriente é mais ampla e generalizada, tratando simplesmente do Antigo Oriente sem tentar estabelecer uma relação específica entre as descobertas e a Bíblia.

************

** Arqueologia e exegese por Sandro Galazzi

 

https://youtu.be/vBdu50EX2hQ

 

*************

ARQUEOLOGIA BIBLICA – VERBO FILMES

Este material traz importantes informações sobre o mundo da arqueologia bíblica, a partir de imagens e pesquisas recentes feitas nos principais sítios (Tel) de Israel e Jordânia. Este valioso material serve de referência para professores e alunos de teologia e arqueologia e para todos aqueles que anseiam por uma visualização dos locais onde aconteceram importantes fatos do mundo bíblico.

1. HAZOR – parte 1 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/trZhbiehjEw

 

 

22. HAZOR – parte 2 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/U4WWQ3lA6XA

2. HERODIUM - veja no Youtube

 

https://youtu.be/u8CFblZxlUk

 

 

3. JERICÓ - veja no Youtube

 

https://youtu.be/1K_YxkK-1Qk

 

 

4. LAQUIS - veja no Youtube

 

https://youtu.be/bMUiCj-V61A

 

 

5. MAR MORTO - veja no Youtube

 

https://youtu.be/2627FsARS2o

 

 

6. MASSADA - veja no Youtube

 

https://youtu.be/OLiYW9gPeuE

 

 

7. MEGUIDO - veja no Youtube

 

https://youtu.be/la8DQEzqG50

 

 

23. MEGUIDO – parte 2 - veja no Youtube

https://youtu.be/dITyskrmMhc

 

 

8. QUMRà- veja no Youtube

 

https://youtu.be/SNVw6kcGTFQ

 

 

9. TEL ARAD - veja no Youtube

 

https://youtu.be/m5i-wox7ZTo

 

 

10. BER SHE VA - veja no Youtube

 

https://youtu.be/2BKEcb0GOe4

 

 

11. BET SHEAN - veja no Youtube

 

https://youtu.be/dBmE3Ezs-8g

 

 

12. GUEZER – parte 1 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/beXJ2Uu1Dz4

 

 

21. GUEZER – parte 2 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/Geh-Oy71loM

13. BELÉM - veja no Youtube

 

https://youtu.be/Qxzcsd3si8o

 

 

14. CAFARNAUM - veja no Youtube

 

https://youtu.be/3bUW9aHAKJg

 

 

15. GERASA - veja no Youtube

 

https://youtu.be/g7jtB5uSkRQ

 

 

16. JERUSALÉM – parte 1 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/pHYpvAZB8Kw

 

 

19. JERUSALÉM – parte 2 - veja no Youtube

 

https://youtu.be/pP2uDy94UFM

 

 

17. NAZARÉ - veja no Youtube

 

https://youtu.be/ZE9F5wn8O_8

 

 

18. PETRA - veja no Youtube

 

https://youtu.be/8sSLXwIIEgg

 

 

20. ARAD - veja no Youtube

 

https://youtu.be/ruxJyPeanew

 

 

24. JEZREEL - veja no Youtube

 

https://youtu.be/ZACyejPs-1c

 

 

25. REHOV - veja no Youtube

 

https://youtu.be/Q_e-HRH0v54

 

 

26. PELLA - veja no Youtube

 

https://youtu.be/atdDtesQu-Q

 

 

27. Dà- veja no Youtube

 

https://youtu.be/ltfnAjI2_Lw

 

 

28. ENTREVISTAS (Israel Finkelstein e Amihai Mazar) - veja no Youtube

 

https://youtu.be/7CjUequb_ys

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

 

 

 

Castillo, José Maria

domingo, julho 19th, 2020

 Pe CASTILLO – REFLEXÕES LITÚRGICAS

 

Sagrada Família de Jesus, Maria e José – Ano B – HOMILIA -  Evangelho: Lucas 2,22-40

 José María Castillo - Teólogo espanhol

Uma família muito diferente

A liturgia da Igreja dedica o domingo seguinte ao dia de Natal, para propor aos cristãos a recordação da família de Jesus como o modelo cabal, e o melhor exemplo do que deve ser e como deve ser uma família perfeita. O que tem a sua lógica. Porque, se estamos recordando a Virgem Maria, São José e o Menino Jesus, que família mais exemplar podemos propor aos cristãos e, em geral, a qualquer sociedade onde a instituição familiar esteja vigente? O que – se todo este assunto é pensado a partir das convicções de um crente – resulta bastante razoável.

No entanto, tudo isso traz consigo também um problema.

O problema consiste em que esta «idealização» da «Sagrada Família» é isso: uma representação ideal.

Porém, esse ideal corresponde à realidade ou, melhor, corresponde ao que as pessoas de mentalidade mais conservadora quiseram que fosse o real?

Nos evangelhos da infância, já se relatam coisas que, se aconteceram tal como relatadas, foram fatos que transtornaram a convivência, se é que era uma família de seres humanos. Maria ficou grávida sem que seu esposo, José, o soubesse. Este homem esteve a ponto de abandonar sua mulher. Quando o menino nasceu, imediatamente, viram-se ameaçados até o ponto de terem de sair correndo como fugitivos para um país distante, no qual ficaram não se sabe quanto tempo.

Ademais, a fuga para o Egito costumava-se fazer, na Antiguidade, de modo que aquilo era o que se chamava [em grego] de anachóresis, que era a fuga para o deserto daqueles que eram perseguidos pelas autoridades. Eram autênticos «fugitivos». E, quando já viviam em Nazaré, aconteceram coisas que não se compreendem facilmente, por exemplo, o menino ficar em Jerusalém sem dizer nada a seus pais, algo que estes não compreenderam.

E o mais grave que aconteceu nessa família ficou patente e notório quando Jesus deixou sua casa e sua família. E se pôs a dizer e fazer coisas, que as autoridades religiosas viram que eram um perigo e um assunto grave. Por isso, seus parentes diziam que Jesus estava louco (Mc 3,21) e não creram nele (Jo 7,5), de forma que até o desprezaram quando ele voltou ao seu povo, em Nazaré (Mc 6,1-6) e até os compatriotas quiseram matá-lo (Lc 4,22-30).

A família é a instituição fundamental para que nós, seres humanos, quando vimos a este mundo, nos integremos na sociedade e sejamos bons cidadãos.

A família deve satisfazer a necessidade de carinho e de educação nos valores fundamentais, sobretudo, os «Direitos Humanos».

Porém, não nos esqueçamos que a família é, em suas origens, uma «instituição econômica», que garante e sobre ela se legaliza o direito de propriedade. Daí, o perigo de que o interesse econômico se sobreponha aos demais interesses e valores.

Há de se cuidar dos valores da família. Porém esses valores se asseguram quando se cuida com esmero do carinho, do respeito, do bom trato, da bondade. Tendo em conta que estes valores não se asseguram quando a família se «politiza» até ser origem de conflitos e divisões.

 

4º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA

 Evangelho: Lucas 1,26-38

 José María Castillo, Teólogo espanhol

Deus se Faz Presente nos Humildes

local: aquilo que se conta aqui, tão transcendental para a humanidade, ocorre na Galileiaa região dos que, em Israel, eram considerados ignorantes, impuros, com os quais não se podia relacionar-se. O desprezo dos antigos pelos galileus era tão forte, que, no ano 362, o imperador Juliano escreveu uma carta ao governador do Eufrates, Artabio, na qual mencionava «a estupidez dos galileus». Era famoso o dito do rabino Yochanan ben Zakkai [época do Segundo Templo]: «Galileia, Galileia, tu odeias a Torá».

Pois bem, em um povoado perdido, de um tal lugar, Deus se faz presente. É o estilo de Deus que se revela em Jesus. Assim são os hábitos do Deus de Jesus.

pessoa: central no relato é Maria, uma mulher desconhecida e humilde, da qual se diz que era «virgem», uma palavra que, no judaísmo daquele tempo, designava uma menina, a partir de sua puberdade até sua primeira relação sexual. O relato de Lucas quer destacar que o fato prodigioso, que aconteceu em Maria, é muito mais importante que aquele de sua parente Isabel.

O texto não fala da virgindade biológica de Maria, mas de sua fidelidade total a Deus. O Magistério da Igreja pregou sempre a virgindade biológica de Maria. Porém, uma virgindade assim, a pode ter uma mulher a qual se fez uma inseminação artificial e, em seguida, se lhe realizou uma cesariana. Essa mulher seria «mãe» e «virgem», segundo Karl Rahner [1904-1984: teólogo jesuíta alemão, um dos mais influentes do século XX]. É evidente que a virgindade de Maria refere-se a uma qualidade superior que Deus lhe concedeu, ao ser a mãe de Jesus.

mensagem: de Maria nascerá o Messias que Israel esperava. E muito mais do que esperava. Este texto do evangelho de hoje foi escrito quando já se tinha consciência do que disse São Paulo em Rm 1,3-4: o filho de Davi foi constituído, «por sua ressurreição», Senhor e Filho de Deus. Ainda que Lucas não conhecesse este texto de Paulo, o que diz o texto era já conhecido na Igreja.

 Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 446-447.

 

3º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA

  Evangelho: João 1,6-8.19-28

 José María Castillo, Teólogo espanhol

Autoridade da Vida e do Exemplo

Aqui fica claro que o ensinamento e o testemunho de João não coincidiam com o que ensinavam e queriam os dirigentes religiosos. Leve-se em conta que, no evangelho de João, a expressão “os judeus” designa (menos em 4,9.22 e 18,33.35.39; cf. 19,3.19.21) os homens que se identificavam totalmente com a religião, sobretudo os seus dirigentes religiosos (2,18; 5,10.16.18; 9,22; 11,47; 19,7.12) e especialmente as autoridades supremas do Templo (8,31; 11,19; 12,11).

Por isso, João dispara o alarme nos “judeus”, os quais mandam sacerdotes, levitas e fariseus para interrogar o Batista. Queriam saber quem era aquele estranho pregador que anunciava uma nova luz, na outra margem do rio Jordão, fora da cidade santa, o território da religião oficial, que não tolera que se anuncie uma luz à margem da instituição.

O que interessava aos dirigentes religiosos é qual título ou qual cargo tinha João para pregar e batizar. Os títulos e os cargos denotam poder. O poder é o que provoca obsessão nos sacerdotes. Porém, João não aceitou nem título nem cargos. João era um “joão-ninguém”. Sua autoridade era sua vida, seu exemplo, sua liberdade de tudo e em tudo. É somente uma voz que grita no deserto. Não se trata de humildade.

A chave está em que somente a partir do despojamento de toda pretensão pode alguém ser testemunha autorizada da Luz, que é o Senhor.

 João foi uma voz, ouvida e acolhida por alguns, “os publicanos e as prostitutas” (Mt 21,32), e rejeitada por outros, os “sacerdotes e anciãos do povo” (Mt 21,23). Os “zé-ninguém” escutam e acolhem a voz do Senhor. Os “titulados” a rejeitam.

O Evangelho transtorna as nossas seguranças. Jesus foi tão audaz que chegou a dizer aos supremos dirigentes religiosos que os publicanos e as prostitutas entram antes deles no Reino de Deus [cf. Mt 21,31].

Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 438-439.

1º Domingo do Advento – Ano B – HOMILIA

 Evangelho: Marcos 13,33-37

José María Castillo, Teólogo espanhol

Como nos Preparamos para a Vinda de Jesus

O Advento é o tempo de quatro semanas que dedicamos a preparar o Natal, o dia em que se recorda que Deus, em Jesus, fez-se presente na história. Preparar o Natal é, antes de tudo esperar a vinda de Jesus para acolhê-lo em nossas vidas. O Natal se reproduz e se repete todos os dias. Porque todos os dias Jesus se faz presente em nossa história, na vida de cada um de nós, no que fazemos e no que deixamos de fazer.

Jesus se faz presente na bondade, na amizade, na sinceridade, na honradez, no bem que fazemos e na felicidade que transmitimos àqueles que se sentem mal, tristes e necessitados.

Assim entra Jesus na história de cada pessoa, e na história da sociedade e da Igreja.

Porém, este evangelho nos diz algo muito mais forte. O chamado à vigilância, que aqui nos recorda Jesus, é a conclusão do discurso que, segundo Marcos, Jesus pronunciou antes de sua morte.  Neste discurso, Jesus anunciou duas coisas:

1ª) A destruição total do Templo (Mc 13,1-2).

2ª) A queda do sol, da lua e das estrelas (Mc 13,24-25) que indicam, segundo os profetas (Is 13,34; Jr 4,20-23; Ez 32,7 etc.), a ruína dos grandes impérios, os poderes opressores da humanidade.

Assim, o que o Evangelho nos diz é que a bondade, a honradez, a humanidade e a humildade, tudo isso tem tanta força que pode mais que a religião e a política. Queixamo-nos de quão mal está indo a Igreja, e quanto mal os políticos fazem.

Nossa bondade sem limites é a força que pode acabar com toda essa podridão.

O importante é que nos convençamos disto.

Preparar o Natal é, antes de tudo, reforçar nossa honradez, nossa humanidade, nossa integridade e a sensibilidade perante o sofrimento alheio. Porém, para isso, precisamos orarir a Jesus sem jamais nos cansarmos. Somente assim, estaremos vigilantes esperando a incessante entrada de Jesus na história de nossas vidas e das vidas de todos.

Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 421-422.

 

 

 

 

34º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo – HOMILIA

 Evangelho: Mateus 25,31-46

 José María Castillo

Teólogo espanhol

O Principal é Uma Vida de Bondade

No último domingo do ano litúrgico, a Igreja recorda aos cristãos que o Reinado de Deus alcança sua plenitude na recordação perigosa e na realização desconcertante do que foi a vida de Jesus. O evangelho de Mateus resumiu o aspecto central daquela vida no chamado «juízo final» ou «juízo das nações».

Este texto, como sabemos, foi objeto de incontáveis discussões e teorias. Discutiu-se se é uma profecia, uma parábola, o relato de um acontecimento que concluirá a história humana etc. Este não é o lugar nem o momento de explicar estas diversas teorias. E, menos ainda, podemos pretender esclarecer o que cada uma dessas teorias tem de verdadeiro e de falso.

O importante é deixar claro que se trata de ensinamento definitivo no qual o evangelho de Mateus nos condensa o essencial, o verdadeiramente central da mensagem que Jesus nos deixou como seu EVANGELHO, sua Boa Notícia.

Nessa passagem, Jesus responde a esta pergunta: o que é e em que consiste o «herdar o Reino de Deus»? A resposta:

Consiste em uma forma de viver CENTRADA NA BONDADE que contagia felicidade e alivia o sofrimento humano sempre e em todos.

Portanto:

1) O Reino de Deus não é uma religião.

2) Não consiste na aceitação doutrinal de dogmas, nem na prática de rituais sagrados, nem na submissão a preceitos ou mandamentos.

3) Tampouco, limita-se a pertencer a uma instituição que exige obediência ou submissão a uma autoridade suprema na terra.

 

O texto evangélico do juízo final não fala de nada disso! Nada disso, portanto, deve ser determinante para o juízo pelo qual cada ser humano teremos de passar, não agora perante a história, mas perante Deus. O juízo no qual cada um terá de responder sobre o que Jesus, o Senhor, representou para ele.

Nesse sentido, pode-se falar do cristianismo como religião. Porém, somente neste sentido. Jesus foi profundamente religioso. Porém, ele não centrou sua religiosidade na submissão da mente a alguns «dogmas» ou na observância de uns «ritos». Jesus centrou sua vida na BONDADE com os que sofrem. Nisso Jesus viu o Pai do Céu.

De acordo com o que se disse, duas coisas ficam patentes:

1) O central do cristianismo não é a crença em umas verdades ou a observância de uns rituais.

2) O mais perigoso para os seres humanos é o chamado «pecado de omissão». Isto é, o mais grave não é o que nós, mortais, fazemos, mas o que deixamos de fazer. Em outras palavras, o que mais prejudica no mundo não é o mal que cometemos.

A pior coisa que fazemos na vida é ignorar o mal que vemos e sentimos ao nosso redor.

Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 413-414.

32º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

  Evangelho: Mateus 25,1-13 

José María Castillo

Teólogo espanhol

 Jamais Perder a Alegria do Reino

Esta pequena história nos remete a alguma pregação de Jesus que foi recolhida por Mateus entre as parábolas do final de seus dias em Jerusalém. Pelo menos, é seguro que o redator deste evangelho viu que este era o lugar e o momento mais oportuno para recordar o significado de tal história.

Assim, mediante este relato, Jesus nos recorda que o perigo, a ameaça, o juízo, a condenação, o sofrimento e a morte, nada disso, por mais temível que possa ser, nunca deve constituir motivo para perder a alegria que sempre há de estar presente em nossa vida.

Aqui, Jesus não contou uma parábola sobre a parusia [a segunda vinda de Cristo] ou o final da História. A metáfora do «noivo» remete a Deus (Os 2,21s; Is 62,5; Jr 2,2). Tampouco, se trata de uma parábola do juízo, como fica claro na comparação com as bodas que evocam alegria  e não temor. Sem dúvida, como bem assinala Ulrich Luz [1938-2019: especialista suíço em Mateus, autor de um extenso comentário ao evangelho], a intenção última do redator foi uma advertência, na qual se queria dizer:

Aquele que não estiver preparado, pode perder o «momento» (kairós) da alegria! Por isso, deve-se estar vigilante para não o perder jamais.

Os Padres da Igreja viram no óleo, que mantém viva a nossa perseverança e esperança, a FÉ
A consequência é clara e motivadora: ser cristão e seguir Jesus é viver na alegria. Portanto, tudo quanto ameaça nossa alegria, nossa felicidade, assim como a alegria e felicidade dos outros, é algo que deve ser evitado, se é que desejamos esperar Jesus, o noivo da grande festa de bodas, que é o Reino de Deus, a alegria de Deus, a felicidade em que deve viver o cristão sempre.

E isso, ainda que haja «esquecidos» (como as virgens imprudentes) ou tenhamos conduta egoísta (como a das virgens «prudentes»). Que temos e teremos limitações e misérias, isso ninguém duvida, por mais boa vontade que tenhamos. Porém, nada disso nos deve retirar ou diminuir nossa constante alegria de vivermos na festa sem fim que é o Reino de Deus.

Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, página 396.

 

28º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

  Evangelho: Mateus 22,1-14 

 José María Castillo

 Teólogo espanhol

 O Reino é o Grande Banquete de Deus

Não é possível entender esta parábola, se não levamos em conta o que representava, nas cultura antigas o “simpósio”, o banquete festivo que se celebrava, desde o mundo judeu ao mundo romano, passando pela cultura dos gregos. Os biblistas “de ofício” costumam resistir à influência que o “simpósio” antigo teve nas origens da eucaristia. Porém, os dados históricos aí estão. E negar-se a aceitar tais dados produz a impressão de um certo “fundamentalismo bíblico”, que resiste aos fatos que viveram os primeiros cristãos.

Isto suposto, é certo que Jesus oferecia o Reino, antes de tudo, aos marginalizados através de sua mesa de fraternidade. Trata-se disso: para muitos acadêmicos, a comensalidade com os socialmente excluídos é essencial em toda reconstrução social do Jesus histórico que pretenda ser válida. Por exemplo, John Dominic Crossan afirma enfaticamente: «Minha teoria é que a magia e a comida ou o milagre e a mesa… proporcionam o ponto crucial do programa de Jesus. Se esta teoria não for verdadeira, eu teria que reescrever todo o livro» (O Jesus Histórico, Imago Editora, 1994). Quer dizer que, se arrancarmos dos evangelhos as refeições de Jesus, tudo aquilo que neles se diz perde sentido e seu significado para nós. Os cristãos devem sê-lo precisamente compartilhando o banquete da comida compartilhada com aqueles que aceitam participar dessa mesa, que, segundo a parábola, não são os ricos, mas os excluídos socialmente.

Nos tempos difíceis que estamos vivendo, quando tantos milhões de seres humanos não têm acesso ao mais elementar que nos pede a vida, a saúde e a alimentação, e isto superando qualquer forma de exclusão na sociedade, Jesus diz aos cristãos – e o diz à Igreja – que o central do Reino de Deus é a comensalidade.

Isto é, a mesa compartilhada com aqueles que não podem compartilhar nada mais que suas carências, suas exclusões, suas inseguranças e seus medos.

Assim, somente assim, poderemos fazer algo para que este mundo torne-se mais habitável. É isso que o Cristianismo tem a trazer para a humanidade neste momento.

26º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

Mt 21, 1-27 – O Importante é Fazer não Falar

Depois da entrada de Jesus em Jerusalém e a violenta expulsão dos comerciantes do Templo (Mt 21,1-27), a grande «parodia do poder», o evangelho de Mateus coloca três parábolas tremendas, todas elas dirigidas contra os dirigentes religiosos (não contra o povo de Israel):

a) a parábola dos dois filhos (Mt 21,28-32);

b) a dos vinhateiros homicidas (Mt 21,33-46);

c) a do banquete do Reino (Mt 22,1-14).

Com essas parábolas, Jesus provoca mais tensão na situação de enfrentamento com os responsáveis pela religião. E chega ao ponto de lhes dizer que eles são:

1) os que não fazem aquilo que Deus quer;

2) os que se apoderaram do poder e assassinam aqueles que lhes estorvam;

3) os que não entrarão no banquete de Deus.

Compreende-se que, ali mesmo, quiseram matar Jesus (Mt 21,46a). E não o fizeram porque o povo estava da parte de Jesus e os homens do Templo tinham medo das pessoas (Mt 21,46b. Cf. Mc 11,18.32; 12,12; Mt 14,5; 21,26.46; Lc 20,19; 22,2). Aqueles homens tão religiosos, além de traidores, eram covardes.

A parábola é imediatamente compreendida: A ética de Jesus não é a ética dos propósitos e das palavras, mas a ética dos fatos.

Para Jesus o que «se diz» não conta; o que conta é o que «se faz». Sobretudo, quando o que se diz é exatamente o contrário do que se faz. Isso é o que aconteceu com os dois irmãos [da parábola deste domingo]. E é o que ocorre, tantas vezes, com a elite religiosa:

* em suas pregações falam contra o apego ao dinheiro, aqueles que se parecem com qualquer coisa, menos a um pobre;

* falam contra o orgulho aqueles que ocupam sedes de poder e honra;

* são severos censores do sexo aqueles que ocultam e protegem a delinquentes sexuais.

Jesus acentua a sua denúncia ao afirmar que os grupos mais depreciados pela elite religiosa (publicanos e prostitutas) estão à frente dessa elite no caminho para o Reino. É de se notar que o verbo [grego] «proágousin» (Mt 21,31b) está no tempo presente, isto é, «agora» os publicanos e as prostitutas «vão à vossa frente» no caminho para o Reino.

A juízo de Jesus, os mais recuados [atrasados] no caminho para Deus são, precisamente, os que acham estar à frente dos outros e aqueles que se veem a si mesmos como o exemplo a seguir.

Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diario – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 346-347.

 

24º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

Evangelho: Mateus 18,21-35
José María Castillo
Teólogo espanhol
DEUS SERÁ CONOSCO COMO SOMOS PARA OS OUTROS
Jesus disse: «tratai os outros como quereis que eles vos tratem» (Lc 6,31). O critério de Jesus, então, é que cada um seja tratado por Deus do mesmo modo que essa pessoa trata os demais em sua vida cotidiana. Quer dizer, o comportamento de cada um com os outros é a medida do comportamento que Deus tem com cada ser humano.
Portanto, o respeito, a tolerância, a estima a capacidade de perdoar que cada ser humano tem com as pessoas com as quais convive, esse será o respeito, a tolerância, a estima e o perdão que receberá de Deus.
A tolerância e o perdão do «Senhor» ou «Rei» com seu «servo»/«escravo» alcança uma dimensão incrível, segundo a parábola. A dez mil talentos [cerca de 300 toneladas de ouro!] chegava a soma que Roma, com Pompeu, obteve da recém conquistada Judeia por volta do ano 60 a.C. (segundo o historiador Flávio Josefo). Herodes Antipas obteve duzentos talentos da Galileia e Pereia. Arquelau, seiscentos talentos da venda da Idumeia, Judeia e Samaria (segundo o historiador Flávio Josefo).
Assim sendo, a figura que propõe a parábola evoca a ação de Roma e reflete noções proverbiais sobre a riqueza dos reis. Por isso, é assombrosa a generosidade do «senhor/rei».  Como é assombrosa a ruindade e miséria do servo que, por pouco, chega a desejar matar a um desgraçado que lhe devia uma quantia miserável.
Tudo nesta parábola é exagerado, quase incrível. Como exagerada e surpreendente é a ruindade e a miséria de espírito que estamos vendo e vivendo na duríssima situação de crise atual. Jamais se viu tanta cobiça nos ricos e tanta incapacidade para perdoar «o dinheiro que me devem». A cobiça pelo dinheiro é a causa do que estamos sofrendo.
E, enquanto a Igreja não começar a tomar decisões exemplares, que seja capazes de comover o mundo, esta situação não muda. Especialmente nos países do sul da Europa, que são precisamente os países mais católicos. O mais urgente não é que se modifiquem as decisões econômicas, mas que se convertam os corações ambiciosos e a cobiça insaciável dos ricos, daqueles que manejam o poder político, daqueles que controlam o capital financeiro.
A chave não está na «economia», mas na «ética».
Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús. Comentario al evangelio diário – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 330-331.

 

22º Domingo do Tempo Comum – Homilia

Evangelho: Mateus 16,21-27
José María Castillo
Teólogo espanhol
JESUS, UM MESSIAS INESPERADO
A partir do momento em que os discípulos, pela boca de Pedro porta-voz deles, afirmam sua fé em Jesus como o Messias (Mc 8,27-30; Mt 16,13-16; Lc 9,18-21), este «começa» a explicar àqueles homens em que consistia seu messianismo e como iria se realizar.
Tal messianismo não seria uma carreira de êxitos, de triunfos, de poder e de fama. Totalmente o contrário. O messianismo que poderia trazer salvação e solução ao mundo, seria (tinha que ser) e se realizaria em uma vida que iria terminar no enfrentamento mortal com os poderes religiosos e políticos, até ver-se marginalizado, excluído e condenado por tais poderes.
Este fato, tal como historicamente aconteceu, pareceu intolerável a Pedro. Por isso, «repreendeu» Jesus. O que foi motivo de um enfrentamento duríssimo. Porque Jesus chegou a qualificar Pedro de «Satanás». Por que esse enfrentamento chegou a tal extremo? Estava em jogo o mais decisivo. Por quê?
O Messias, segundo o Antigo Testamento, era o «ungido». E ungidos eram o «sumo sacerdote» e o «rei». O messianismo estava associado, para qualquer judeu, ao mais digno, ao poder e à grandeza. A ideia de Messias estava, portanto, vinculada ao sobre-humano, ao governo glorioso do rei Davi (Is 9,1-6; 11,1ss; Mq 5,1-5). Talvez, na ideia do Messias estrasse, também, o conceito do «sagrado». Porém, é indubitável que a ideia judaica do messianismo estava vinculada à realeza, com o poder e dignidade que lhe corresponde, na qual encarna o papel e a grandeza da salvação do povo eleito.
Uma vez posto isso, e sendo essa a mentalidade do judaísmo proveniente do Antigo Testamento, compreende-se que Jesus, ao explicar seu messianismo (tal como de fato se consumou), teve de lançar mão de uma fórmula forte e direta: «o Messias tem de ir a Jerusalém e padecer muito lá». O texto utiliza o vocábulo grego «deï», que não tem equivalente semítico e que designa uma necessidade absoluta, inquestionável.
Porém, na história da interpretação bíblica, esta necessidade expôs um problema no qual a teologia ficou presa:
* Jesus «tinha que» padecer e morrer rejeitado pelas autoridades religiosas, porque assim Deus havia decidido?
Ou:
* Porque o próprio Jesus viveu de modo que aquela vida não poderia acabar senão em fracasso, em sofrimento e na morte de um subversivo?
Aqui está o problema capital para entender Jesus, para compreender o que significa o cristianismo, e para viver a fé cristã com coerência e segundo seu razoável significado.
O que isso quer dizer?
A afirmação forte, que faz Jesus, segundo a qual o Messias «tem que padecer muito» (grego: deï pollá pathein), associa o sofrimento e a morte de Cristo com «uma necessidade absoluta». O problema está em que o vocábulo «deï» («é necessário», «tem que») se associa no Novo Testamento com decretos divinos. Isto é que deu pé para se dizer que foi Deus quem decretou o sofrimento e a morte de Jesus.
Porém, se chegamos a esta conclusão, no fundo, o que estamos afirmando é que Deus necessitou de sofrimento e morte, nada menos do que a morte de seu Filho. O que equivale fazer de Deus um monstro de maldade e sadismo. Semelhante afirmação teológica é absolutamente intolerável e inaceitável. Em um Deus assim, não é possível crer.
Para pôr as coisas em seu lugar, é necessário saber:
1) No Novo Testamento se relaciona o vocábulo «deï» com normas de Deus para a ética e a piedade (At 5,29; 1Ts 4,1; Rm 8,26; 1Cor 8,2; 1Tm 3,2.7.15; Lc 13,14.16).
2) Nunca se relaciona com sofrimentos que Deus manda ou com decisões divinas relativas à morte de alguém.
3) E, claro, jamais se vincula a sofrimentos, violência e morte cuja origem esteja nas autoridades religiosas.
Deve-se dizer, portanto, o que dizem os evangelhos quando põem na boca de Jesus os anúncios da paixão: foram os sumos sacerdotes, os doutores da Lei e os senadores aqueles que decidiram torturar, humilhar e assassinar Jesus. Nesse sentido, pode-se afirmar que não foi Deus, mas que foi a Religião (por meio de seus representantes oficiais) que matou Jesus. O projeto de matar Jesus brotou dos observantes religiosos, os fariseus (Mc 3,6). E o consumou o Sinédrio das autoridades religiosas de Jerusalém (Jo 11,47-53).
Porém o que ocorreu, no cristianismo primitivo, é que os evangelhos foram redigidos e se difundiram (em sua redação definitiva) depois do ano 70, datação que está geralmente aceita e comprovada. Contudo, muito antes, entre os anos 41 e 51-52, as primeiras «igrejas», fundadas quase todas pelo apóstolo Paulo, receberam uma mensagem distinta àquela dos evangelhos. Foi a mensagem segundo a qual Cristo morreu crucificado, como «sacrifício» e «expiação» por nossos pecados. O que, a juízo de Paulo, foi um ato de generosidade de Deus. Foi o Pai quem entregou seu Filho para a nossa «justificação» e «redenção» (2Cor 5,21; Rm 3,24-26).
Estas duas interpretações da morte de Jesus, a dos evangelhos e a de Paulo, não se integraram devidamente na teologia cristã. Porém o fato histórico nos diz que Jesus morreu como um fracasso subversivo, por solidariedade para com todos os que sofrem neste mundo. Isto é o capital. E deveria ser o determinante para a Igreja.
Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: CASTILLO, José María. La religión de Jesús: Comentario al evangelio diário – 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 312-314.

17º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

Evangelho: Mateus 13,44-52
José María Castillo
Teólogo espanhol
O QUE PREENCHE O SER HUMANO
A primeira dessas parábolas compara a oferta de Jesus, o reinado de Deus, com um tesouro. Um tesouro tão valioso e que seduz tanto e produz tanta alegria, que aquele que o encontra, esquece-se de tudo o que tem, abandona tudo e vê nesse tesouro a única coisa que vale a pena neste mundo.
Como é lógico, isto quer dizer que quem encontra Jesus e sua mensagem, por esse motivo, muda radicalmente de vida. Uma novidade assim, não pode ser nem a prática religiosa, nem, muito menos, as obrigações que impõe a religião. Nem sequer, as promessas de felicidade para a outra vida. Nada disso é – para a grande maioria das pessoas – um tesouro que muda a forma de viver. A crença em uma esperança (incerta? insegura?) de futuro, normalmente, não modifica o presente visível, tangível.
O mesmo se deve dizer da pérola. No fundo, é a mesma comparação formulada com outras palavras. O que podem expressar o «tesouro» e a «pérola»?
Somente o que mais preenche os seres humanos:
um ambiente humano de respeitotolerânciaestimacarinho e segurança,
no qual damos felicidade e recebemos felicidade,
com a convicção de que isso é (e será) para sempre.
Somente isso pode significar o que, tal como são os humanos, Jesus oferece e afirma.
A comparação da rede e a separação última e definitiva dos peixes abre o horizonte das promessas de Jesus de tal maneira, que transcende todas as limitações inerentes à condição humana. A intenção de Mateus, ao colocar aqui esta comparação, é pôr uma «sentinela no horizonte» (Paul Ricoeur) último de todo o meramente humano, para superá-lo e transcendê-lo além de quanto nos atrevemos a imaginar ou suspeitar os mortais.
Em suma, a garantia mais segura de que o Evangelho está presente na vida é que essa nossa vida progrida e funcione impregnada de alegria pelo fato de ter conhecido e encontrado Jesus e seu Evangelho.
Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fontes:- CASTILLO, José María. La religión de Jesús: comentario al Evangelio diário 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 266-267.

16º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

Evangelho: Mt 13,24-43

José María Castillo
Teólogo espanhol
NINGUÉM É JUIZ DE NINGUÉM
O ensinamento desta parábola [do joio e do trigo] está claro: a juízo de Jesus, ninguém tem nesta vida o direito de erigir-se em juiz do bem e do mal. Ninguém tem, portanto, o direito de decidir onde está o bem (o trigo) e onde está o mal (o joio). E menos ainda, ninguém tem o direito de considerar-se com poder para pretender extirpar o mal pela raiz (arrancar o joio). Porque pode, muito bem, acontecer que, pensando que se arranca o joio, na realidade o que está se arrancando é o trigo.
Portanto, ninguém pode constituir-se em juiz dos demais. Ninguém tem direito de fazer isso. Ninguém pode condenar ninguém, rejeitar ninguém, reprovar a quem seja. Porque corre o perigo de equivocar-se. De modo que, pensando que faz uma boa coisa, na realidade o que leva a cabo é um dano.
Jesus condena, assim, o puritanismo e a intolerância. Todos corremos o perigo de incorrer nesse tipo de conduta. E nós sabemos, muito bem, até que ponto as pessoas andam por aí condenandorejeitandoofendendo, insultando… Porém, esse perigo aumenta, na medida em que, uma pessoa se faz mais religiosa, sobretudo, se sua religião é de caráter fundamentalista. Então, a intolerância supera todos os limites e chega a criar ambientes nos quais não se pode nem respirar.
Este mundo está repleto de fanáticos, que se consideram com o direito e o dever de obrigar que os outros mudem, até pensar e viver como pensa e vive o fanático intolerante. As pessoas «muito religiosas» dão medo! E tornam a vida insuportável e a convivência amarga.
No fundo, o problema está em que, no final das contas, o bem e o mal são categorias que dependem dos que tem poder para defini-lasFriedrich Nietzsche (filósofo alemão: 1844-1900) disse muito bem: «foram os bons mesmos, isto é, os nobres, os poderosos, os homens de posição superior… quem se sentiram e valorizaram a si mesmos e à sua obra como bons, ou seja, como algo de primeiro escalão, em contraposição a todo o baixo, abjeto, vulgar e plebeu» (Genealogia da moral I, 2).
E é, assim, que vamos limpar o campo do Senhor do suposto joio?
No final das contas, a essência do fanatismo consiste no desejo (e até no empenho) de «obrigar os outros a mudarem» (Amos Oz – escritor israelense: 1939-2018). Neste ponto coincidem todos os fanáticos do mundo, os quais, com frequência, degeneram para a violência e o terror.
Traduzido do espanhol por Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fontes: Religión Digital – CASTILLO, José María. La religión de Jesús: comentario al Evangelio diário 2020. Bilbao: Desclée De Brouwer, 2019, páginas 257-258.

 

 

15º Domingo do Tempo Comum – Ano A – Homilia

Evangelho: Mateus 13,1-23

 José María Castillo
Teólogo espanhol
A FORÇA DO REINO ESTÁ ENTRE NÓS
Para entender esta parábola, a primeira coisa que se deve levar em conta, é que a «palavra» (em grego: logos; em hebraico: dâbâr), nas cultura do Oriente Antigo, não era meramente um «signo» que transmite uma «ideia», mas era uma «força» que transmitia uma «realidade». A realidade que expressava a palavra.
Nesta parábola, o que Jesus explica é porque muitas vezes a palavra 
não é força, mas se frustra e, por isso,
resulta ineficaz ou sua eficácia é diminuída, limitada.
Como isso é mencionado na Bíblia, a «palavra de Deus», não se associa ao sacerdote (Zacarias, o pai do Batista, ficou sem palavra, mudo: Lc 1,20), enquanto que a palavra veio sobre João, não no Templo, mas no deserto (Lc 3,2). E é que a palavra era o meio pelo qual os profetas comunicam sua força ao povo (Am 1,6).
Porém, com Jesus, o tema da palavra dá um passo adiante que se torna decisivo: a palavra de Deus é a palavra de Jesus: «Porém, eu vos digo» (Mt 5,22. 28…). A palavra de Jesus tem tal força, que:
* faz milagres (Mt 8,8.16; Jo 4,50-53),
* perdoa pecados (Mt 9,1-7 paralelos),
* transmite seu poder pessoal (Mt 18,18; Jo 20,23),
* perpetua sua presença (Mt 26,26-29 paralelos).
Pois bem, levando em consideração tudo aquilo que foi exposto, a pergunta que temos de afrontar é forte: Por que, com tanta frequência, a palavra do clero, dos catequistas, dos professores de religião, não é semente para nada?
Por que essa palavra torna-se tão inexpressiva,
tão pesada, tão incômoda, tão rotineira?
Não seria porque, no lugar de «profetas» da palavra, temos «funcionários» do templo? Isso tudo não indicará que nos apegamos a uma religião rotineira e cômoda, enquanto nos afastamos do Evangelho de Jesus?
Porém, se vamos até o fundo do que contém todo esse assunto, o que fica claro é que a Palavra, que disse Deus ao mundo, é o próprio Jesus e somente Jesus.
Porque a encarnação da Palavra não alude a Jesus como um enviado escatológico em quem Deus atua hoje, mas afirma a presença d0 próprio Deus na carne. Em outras palavras: a encarnação da Palavra significa a presença de Deus na pessoa de Jesus. Isto é, em Jesus, em sua VIDA, seus ATOS e suas PALAVRAS, é onde aprendemos:
* quem é Deus,
* como é Deus,
* o que temos de fazer para nos relacionarmos com Deus.

 

** Volta à PÁGINA PRINCIPAL

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCANA

sexta-feira, maio 15th, 2020

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS PARA A LITURGIA DOMINICAL

 

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS

LITURGIA DOMINICAL – ANO B

 

Dia: 07 de março de 2021
3º Domingo da Quaresma
Evangelho: Jo 2,13-25
Primeira Leitura: Ex 20,1-17
Segunda Leitura: 1 Cor 1,22-25.
Salmo: Sl 19/18,8.9.10.11

 

 

Evangelho

Esta passagem do Cap. 2 do Quarto Evangelho tem uma estrutura interna bem marcada. A referência à festa da Páscoa abre e fecha a perícope:

  • v.13-17 (expulsão dos mercadores do templo durante a festa da Páscoa);

  • v.18-22 (destruição do templo e apresentação do Corpo como espaço de unidade);

  • v.23-25 (fechamento como nova menção da festa da Páscoa e o verdadeiro caráter destes representantes da religião dominante).

Como vemos, no centro, está a nova proposta da passagem do sentido do “templo” e para o sentido do “corpo”. O conjunto e, nele, a presença do episódio da expulsão dos mercadores no começo do Evangelho, à diferença dos Sinóticos (Mt, Mc, Lc), reflete o fato do Templo já ter sido destruído e a necessidade das comunidades cristãs se construir como referências, isto é, “Corpo de Cristo”.

A Páscoa evidencia a oposição entre mercado e libertação (v.13-17)

A Páscoa é o referencial teológico através do qual o Quarto Evangelho estrutura toda sua narrativa de início ao fim. Neste Cap. 2 é chamada de “Páscoa dos judeus” (paska tôn ioudaion) no v.13, mas no versículo 23 (já no anúncio do novo sentido da Páscoa/Ressurreição, cf. v.22) aparece apenas “Páscoa”. Esta diferenciação vai aparecer novamente em 6,4, literalmente, “estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus”, preparando o sentido eucarístico da nova comunhão entre as comunidades do discipulado amoroso que se desenvolve nesse capítulo, ligada novamente à Cruz-Ressurreição (cf. 6,54). O mesmo acontece em 11,55 e 12,1 (fazendo menção a ressurreição de Lázaro e à preparação de Jesus para a Cruz Ressurreição), em 13,1 (abrindo as falas do legado de Jesus na mesa eucarística), até chegarmos à narrativa em si em 18,28.39 e 19.14). O templo, como centro de um “mercado da fé” perdeu totalmente seu sentido pascal, isto é, libertador. O zelo que “consome” Jesus é um zelo do sentido da revelação do caráter libertador de Deus na Páscoa, sentido que será resgatado na Cruz-Ressurreição.

Corpo do Crucificado-Ressuscitado, caminho de libertação e vida (v.18-22)

O anúncio da destruição, ou melhor desconstrução-reconstrução, deixa bem clara a referência à Cruz-Ressurreição, “em três dias o levantarei” e a glosa (explicação) “mas ele falava do templo do seu próprio corpo” (2,19.21).

Neste Evangelho o verbo “levantar” (egeíro) é usado frequentemente para sinalizar a superação sofrimento e da morte ou para falar da ressurreição em si (cf. v.22; 5,8.21; 12,1.9.17;21.14).

A expressão é “o templo do seu próprio corpo”, apresenta o Corpo de Cristo – seja em referência à Eucaristia, seja em referência à Comunidade – como o lugar onde a morte se transforma em vida, a opressão e o sofrimento dão lugar à alegria da libertação; onde o mercado se transforma em partilha. Esta transformação, ou reconstrução da referência de fé, foi o caminho (quaresmal) que preparou aquelas pessoas que seguiam Cristo para crerem, inclusive, no testemunho da “Escritura” (grafê) e nas “palavras” (logon), isto é, reconhecer a presença do “logos” ressuscitado (v.22).

Sinais de Jesus geram a nova comunidade e desmascaram a hipocrisia (v.23-25)

Os “sinais” (semeion) são o caminho da revelação de Cristo no Quarto Evangelho aparecendo 17 vezes, mais do que em qualquer outro escrito do Segundo Testamento. A palavra semeion também pode ser traduzida como “milagre”, mas, embora no Quarto Evangelho todo milagre seja um sinal, nem todo sinal é um milagre. Aqui por exemplo, quais seriam estes sinais? Mesmo que inclua o milagre das Bodas de Caná da Galileia (2.1-12) não se refere somente a ele, mas também ao “sinal” de ter acabado com a mercantilização da fé no templo e ter apontado para o corpo crucificado ressuscitado como referência da fé libertadora. Por outro lado, havia quem, diante desses sinais, ficavam em um silêncio omisso, numa “tolerância” conveniente… Diante da situação de perseguição e morte vividas pelas comunidades do final do primeiro século, época em que foi escrito o Evangelho, essa atitude devia ser denunciada, pois passava uma imagem enganosa que depois se revelaria entregando as irmãs e os irmãos à morte.

Relacionando com os outros textos

A primeira leitura nos traz a versão mais conhecida dos 10 mandamentos (sendo que há outra em Dt 5,6-21), que iniciam com o sentido libertador da revelação divina: “Eu sou Javé teu Deus que tirou da terra do Egito, da casa da escravidão” (Ex 20,2). Assim estes mandamentos, muito além de uma mera regra moral, são a carta de princípios do projeto libertador de Deus para seu povo. A Páscoa que o Quarto Evangelho toma como referência para a desconstrução da mercantilização da fé e reconstrução do sentido do “corpo”, aqui também apoia a leitura libertadora dos mandamentos como projeto econômico, político e social. Páscoa libertadora da exploração do mercado, reveladora do “templo-corpo”, espaço de encontro das pessoas que creem neste projeto que, diante das estruturas opressivas e repressivas, se apresenta como loucura ou escândalo (1 Cor 1,22-25).

 

 

IV Domingo da Quaresma

Dia: 14 de março de 2021

Primeira Leitura: 2Cr 36,14-16.19-23

Salmo: 136,1-2.3.4-5.6

Segunda Leitura: Ef 2,4-10

Evangelho: Jo 3,14-21

 

Evangelho

O texto da liturgia de hoje faz parte do diálogo de Jesus com Nicodemos (Jo 3,1-21). No entanto, os versículos 11-21 já não parecem diálogo, mas um monólogo do mestre. Nele, o evangelista apresenta uma cristologia pós-pascal sobre o papel de Jesus, aquele que desceu do céu (v.13), o revelador máximo do amor de Deus. A perícope da presente liturgia se divide em duas partes:

a) Os vv.14-15 referem-se à crucificação (hypsóo - elevado/exaltado) de Jesus, tema já presente no diálogo com Nicodemos: nascer do alto (vv.3.5). Para tanto, o autor se vale do relato da serpente de bronze (Nm 21,4-9), talvez um antigo culto idolátrico que os rabinos reinterpretaram, dizendo que a cura não acontecia pela serpente, mas pelo fato de as pessoas se voltarem para Deus. Os mordidos eram salvos pelo Senhor e não pelo objeto contemplado (Sb 16,7). O texto de João, se vale desta memória como uma prefiguração da crucificação. Como outrora as vítimas das cobras, agora, quem contemplar o Filho de Deus exaltado na cruz e nele crer, tem a vida eterna.

Crer no elevado, porém, não é um ato mágico, mas implica em assimilar a lógica da cruz (1Cor 1,17ss; 2,6-9). Crer é entrar no caminho escandaloso do que será elevado. A salvação não se dá de forma automática. Embora oferecida de forma gratuita no Filho elevado, ela requer a relativização de tudo até às últimas consequências, inclusive na doação da própria vida. Gesto este que só se consegue pela fé na pessoa de Jesus. Olhar para o crucificado e crer nele é mais do que sentimento de piedade. É revestir-se da lógica que animou o Filho de Deus.

b) Os vv.16-21 tiram as consequências desta elevação. O que se vê no elevado (cruz) é o símbolo máximo do amor de Deus. Assim, o Filho, o que desceu do céu, é a autoridade impar para demonstrar o amor do Pai. Quem nele crê, tem a vida. Crer nele, assimilar a sua lógica é entrar no projeto de Deus que conduz à vida eterna. Não crer nele, é optar contra a vida. Logo, não é Jesus que condena, mas a opção de quem não crê e, portanto, não opta pela vida e assim, zela sua própria sorte.

Nos textos joaninos, mundo tem mais de um sentido. Aqui, mundo é o lugar humano onde o amor de Deus chega com sua graça através do Filho. Deus busca as pessoas na situação em que elas se encontram, pois, sua graça é o antídoto para todo pecado, fato ilustrado por Paulo, quando queria se ver livre do espinho na carne e recebeu de Deus a resposta: “basta-te a minha graça” (2Cor 12,9). Jesus é esta graça de Deus em meio ao mundo. Estes versículos mudam a compreensão que se tinha de Deus no Antigo Testamento e que ainda persiste nas mentes moralistas de todos os tempos. Deus não quer a condenação de ninguém, mas a pessoa tem de aceitar pela fé esta proposta que se manifesta naquele que desceu do céu.

Nos sinóticos, o julgamento se realiza no fim dos tempos (Mt 26,31-46). Em João isto já se realiza na história: aceitar pela fé, ou rejeitar é o julgamento (v.18).

Jesus se apresenta como luz do mundo (Jo 8,12). Assim, preferir as trevas (vv.19-20) é claramente optar contra o projeto de Deus revelado em Jesus. Não se trata, pois, de um pecado, ou ato isolado, fruto das fraquezas humanas. Antes, trata-se de opção clara contra Jesus, o revelador do Pai. Isto é, opção contra Deus. O mesmo se dá com ‘praticar a verdade” (v.21). Esta verdade não é conceito cognitivo segundo a concepção grega, mas antes, aderir à luz, manifestada na exaltação de Jesus, que, em última análise, é o caminho de Deus para este mundo.

Relação com as outras leituras (2Cr 36,14-16.19-23 e Ef 2,4-10)

Tanto na primeira leitura como em Efésios, mostra-se a situação de pecado do ser humano. Mas Deus, rico em misericórdia, não olhando os merecimentos do povo, em sua bondade envia a graça: a volta do exílio (primeira leitura) e a remissão quando estávamos em pecado (segunda leitura). A iniciativa sempre é dele. Por isto. Ele enviou ao mundo o seu Filho amado, não para condenar, mas para salvar.

 

5º Domingo da Quaresma

Dia: 21 de março de 2021

Primeira Leitura: Jr 31,31-34

Salmo: 50,3-4.12-13.14-15

Segunda Leitura: Hb 5,7-9

Evangelho: Jo 12,20-33

 

O capítulo 12 de João é composto por várias pequenas cenas que encerram o chamado “Livro dos Sinais” (Jo 2–12). O evangelho deste 5º domingo da Quaresma, Jo 12,20-33, é a quarta cena. Trata-se de um discurso dialogado em que Jesus revela sua missão como doador da vida e, ao mesmo tempo, explicita a missão da comunidade.

O início narrativo (v. 20) fala de gregos que subiram a Jerusalém para participar dos festejos da Páscoa. Estes gregos não são judeus da diáspora, mas simpatizantes do judaísmo, isto é, não judeus que querem percorrer um caminho de fé. Todavia, não são ainda circuncidados e, por isso, não são considerados membros a pleno direito da comunidade judaica. No v. 21 essas pessoas vão ter com Felipe e André. Estes dois discípulos desempenham um papel importante no evangelho de João. André é um dos discípulos de João Batista que se juntam a Jesus. Após permanecer todo um dia com Jesus, André apresenta seu novo Mestre a Pedro (Jo 1,41-42). Filipe é o primeiro ser chamado diretamente por Jesus e depois o anuncia a Natanael. André e Filipe são protótipos do discípulo-missionário: o encontro pessoal com Jesus impulsiona o discípulo ao anúncio. Este anúncio, todavia, não é uma imposição amarga e legalista, mas uma partilha entusiasmada e aberta, que deixa a pessoa que a recebe totalmente livre para questionar, para fazer sua própria experiência antes de aderir à proposta de Jesus.

O desejo dos gregos é ver Jesus (v. 22). Não é o desejo dos bisbilhoteiros que querem “tirar uma selfie e postar nas redes sociais”. No Quarto Evangelho, o verbo “ver” designa a descoberta do que está além das aparências, até alcançar o mistério. Por isso, um dos temas centrais é a “visão”, que equivale à experiência pessoal com Jesus e a resposta de adesão.

Ao ser informado deste desejo dos gregos, Jesus dá uma resposta estranha e parece ignorar o pedido daquelas pessoas. Suas palavras, no entanto, conduzem o leitor ao âmago do pedido. O que ele diz nos vv. 23b-24 indica o caminho para o discipulado.

Jesus começa afirmando: É chegada a hora de o Filho do Homem ser glorificado (v. 23b): Jesus declara que a hora chegou e que ela conduz à glória (vv. 23.28). Desde o início do Evangelho de João, há uma expectativa acerca da “hora de Jesus”. Em Jo 2,4, 7,30 e 8,20, afirma-se que a sua hora ainda não havia chegado. Mas agora, em 12,23 “a hora chegou”, porque o fato de os gregos buscarem Jesus indica o rompimento das barreiras raciais e culturais e o universalismo da mensagem do cristianismo.

Em seguida, ele usa uma metáfora para dar o sentido dos acontecimentos: Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo que caiu na terra não morre, permanece só. Mas, se morre, produz muito fruto (v. 24). Esta afirmação de Jesus faz lembrar a parábola do semeador (Mc 4,3-9 e paralelos). Nos sinóticos, a semente é usada como símbolo tanto da Palavra como do Reino de Deus. Em João, porém, a semente/grão é Jesus mesmo, que aqui faz entender o significado de sua morte. A morte é a condição para que se libere toda a energia vital que a semente contém: o fruto começa no grão que morre. Esta dinâmica é a própria vida-morte-ressurreição de Jesus, é a história da Salvação.

O v. 25 completa a metáfora: Quem quer bem a sua vida a perde, e quem odeia sua vida neste mundo vai conservá-la para a vida eterna. Jesus afirma que morre, não como ato final, mas como passo necessário para recuperar qualidade de vida. Portanto, o amor-próprio e o sentimento egoísta são incompatíveis com a adesão ao compromisso; são limitações que levam ao insucesso o projeto de Jesus pela “vida de sobra”. O egoísmo e o apego à vida levam a ceder diante das ameaças e, portanto, não só tornarão impossível amar sem limite, mas também acabarão cedendo ao mecanismo da injustiça.

No relato joanino da Paixão (Jo 18–19) não há nenhuma cena de agonia como nos sinóticos (Mc 14,21-42 e paralelos). A única referência em João a uma crise pessoal de Jesus diante de seu destino é o v. 27 do evangelho de hoje: Neste momento minha alma está perturbada. E, que direi? Pai, salva-me desta hora? Não obstante, Jesus manifesta a plena adesão ao projeto do Pai: Mas foi para isto que cheguei a esta hora. Esta é a hora para a qual sua vida está orientada desde o início. No Quarto Evangelho fica claro o conceito de que a cruz é o fruto de uma decisão consciente, um ato de doação livremente assumido.

Jesus continua: Pai, glorifica o teu nome! (v. 28), o que corresponde ao pedido do Pai Nosso “Santificado seja teu nome” (Mt 6,9). Este pedido não é que que os homens glorifiquem a Deus, mas o próprio Deus se faça conhecer ao mundo.

O Pai responde. Para Jesus (e para os leitores) a resposta é clara: Já o glorifiquei e o glorificarei ainda (v. 28). Para os presentes, porém, tudo parece um trovão. A voz/ trovão recorda as antigas teofanias em que Deus se dirigia ao povo por meio de um porta-voz (Ex 19,16.19). No êxodo do Egito, os israelitas e o próprio Moisés não puderam ver a glória de Deus (Ex 33,18; 34,29). Agora, porém, o Pai se manifesta diferentemente: com autoridade de Filho de Deus, Jesus promete acesso direto a esta nova teofania, para que, ali onde ele está, estejam também as suas discipulas e seus discípulos (v. 26). Não há mais, portanto, necessidade de mediador: a glória de Deus será visível em Jesus (Jo 12,45; 14,9). De certo modo, isso é cumprimento do que está na primeira leitura de hoje (Jr 31,31-34), mais especificamente o v. 34: Eles não terão mais de instruir seu próximo ou seu irmão, dizendo “Conhecei a Yhwh!”, porque todos me conhecerão, dos menores aos maiores.

 

Dom. de Ramos

Dia: 28 de março de 2021

Primeira Leitura: Is 50,4-7

Salmo: 21,8-9.17-18a.19-20.23-24

Segunda Leitura: Fl 2,6-11

Evangelho: Mc 14, 1– 15,47; Mc 11,1-10

 

Mc 14,1—15,47

No domingo que antecede à Páscoa, lemos a história da Paixão de Jesus. Para as histórias da Paixão, nos quatro evangelhos, surpreende o fato que apareça um mesmo decurso dos acontecimentos, que vão da captura de Jesus ao interrogatório judaico, ao processo diante de Pilatos, à crucifixão, à morte em cruz, à sepultura até a descoberta do sepulcro vazio.

A Paixão em Mc está relacionada também temporalmente com o cômputo dos dias e com a passagem da noite para a manhã: dois dias antes da Páscoa, os chefes buscam uma razão para matar Jesus (14,1); no dia da preparação da páscoa são enviados à cidade dois discípulos (14,12); ao cair da tarde, chega Jesus com os Doze (14,17); ao canto do galo, Pedro renega o seu Mestre (14,72); pela manhã Jesus é entregue a Pilatos (15,1). Crucifixão e morte são colocadas cada uma em uma série de três horas (15,25.33s) e, à tarde, Jesus é sepultado (15,42). Ao início e ao final da Paixão aparecem a unção de Jesus da parte de uma mulher (14,3) e, respectivamente, a intenção de algumas mulheres ungirem o cadáver (16,1).

Uma outra característica dos relatos da Paixão é a frequência de precisas indicações de lugar. A cena se desenvolve, sobretudo, em Jerusalém, mas a unção acontece em Betânia, na casa de Simão, o leproso (14,3), a agonia e a captura no Getsêmani (14,32), a crucifixão sobre o Gólgota (15,22). Sabia-se, além  disso, onde era o lugar do sepulcro de Jesus.

À história da Paixão são relacionados diversos personagens. Aparecem, em primeiro plano, os já conhecidos membros do grupo de discípulos. Pensa-se a Pedro, que renega Jesus e Judas Iscariotes que o trai. Os Sumos Sacerdotes e os membros do Sinédrio da parte judaica e Pilatos da parte romana, são os atores principais alinhados contra Jesus. A esses se adicionam o centurião do pelotão de execução e os soldados, como também os servos e servas do sumo sacerdote. A acompanhar Jesus pela estrada do seu sofrimento estão Simão Cirineu (15,21), Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago (15,40), outra mulheres (15,41), talvez, também, José de Arimateia (15,42s).

É característica a influência de citações veterotestamentárias que são tomadas dos Salmos que tratam do Servo Sofredor (em particular o Sl 21). Se, por um lado, desse modo, vem indicada uma precisa diretriz para a interpretação da Paixão de Jesus, por outro, o discurso vem completado na primeira parte da narrativa da Paixão sublinhando seja que Jesus conhecia antecipadamente o sofrimento que o esperava, seja que ele naquela ocasião foi capaz de anunciar as coisas, em vez de ordená-las (14,7.13-15.18.20s.25.27s.30.41s).

Grandeza e humilhação, portanto, se encontram próximas uma da outra. Note-se a interpretação paulina associando o mistério da encarnação com a realidade da crucifixão em Fl 2,6-11.

A poderosa palavra de Jesus se cumpre do mesmo modo (14,72) que a palavra da Escritura que o Crucificado cita com seu grito de morte (15,34). O caminho de Jesus na estrada do sofrimento é um itinerário de solidão que atinge uma intensidade dramática envolvente.

Mc 11,1-10

O evangelho proclamado no início da celebração de Ramos manifesta uma orientação messiânica não somente na aclamação do povo, mas ainda pela deposição das vestes no caminho (2Rs 9,13). Mc apresenta uma história de Cristo, anunciando Jesus como Messias, fazendo referência ao Antigo Testamento.

Jerusalém é citada em primeiro lugar. Das duas grafias recorrentes na Escritura, Hierosolyma e Hierousalēm, Marcos usa sempre a primeira. Enquanto a segunda possui dignidade e tons sacros, a primeira forma (helenizada) é o termo profano usual para designar a cidade. A escolha de Mc não é casual, visto que Jerusalém é para ele a sede dos adversários de Jesus (3,22; 7,1), onde estes o matarão (10,32; 15,41). Tampouco é sem intenção se depois da primeira visita à cidade Jesus se retira (11,11). O relato acena ao fato que a cidade lhe pertence enquanto descendente de Davi, mas a mesma cidade lhe oporá recusa.

De Betfagé pouco sabemos com exatidão. Betânia é expressamente nomeada junto ao Monte das Oliveiras devido ao significado que este monte possui no AT como lugar de oração (Ez 11,23; 2Sm 15,32). Segundo Zc 14,4 no dia do juízo o Senhor se revelará sobre o Monte das Oliveiras e fenderá em dois o monte.

A tarefa misteriosa confiada aos dois discípulos (vers. 2-3) é compreendida a partir de Zc 9,9 e Gn 49,11. Segundo Zc 9,9s o rei messiânico cavalga um jumento e trará paz aos povos. A montaria amarrada é uma reminiscência de Gn 49,11, onde a bênção de Jacó sobre Judá menciona o surgimento daquele que possuirá o cetro de comando. O jumento escolhido para a tarefa de levar o Messias é adequado também porque ninguém ainda o montou. No judaísmo a integridade é o pressuposto para o uso dos animais na esfera religiosa e cultual. Assim, p. ex., segundo 1Sm 6,7 somente vacas de leite sobre as quais não tenha sido colocada canga podem puxar o carro da Arca da Aliança.

Com a tarefa dada aos discípulos, Jesus inicia o cumprimento daquilo que foi dito nas Escrituras a propósito do Messias, e anuncia, assim, que já na entrada da cidade ele se atém totalmente à vontade de Deus.

Mc faz referência ao Kyrios (Senhor) que necessita do jumento. Kyrios é um predicado cristológico que quer fazer conhecer o poder que ele possui. Talvez, o contraste paradoxal, que contemporaneamente se manifesta em relação a este poder, deseje destacar a pobreza deste Senhor.

São colocados sobre o animal vestidos a modo de ornamentos e Jesus o monta. Este gesto e a cena toda a seguir recorda uma entronização do rei em Israel (1Rs 1,38-40; 2Rs 9,13).

Nos vers. 8-10 são mencionadas pessoas que saúdam Jesus. Mc dá a entender (v.9: “iam à frente dele e o seguiam”) que a multidão não vem da cidade para dar-lhe as boas vindas (comparar com Jo 12,13), mas se trata daquelas pessoas que vieram com ele da Galileia.

Estender vestes pelo caminho – para Mc é a estrada que conduz à Paixão – faz uma certa tensão com os ramos apanhados nos campos. A história se conecta com a crucifixão de Jesus como rei dos judeus.

O cortejo que acompanha Jesus lhe grita Hosana e o saúda com as palavras do Sl 117,26. Hosana literalmente significa “salva-nos” que é o sentido próprio do Sl 117,25 (2Sm 14,4; 2Rs 6,26).

O significado do ingresso é esclarecido com o aceno ao “Reino do nosso pai Davi” (v.10) que vem com Jesus. Tal reino era nostalgicamente esperado no judaísmo. O reino de Davi devia ser restaurado. Jesus entra na cidade (de Davi) realizando as promessas messiânicas. No entanto, não vem para satisfazer expectativas políticas. A ausência do título de rei não é um acaso (comparar com Lc 19,38; Jo 12,13), este é reservado ao relato da paixão no qual se manifesta a verdadeira dignidade real de Jesus. Certamente poder real de Davi aguarda a Jesus, mas o modo do seu reino não pode ser compreendido ainda por ninguém. Será o título da cruz a proclamá-lo.

 

 

Segundo Domingo da Quaresma
Dia: 28 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Gn 22,1-2.9a.10-13.15-18
Salmo: 115, 10 e 15. 16-17.18-19
Segunda Leitura: Rm 8,31b-34
Evangelho: Mc 9,2-10

 

O Evangelho

O episódio da transfiguração é estreitamente relacionado ao batismo de Jesus, quando Ele foi denominado por Deus “filho amado”. Agora, enquanto Jesus está para empreender o caminho em direção à cruz, o Pai o credita diante dos três discípulos privilegiados, Pedro, Tiago e João, exortando-os a escutá-lo. A profissão de fé de Pedro (8,29) que havia reconhecido Jesus como o Cristo, é confirmada pelo Pai, que o proclama de novo seu “filho amado” (9,7→1,11).

A perícope se abre com a ambientação cênica (v.2); segue a descrição da transfiguração de Jesus e a aparição de Elias com Moisés (v.4). Depois da reação de Pedro (v.5), Deus desvela o significado do evento (v.7). A parte conclusiva menciona o fim repentino da visão (v.8), a ordem do silêncio (v.9) e a execução da parte dos discípulos com a dúvida sobre a ressurreição.

Pela forma do relato, podemos compará-lo a Ex 24,1-9. Da mesma forma que Moisés, Jesus sobe o monte e leva consigo três acompanhantes expressamente nominados. Ao sétimo dia chega a Moisés a voz de Deus. Daqui se explicam os seis dias transcorridos para Jesus subir o monte (v. 2). A nuvem é, como em Ex 24,16s, sinal da presença de Deus. Uma concordância importante é verificada pelo fato que a voz de Deus ressoa da nuvem. Estes elementos são suficientes para caracterizar a perícope como narrativa de teofania: Jesus é envolto na aparição celeste, da qual os discípulos são testemunhas. A voz escutada o declara como Filho de Deus. Assim, o conjunto do relato se transforma em uma entronização. Jesus é apresentado como ser celeste do mundo transfigurado.

O termo “transfiguração” que habitualmente vem empregado para referir esse momento epifânico, devia, a rigor, ser substituído por “metamorfose”, já que esse é o vocábulo usado explicitamente por Mc 9,2 e Mt 17,2 quando referem que Jesus foi mudado de forma (metemorphōthē) à frente dos três discípulos. Ademais o verbo grego metamorphoūn tem um significado não-moral, como em Rm 12,2, mas físico. Denota uma mudança, ainda que momentânea, das qualidades externas de Jesus.

À transfiguração de Jesus se acrescenta a aparição de dois personagens do Antigo Testamento. A aparição, dirigida aos discípulos, vem descrita com as mesmas palavras que se usam para as aparições pascais do Ressuscitado (ōphthē: 1Cor 15,5; Lc 24,34) e para as aparições do anjo (Lc 1,11; 22,43; At 7,30). As pessoas que aparecem falam com Jesus, o transfigurado. No evangelho de Marcos, nada se diz sobre o conteúdo do colóquio (diversamente de Lc 9,31). Note-se que no v. 4, contrariamente ao que acontece no v. 5, Elias é nomeado primeiro que Moisés. Mc introduz essa mudança para pôr em evidência o seu interesse por Elias. É sabido que no judaísmo existia/existe a expectativa que Elias é o precursor do tempo messiânico. O evangelista, ao colocar Elias em primeiro, revela que para ele é mais importante o componente escatológico: Jesus introduz o fim dos tempos.

A palavra que Pedro dirige a Jesus é apresentada como resposta e reação ao que está acontecendo. Ele se dirige a Jesus com o termo Rabi (Mt 17,4: Senhor; Lc 9,33: Mestre). A exclamação “é bonito estarmos aqui” faz pensar na antecipação da bem-aventurança celeste que os discípulos experimentam. Mc interessa-se pela resistência do discípulo em compreender. A falta de compreensão de Pedro está no mesmo nível de 8,32s. Querendo reter a bem-aventurança celeste, o discípulo se defende novamente da necessidade do sofrimento.

Relacionando com as outras leituras

Devemos buscar o significado do texto na aceitação positiva da sua mensagem de fé e na disponibilidade em seguir Jesus no itinerário da cruz, sabendo que o percurso não se conclui com a cruz. Aqui a conexão com primeira leitura é nítida, pois o sacrifício de Isaac é figura da Paixão de Jesus, o Filho único. Podemos considerar que a perícope constitui a soma das experiências relacionadas à história de Jesus, que considera a sua atividade um evento escatológico-histórico.

 

 

 

1º Domingo da quaresma
Dia: 21 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Gn 9,8-15
Salmo: 25/24, 4bc-5ab. 6-7bc. 8-9
Segunda Leitura: 1Pd3,18-22
Evangelho: Mc 1,12-15

O evangelho deste primeiro domingo da Quaresma é composto por dois pequenos blocos: a tentação de Jesus (vv. 12-13) e o início do ministério de Jesus na Galileia (vv. 14-15).

O relato marcano da tentação de Jesus no deserto é extremamente sumário: apenas dois versículos (vv. 12-13). No entanto, no plano narrativo de Marcos é de extrema importância: primeiro Jesus vence a tentação e só depois começa a expulsar o mal que ameaça o projeto do Reino de Deus.

O v. 12 afirma que, após Jesus ser batizado, o Espírito o conduz ao deserto. O deserto, mais do que um lugar geográfico, é o espaço que desperta a memória da experiencia libertadora do Êxodo como proteção divina (Ex 15,22–18,27). O deserto é também o lugar do encontro com Deus (Dt 32,10), é o lugar para refazer a aliança (Os 2,16). Os profetas do exílio recorreram à imagem do deserto para anunciar que, como no passado, Deus viria salvar seu povo e fazer com ele um “novo êxodo” (Is 40,3). Todos esses elementos ajudam a compreender a importância do deserto na vida de Jesus: é a transição da vida oculta para a vida pública, para o tempo em que Jesus atua a salvação prometida por Deus pelos profetas.

O v. 13 afirma que Jesus permaneceu no deserto quarenta dias. Quarenta é um número simbólico, como muitos exemplos na tradição bíblica (Ex 34,28; Dt 8,2; 1Rs 19,8 etc.). No Antigo Testamento, o livro dos Números narra a tentação de Israel no deserto; agora, Jesus refaz simbolicamente o caminho de Israel no deserto (40 anos / 40 dias). Mas, a atitude de Jesus é totalmente diferente da atitude do povo da Antiga Aliança: Israel caiu na tentação da rebeldia e da murmuração; Jesus, ao contrário, vence a tentação. A liturgia cristã apropriou-se deste simbolismo e instituiu um tempo de 40 dias – a “quaresma” – de penitência e preparação para a Páscoa.

O mesmo v. 13 afirma que Jesus era tentado por Satanás, o inimigo de Deus e dos seres humanos. A palavra “satanás” tem o significado de “advogado de acusação; adversário, inimigo”. Este não é o único confronto entre Jesus e Satanás no evangelho de Marcos. Em outras ocasiões, Satanás tentará frustrar o projeto do Reino de Deus (3,23.26; 8,33).

O v. 13 termina com a conclusão de que Jesus estava no meio das feras e os anjos o serviam. É uma referência a textos do profeta Isaías que falam da paz prometida para o tempo messiânico (Is 11,6-9; 65,25;). Desse modo, Jesus é apresentado como o Messias que realiza o projeto de Deus, caracterizado pela vitória sobre o poder do mal e pela completa harmonia e paz na criação.

Ao derrotar o poder do mal em si mesmo, Jesus começa a derrotar o poder do mal no mundo. Os vv. 14-15 são um sumário, um resumo do projeto teológico de todo o livro de Marcos.

Não é à toa que Jesus inicia este anúncio crítico depois que João tinha sido entregue, isto é, depois que o Batista tinha sido aprisionado por criticar o Herodes Agripa, um rei fantoche e subserviente ao imperador Tibério César. A prisão do profeta João Batista é vista como o ápice da iniquidade de Herodes Agripa e sinal de que havia chegado o momento da intervenção de Deus para libertar seu povo. Por isso, o v. 15 afirma claramente:  Completou‑se o tempo oportuno e o Reino de Deus se aproximou. Convertei‑vos e crede no Evangelho.

O texto grego usa a palavra kairós: não se trata do tempo cronológico, mas do momento oportuno: a intervenção de Deus é agora!  Na continuação, Jesus diz que o Reino de Deus se fez próximo. A palavra kairós na primeira frase do versículo pode levar ao engano de interpretar que Jesus esteja falando da proximidade do tempo. Mas não: o verbo “aproximou-se” aqui não tem a ver com tempo, mas com espaço: o Reino de Deus está aqui, está ao alcance da nossa mão. Então, o Reino acontece agora (kairós, momento oportuno) e aqui (está ao nosso alcance).

Neste contexto devem ser lidos os dois imperativos do v. 15: Convertei-vos e crede no Evangelho. Converter-se, aqui, significa mudar de mentalidade, deixar de acreditar nas promessas enganosas do Império Romano, para acreditar no Evangelho de Deus. Em outras palavras, não se trata apenas de não mais ter medo do Império, mas também de não assumir como projeto pessoal e comunitário uma paz baseada no sangue e nos cadáveres dos inimigos e derrotados. A verdadeira força que salva não é a opressão do Imperador, mas o compromisso com o Reino de Deus!

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS

LITURGIA DOMINICAL – ANO B

 

6º Domingo Do Tempo Comum

Dia: 14 de fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Lv 13,1-2.44-46
Salmo: 32/31,1-2.5.7.11
Segunda Leitura: 1Cor 10,31-11.1
Evangelho: Mc 1,40-45

 

Evangelho

Na tradição do Antigo Testamento (Lv 13-14) pode-se descrever a lepra como um mal aterrorizante. Além da questão sanitária, havia o problema teológico. O leproso era impuro, tanto no sentido biológico como moral. Via-se esta doença como uma maldição de Deus. Portanto, a lepra era uma sentença de morte muito desoladora, pois o acometido deste mal perdia seu lar e sua comunidade, vivendo em lugares retirados até a terrível morte no abandono e ainda era julgado amaldiçoado por Deus. Pode-se dizer, o leproso era um excomungado, sem acesso à vida social e sem acesso a Deus. Ele devia esperar a morte abandonado por todos e sem perdão. Não havia cura, pois os recursos da medicina de então não alcançavam este mal. Curar um leproso, só aconteceria mesmo por milagre e equivalia a ressuscitar um morto. Por isto mesmo, ao leproso não restava nenhuma esperança. Os sacerdotes eram os encarregados de examinar as pessoas para constatar a lepra e também e uma eventual cura.

Na leitura do evangelho de hoje, algo de novo acontece: um leproso que, apesar de toda esta situação, ainda tem esperança. Ele se liberta da cosmovisão comum da época. Buscou em Jesus o que sabia que não encontraria no Deus domesticado pelos sacerdotes do templo. Busca a cura, não na instituição sacerdotal, mas na pessoa de Jesus. Ele se aproxima e, portanto, desobedece ao Lv 13,45-46 que estabelecia que ele deveria viver afastado e alertar as pessoas de que estava impuro (Lv 13,45s). Ele não se afasta, mas vai ao encontro do homem que, mais do que a instituição sacerdotal, podia lhe dar esperança e, com fé, diz: “se queres, podes…”. Por sua vez, também Jesus quebra as prescrições do Levítico. Toca no suposto impuro e amaldiçoado, mostrando que seu Deus não é aquele dos sacerdotes e escribas. Ele não exclui os impuros, mas derruba a cosmovisão teológica da oficialidade.

Algumas Bíblias traduzem o v. 41 como: “Jesus sentiu compaixão”. Outras traduzem, como “irado”. As duas são possíveis. Talvez esta última tradução nos chame atenção para o mais importante na ação de Jesus. Jesus não manifesta ira contra o leproso, mas contra o sistema excludente que condenava os “impuros” ao ostracismo.

Como instaurador do Reino, Jesus mostra sinais messiânicos já apontados pelos profetas (Is 35,5ss; 61,1ss). Ele apresenta as curas como a chegada deste Reino (Mt 11,5), quando a velha lei será superada. Isto, na comunidade Marcos, reflete a passagem de uma religião legalista para a nova práxis cristã, onde, mais do que um milagre no sentido de superação das leis da natureza, se supera uma visão teológica viciada e excludente.

Nesta nova realidade, o que conta é a compaixão que, na visão cristã, está acima da lei. Jesus mostra que o serviço ao ser humano supera a lei, pois como Ele ensina, a lei (sábado) foi feita para o ser humano e não o ser humano para a lei. Por isto ele cura e reintegra o ser humano contrariando a lei. Nisto consiste sua autoridade: ele revela o verdadeiro rosto de Deus e, para tanto, pode contrariar a lei.

Ao mandar o curado aos sacerdotes para testemunhar sua nova condição, Jesus confronta o sistema de pureza legal representado por eles. Eles devem perceber que os tempos messiânicos, preanunciados por Isaías, estão chegando. O Reino de Deus está próximo.

Como conseqüência de sua ação de superação do sistema preconceituoso, o leproso volta para o convívio dos seus e Jesus vai para o lugar do leproso, pois fica retirado dos locais públicos. Percebe-se aqui uma consequência de Is 53,4: “ele carregava nossas doenças”.

Relação com Lv 13,1-2.44-46

A descrição que Lv 13 e 14 faz dos leprosos mostra, no mínimo duas coisas: a preocupação de não contaminar as demais pessoas e, ao mesmo tempo, a grave situação de exclusão que os contaminados viviam, bem como seus familiares que perdiam seus entes queridos. O NT, na pessoa de Jesus, supera completamente esta visão. Os cristãos também devem cuidar para não contaminar ninguém, mas tiram dos ombros dos doentes, a grave chaga da maldição divina, dando-lhe atendimento e acolhida.

LITURGIA DOMINICAL – ANO B

5º Domingo do Tempo Comum
Dia: 7 de Fevereiro de 2021
Primeira Leitura: Jó 7,1-7.
Salmo: 146,1-2.3-4.5-6.
Segunda Leitura: I Cor 9,16-19.22-23.
Evangelho: Mc 1,29-39

 

Introdução: Intimidade e Empatia.

O Evangelho deste domingo mostra as ligações entre intimidade, empatia e solidariedade popular. Na intimidade e a empatia vivenciada no círculo pessoal/familiar da casa de Simão e André se gera a comunidade de serviço em favor das pessoas mais vulneráveis. A intimidade da consciência humana em Jó lança o desafio empático com as pessoas que são vítimas de relações de opressão e escravização. Paulo parte de sua experiência pessoal de missão e declara a vivência empática entre as pessoas fracas. Um domingo onde as leituras bíblicas ligam a vivência pessoal da fé com o compromisso social e político.

Marcos: intimidade e empatia

Em Mc 1,29  está o final de uma narrativa da “sinagoga de Cafarnaum”, que inicia em 1,21. Embora em outras narrativas se fale que Jesus entrou em sinagogas (3,1), pregou (1,39) e ensinou (6,2), este é o único texto onde se menciona que ele e os discípulos “saíram da sinagoga” indo para a “casa” (oikia). Este movimento marca quando a comunidade de Marcos visualiza o surgimento da comunidade “cristã”. Na intimidade da casa, a comunidade vive o encontro com Jesus. A casa aparece novamente em 9,33; quando “partindo para Cafarnaum” entraram na casa. Na casa Jesus se revela como “servo de todos” (9,35). A casa tem como referência inicial Simão e seu irmão André (portanto é a casa materna/paterna de ambos, 1,16). Simão ainda não é conhecido como “Pedro” (cf. 3,16). O texto dá entender que ambos falaram para Jesus (intercederam) pela sogra de Simão, que estava acamada (1,30). Esta mulher vulnerável é imagem de toda a comunidade de Marcos, perseguida, ferida, frustrada. Jesus a toma pela mão (outro gesto de profunda intimidade e ternura) e a febre desaparece imediatamente. A mulher/comunidade tocada por Jesus, começou a servir!

Na segunda parte do texto, a “casa” se torna referência para todas as pessoas vulneráveis, doentes e excluídas. A referência “quando o sol se pôs”, indica que o sábado passou, o que permite que, sem exclusão, “todas” as pessoas doentes ou “possuídas” vão ao encontro de Jesus (1,32), ampliando-se no versículo seguinte quando “toda a cidade” se reúne na porta da casa (1,33). Verifica-se um movimento de igreja de saída, que vai da intimidade empática, para a empatia inclusiva em relação às pessoas mais vulneráveis, e daí parte para a missão que faz a ação política solidária (cidade/pólis).

Uma primeira conclusão em 1,34 substitui “todos/as” (pas), por “muitos/as” (polús). Os “demônios” como forças espirituais da morte e do sofrimento perceberem quem era Jesus (eído, de “ver”, não de “saber”), mas ele não deixa estes “falar” (laleo). Esta é uma prévia do chamado “segredo messiânico” em Marcos. As forças de morte percebem logo quem é Jesus e qual é sua missão, mas esta missão deve ser desenvolvida a partir da comunidade, da intimidade, da empatia e do compromisso social e político. Jesus é o Messias que emerge da comunidade, não imposto ou implantado por nenhum poder.

O dia em que a comunidade foi gerada segue. Ainda escuro, no amanhecer do primeiro dia da semana – dia da ressurreição, como é dito em Mc 16,2- Jesus se afasta, gerando, na comunidade, um sentimento de abandono muito semelhante ao da sua morte (1,35). A comunidade, liderada por Simão, sai em busca de Jesus, como no episódio da ressurreição (1,36-37; cf. 16,7). Jesus anuncia a missão de compromisso social e político a partir da comunidade, dizendo literalmente “dentro disso, pois eu vim/vou” (eis touto exelton). Jesus provoca a “eclesiogênese” (cf. Clodovis e Leonardo Boff) desde a intimidade, passando pela empatia e projetando o compromisso social e político. Jesus continua pregando por toda a Galileia, nas “sinagogas deles” (sunagogas auton), mas sempre voltando para a casa/comunidade como referência, expulsando as forças de morte (1,39).

Ligação com os outros textos

O texto de Jó exige o mesmo cuidado do que o texto de Marcos, em não ver na pessoa (sogra de Pedro) apenas ela, mas a expressão de muitas outras na mesma situação. Assim quando no livro de Jó se pergunta: “não está o homem condenado a trabalhos forçados aqui na terra?” (7,1-3), não se conecta a intimidade do sofrimento humano, com a empatia e o compromisso social e político? Quando ao apóstolo Paulo afirma “para os fracos, fiz-me fraco, a fim de ganhar os fracos”, não expressa ali, através da sua intimidade de fé, a empatia e o compromisso social e político? Assim podemos ver, através destas leituras, que este é o caminho da fé, da construção comunitária e da missão de Deus.

 

 

Quarto Domingo do Tempo Comum
Dia: 31 de Janeiro de 2021
Primeira Leitura: Dt 18,15-20
Salmo: 94,1-2.6-9
Segunda Leitura: 1Cor 7,32-35
Evangelho: Mc 1,21-28

 No Evangelho de Marcos, Jesus inicia sua atividade em público com um exorcismo. Marcos inicia a perícope com dados situacionais: Cafarnaum, sábado, sinagoga. No v. 22 é constatado o ensinamento cheio de autoridade de Jesus e a reação de quem o escuta. No entanto, nada se diz sobre o conteúdo do ensinamento. É nítido o contraste/confronto com o ensinamento dos escribas. A autorizada doutrina de Jesus, que ultrapassa a doutrina dos escribas, pode fundar-se sobre o fato que Jesus fala por autoridade direta, enquanto que os escribas simplesmente explicam a Lei e a tradição.

Os vers. 23-28 contam uma clássica história de exorcismo, cujos elementos essenciais são: entrada em cena do endemoninhado, tentativa de defesa, ordem e expulsão por parte do exorcista, saída do espírito impuro e reação afirmativa das pessoas presentes.

Os personagens em ação são Jesus, o espírito impuro e aqueles que estão presente na sinagoga. O homem endemoninhado é como que um coadjuvante do espírito impuro que o possui. Aos discípulos se faz alusão somente na frase inicial como acompanhantes de Jesus.

É digno de nota que aquilo que o espírito impuro reconhece é justo, Jesus é “o Santo de Deus”. O reconhecimento se torna uma revelação. A expressão “santo de Deus” pode ser encontrada também em Lc 4,34; Jo 6,69 (cf., ainda Dt 7,6; Jz 16,17; 2sm 17,18; Sl 105,16; Sb 11,1). A pergunta subentendida é: basta reconhecer o senhorio de Jesus? Ecoa o convite do salmista: “não endureçais vossos corações” (Sl 94,8).

O grito se articula em repulsa–profissão de fé (vers. 23-24) e suplício (v.26; comparar com 9,26). Ao espírito impuro é ordenado de manter para si a sua consciência sobre Jesus. Sobre a epifania se baixa o véu do mistério.  Marcos nos convida a cotejar os gritos do espírito impuro (vers. 23-24.26) com a voz de comando de Jesus (v.25). A dessemelhança é reveladora. Esta diferença faz compreender a intenção de apresentar Jesus, conectado à imagem veterotestamentária, como o senhor da natureza e das forças que nela operam.

O fato que os espíritos impuros reconheçam Jesus constitui uma característica usual em Mc (3,11; 5,7). A pergunta “o que há entre nós e ti?” contém aspecto de repulsa que é formal e recorrente no Antigo Testamento (Jz 11,12; 2Sm 16,10; 1Rs 17,18; 2Rs 9,18).

A referência à vinda de Jesus (v.24) é geral e não diz respeito somente à sua chegada na sinagoga de Cafarnaum. A sua missão tem como meta a aniquilação do ser demoníaco.

A reação dos presentes na sinagoga é de surpresa e admiração. O raro ethambēthēsan (“ficaram estupefactos”), pode descrever também o espanto dos discípulos por uma palavra de Jesus (10,24.32). O novo ensinamento, dotado de autoridade e confirmado pela multidão (v.27), se manifestou na obediência dos espíritos impuros ao comando de Jesus. A reação torna transparente o conjunto do relato: ele se apresenta como história de missão, enquanto na reação confluem em um único gesto a assembleia da sinagoga e a assembleia cristã missionária. Também a difusão da fama de Jesus na circunvizinhança vai entendida como notícia relacionada à missão.

O texto do Dt mostra que os judeus esperavam um Messias que fosse como um novo Moisés. “As palavras de Deus em sua boca” (Dt 18,18) evidenciam o paralelismo entre Jesus e Moisés.

Para Mc a autoridade da palavra de Jesus aparece referendada pelo o fato de estar acompanhada por ações poderosas. A ação torna explícita a palavra. A história do exorcismo deve ser lida com esse pano de fundo. A derrota dos espíritos malignos anuncia que chegou o senhorio de Deus.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     estef@estef.edu.br    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40

 

 

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS

LITURGIA DOMINICAL – ANO B

 

3º Domingo do Tempo comum

Dia: 24 de janeiro de 2021

Primeira Leitura: Jn 3,1-5.10
Salmo: 24,4ab.6-7bc.8-9
Segunda Leitura: 1Cor 7,29-31
Evangelho: Mc1,14-20

 

O evangelho deste domingo pertence ao bloco conhecido como “Ministério de Jesus na Galileia” (1,14–7,23). Para compreendermos bem os versículos que lemos nesta liturgia (1,14-20), é necessário dividi-los em dois pequenos blocos.

O primeiro (vv. 14-15) é um sumário, no qual está resumido o projeto teológico de todo o livro de Marcos. Nesses dois versículos, ganha destaque o termo “evangelho”. Esta palavra não foi inventada por Jesus nem pelos cristãos. Ela já era usada na língua grega e seu significado nós sabemos: “boa notícia”. A questão é saber: Que tipo de boa notícia? Ou melhor: Boa notícia para quem?

No mundo greco-romano, “evangelho” era qualquer notícia ligada ao poder de Roma e do imperador: vitórias militares e derrota dos inimigos, bem como a entronização do imperador. Em suas cartas, Paulo se apropria deste termo e muda totalmente o significado: o conteúdo do “evangelho” é a salvação atuada por Jesus Cristo. O primeiro a usar aquela palavra para designar um livro é Marcos (Mc 1,1). Este autor diz abertamente que o evangelho que Jesus anuncia não é uma boa notícia do Império Romano, mas é “de Deus”. Com este acréscimo, o evangelista diz claramente que a boa notícia de Deus não é a boa notícia do Império; pois o que o Império oferece não é a salvação, e sim a chamada Pax Romana, um sistema de dominação baseado na violência e na destruição.

Não é à toa que Jesus inicia este anúncio crítico depois que João tinha sido entregue, isto é, depois que o Batista tinha sido aprisionado por criticar o Herodes Agripa, um rei fantoche e subserviente ao imperador Tibério César. A prisão do profeta João Batista é vista como o ápice da iniquidade de Herodes Agripa e sinal de que havia chegado o momento da intervenção de Deus para libertar seu povo. Por isso, o v. 15 afirma claramente:  Completou‑se o tempo oportuno e o Reino de Deus se aproximou. Convertei‑vos e crede no Evangelho.

O texto grego usa a palavra kairós: não se trata do tempo cronológico, mas do momento oportuno: a intervenção de Deus é agora!  Na continuação, Jesus diz que o Reino de Deus se fez próximo. A palavra kairós na primeira frase do versículo pode levar ao engano de interpretar que Jesus esteja falando da proximidade do tempo. Mas não: o verbo “aproximou-se” aqui não tem a ver com tempo, mas com espaço: o Reino de Deus está aqui, está ao alcance da nossa mão. Então, o Reino acontece agora (kairós, momento oportuno) e aqui (está ao nosso alcance).

Neste contexto devem ser lidos os dois imperativos do v. 15: Convertei-vos e crede no Evangelho. Converter-se, aqui, significa mudar de mentalidade, deixar de acreditar nas promessas enganosas do Império Romano, para acreditar no Evangelho de Deus. Em outras palavras, não se trata apenas de não mais ter medo do Império, mas também de não assumir como projeto pessoal e comunitário a Pax Romana, que, como vimos, é uma paz baseada no sangue e nos cadáveres dos inimigos e derrotados. A verdadeira força que salva não é a opressão do Imperador, mas o compromisso com o Reino de Deus!

O fato de Jesus ter escolhido como primeiros membros de seu grupo quatro pescadores, bem como as palavras que dirige a Simão e a André – Vinde após mim, e eu vos farei ser pescadores de homens – também merecem nossa atenção.

Nos vv.16-20 temos duas cenas semelhantes, narradas como típicos relatos de vocação: enquanto caminha, Jesus vê trabalhadores e os convida a deixar tudo e segui-lo. A eleição de pescadores e a insistência de Marcos neste particular vão além do sentido simbólico superficial, isto é, congregar pessoas para que recebam o perdão e a salvação. O convite a pescadores liga este episódio a dois textos proféticos, Am 4,2 e Jr 16,16, nos quais os pescadores simbolizam os exércitos inimigos que invadem Israel e Judá. A ação daqueles pescadores era a de dispersar e devorar o povo. Nos tempos de Jesus, assim agia o Império Romano. Ao qualificar seus primeiros discípulos como pescadores, Jesus os convida a agir de modo contrário, isto é, reunir e salvar o povo. Os discípulos, portanto, são convocados a se unir a ele na sua luta para restaurar a dignidade das pessoas e de toda a nação. Muitas vezes, isso implica deixar e combater privilégios ancorados na dominação romana. Por isso, o evangelista insiste que os primeiros vocacionados deixaram imediatamente redes e barcos, não para fugir do mundo, e sim para se inserir numa prática social alternativa, baseada não em vantagens interesseiras, mas na liberdade diante da vida e do futuro.

 

 

 

 

 

 

Segundo Domingo do Tempo Comum
Dia: 17 de janeiro de 2021

Primeira Leitura: 1Sm 3,3b-10.19
Salmo: 39,2.7-10
Segunda Leitura: 1Cor 6,13c-15a.17-20
Evangelho: Jo 1,35-42

 

Evangelho

O texto deve ser lido dentro da unidade maior (Jo 1,19-2,11) que se apresenta como uma semana teológica, parafraseando Gn 1,1-2,4a. Assim, em Jo 1,19-28 se relata o primeiro dia: testemunho de João Batista diante dos enviados de Jerusalém. Em Jo 1,29-34 está o segundo dia: testemunho de João diante de Jesus, como Cordeiro de Deus, sobre o qual viu descer o Espírito. No terceiro dia (Jo 1,35-39) o Batista testemunha diante dos discípulos que aderem a Jesus. Já no quarto dia (Jo 1,40-42), André testemunha diante de Simão. No quinto dia (Jo 1,43-51) Filipe testemunha diante de Natanael. A culminância desta semana teológica acontece no sétimo dia, ou seja, no terceiro dia, ou dois dias depois do quinto dia (Jo 2,1-11) quando a glória plena de Jesus se revela e os discípulos creem nele (2,11).

Nesta semana teológica, a dinâmica geradora da comunidade de fé, é o testemunho. Num primeiro momento, é João que dá seu testemunho: “eis o Cordeiro de Deus”, conceito haurido de Ex 12 e Is 53. No segundo momento, os dois discípulos que passaram de João a Jesus, atribuem a ele o conceito de Mestre (Rabi). Um destes discípulos, depois de ter permanecido o dia na Sua presença, apresenta-O a Simão, como o Messias/Cristo. Se continuarmos a leitura na próxima perícope, Filipe o apresenta a Natanael como “aquele de quem está escrito na lei de Moisés e nos profetas” (v.45). Por fim Natanael o define como “rabi, Filho de Deus e rei de Israel” (v.49). Ao que o próprio Jesus completa: “vereis o céu aberto… sobre o Filho do Homem” (v.51 cf. Gn 28,12 – visão de Jacó). Como se percebe, é uma cristologia crescente que culmina com o testemunho dos discípulos e é completada pela palavra de Jesus.

A cena se dá onde João batiza. Ele, como o último representante da antiga Lei, dá testemunho sobre Jesus e, imediatamente, dois de seus discípulos, passam da antiga Lei para a pessoa de Jesus. João está parado e Jesus anda. Isto é, o papel de João está chegando ao fim, o Antigo Testamento cumpriu sua função. João dirá, logo adiante: “É preciso que ele cresça e eu diminua” (Jo 3,30). Agora inicia a missão de Jesus. Os fiéis do antigo Povo de Deus chegam a Jesus pelo testemunho de João e o testemunho dos que já aderiram é a dinâmica para trazer outras pessoas (cf. At 1,6-8). Assim, João (AT) entende que não deve formar discípulos para si, mas encaminhá-los ao verdadeiro esposo (Jo 3,29ss).

Os conceitos usados: Cordeiro de Deus, Mestre, Messias, etc. são conceitos pós-pascais, quando a comunidade relê Jesus à luz do AT. O cristão que tem esta fé passa tranquilamente da antiga Aliança para a pessoa de Jesus e está apto a testemunhar e assumir a missão de evangelizar. Esta dinâmica fica clara na ação daqueles que usufruíram do primeiro testemunho e levaram a missão de João até Natanael, passando por Pedro.

Assim, parafraseando o primeiro relato da criação, o evangelista mostra que a nova criação está acontecendo de forma plena na pessoa de Jesus. Claro, para isto conta o testemunho vindo do AT que prepara a missão de Jesus e este, por sua vez, requer a adesão dos discípulos que, agora, continuam a missão através do testemunho. Dir-se-ia: só pela adesão a Jesus, a plenitude da revelação de Deus (cf. Gl 4,1ss; Hb 1,1ss; Ef 1,10; Cl 1,19) a criação preconizada em Gn 1 chega à plenitude.

Relação com 1Sm 3,3b-10.19

Como os discípulos de Jesus, também Samuel faz a experiência de Deus que o chama para a missão. Assim como os discípulos chegaram a Jesus pelo testemunho de João, de André e de Filipe, também Samuel, ouvindo a voz de Deus, precisou do testemunho e da orientação de Eli. A verdadeira fé é um dom de Deus, mas este não cai do céu. Se expressa na comunidade e, para chegar à verdade, precisa do testemunho das pessoas disponíveis a Deus. Samuel teve sua fé amadurecida por Eli, os discípulos chegaram à verdade pelo testemunho de João e dos demais. Hoje, a verdadeira fé vem pelo testemunho da igreja, isto é, pelo povo que vive com autenticidade os valores revelados na Bíblia e plenificados na pessoa de Jesus Cristo.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     estef@estef.edu.br    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40

 

 

 

Batismo do Senhor – Ano B

Dia 10 de Janeiro de 2021

Primeira Leitura: Is 42,1-4.6-7

Salmo: 28,1a.2.3ac-43b.9b.-10

Segunda Leitura: At 10,34-38

Evangelho: Mc1,7-11

Introdução

O Evangelho da comunidade de Marcos é o pioneiro no gênero literário chamado “evangelho”. Comparado com os outros dois Evangelhos Sinóticos (Mt e Lc) é quase um sumário. É claro que devemos lembrar que os primeiros textos do Novo Testamento foram as Cartas de Paulo, que podem ter influenciado esta primeira narrativa sobre a trajetória ministerial de Jesus Cristo sob o título “Evangelho” (cf. Gl 1,6-9; Rm 1,3s; 1 Cor 9,14;15,3-5). Mas, este termo tinha uma origem anterior nas narrativas do Império Helenista de Alexandre e no Império Romano quando se anunciava o nascimento de um imperador como “deus”. O Batismo de Jesus, por sua vez, faz parte das narrativas confessionais da comunidade que busca descrever a glória única e incomparável de Jesus com auxílio de traços lendários. Elas também sinalizam o Batismo como a necessidade de estabelecer o vínculo de continuidade entre os movimentos proféticos de João Batista e de Jesus de Nazaré (Mc 1,2-11 e 6,14-19).

O texto em si

A narrativa tem duas partes, claramente diferenciadas: 1,7-8 (Pregação de João Batista sobre “aquele que é mais forte do que eu”) e 1,9-11 (Narrativa do Batismo). A primeira parte refere-se à continuidade entre os movimentos proféticos de João Batista e Jesus. Quando João Batista afirma que Jesus é “mais forte” (termo que usará depois em 3,27 para falar da casa de um homem “forte”). A dimensão comparativa entre os dois movimentos usando a expressão geralmente traduzida como “eu não mereço”, mas a palavra grega hikanós não se refere ao “mérito”, mas à “quantidade”, isto é, “não tenho o suficiente para…” ou “não tenho a capacidade de…” (cf. Mc 10.46, “numerosa”; 15,15; “multidão”). Aqui fica claro que João Batista e Jesus simbolizam seus movimentos proféticos!  João Batista declara que seu movimento – cuja marca era o batismo nas águas do rio Jordão, por onde o povo ingressou à Terra Prometida – deve se incorporar ao movimento de Jesus – cuja marca é a ação do Espírito Santo – para completar a missão transformadora. Chegou a hora de aderir a um novo movimento, um novo batismo que incorpora a força divina.

A segunda parte é uma declaração de fé da comunidade de Marcos, aberta pelo título formal “naqueles dias”. Este tipo de introdução aparece neste Evangelho para falar de grandes sinais de Jesus como em 8,1 quando Jesus faz o gesto eucarístico da partilha com multidão, ou ainda em 13,24 quando se anuncia a volta do “Filho do ser humano” após a “grande tribulação”. Jesus, apresentado em relação à Nazaré da Galileia, e não como “Cristo” (cf. Mc 1,1), mostra que o movimento profético do Evangelho emerge do chão da história. Com Jesus, batizar – lavar, desconstruir a relação de pecado – assume o sentido maior da entrega na Cruz (central na teologia de Marcos; cf. 10.38-39).

Relacionando os textos

A alegria que se proclama neste Domingo - Gaudete - está em Jesus, Logos criativo, que é Vida Luz e chama para um testemunho profético que se vive no chão de nossa história concreta, como foi com João Batista e Jesus, e vai além dos estreitos limites de nossos parâmetros “religiosos”. A leituras proclamam a alegria de anunciar a “boa notícia para as pessoas pobres” (Is 61,1) e, como Maria, se alegrar “em Deus meu/nosso Salvador” (Lc 1,47) pois, Ele “encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias” (Lc 1,53). Se alegrar na oração e no discernimento que reside em “não apagar o Espírito”, “não desprezar as profecias” e “reter o que é bom”, se abstendo “de toda forma de mal” (cf. 1 Ts 5.16,19-22). Este alegre movimento da profecia só pode ser realizado quando nossa prática de fé não se fecha em parâmetros estreitos, limitando a revelação ao nosso poder como “autoridade religiosa”, mas se abre o sentido (Logos) da Vida e da Luz, capaz de iluminar as trevas de quem perdeu a capacidade de testemunhar e acolher.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     estef@estef.edu.br    facebook.com/estef

Fone: 51-32 17 45 67     Whats: 51-991 07 26 40