Archive for janeiro, 2016

APÊNDICE – MARCOS

domingo, janeiro 3rd, 2016

APÊNDICE DO EVANGELHO DE MARCOS

Mc 16,9-20

Embora de grande riqueza teológico-eclesial, o texto carrega em si alguns problemas de caráter redacional.

É praticamente unanimidade entre os estudiosos que o evangelho original de Marcos termina em Mc 16,8, e os versículos seguintes, de 9 a 20, foram acrescentados posteriormente, já após algumas décadas.

Dois motivos principais contribuem para essa teoria;

  • o primeiro é a mudança de estilo literário entre esses versículos e o restante do evangelho;
  • o segundo motivo é a ausência desses versículos nos manuscritos mais antigos desse evangelho, os códigos Vaticano e Sinaítico.

Como 16,8 termina dizendo que naquele primeiro dia semana “as mulheres fugiram do túmulo com medo”, a comunidade completou o texto, colhendo informações dos outros evangelhos, dando uma conclusão menos angustiante ao evangelho.

De fato, nos versículos de 9 a 20, podemos encontrar uma espécie de síntese dos relatos de aparição dos outros três evangelhos:

    • referência aos discípulos de Emaús (cf. v. 12), típico de Lucas;
    • menção à incredulidade (cf. v. 14), típico de João, e
    • o envio missionário universal (v. 15), característico da conclusão de Mateus.

O acréscimo desses versículos, portanto, serviu para apagar, em partes, a impressão de incompletude no Evangelho segundo Marcos.

Pe. Francisco Cornelio

 

 

É unânime, entre os comentadores de Marcos que o final (16,9-20) não pertence à primeira redação, por alguns critérios:

  1. Há testemunhos escritos, como os códices do Vaticano(*) e o Sinaítico(**), que terminam em Mc 16,8;
  2. O vocabulário e o estilo diferem do restante do Evangelho;
  3. O conteúdo de Mc 16,9-20 é uma síntese do que se encontra no final de Mateus, Lucas e João.

Mc 16,9-11 – APARIÇÃO A MARIA MADALENA

ver  Jo 20, 11-18

Mc 16,12-13 – APARIÇÃO AOS DOIS DISCÍPULOS

 ver  Lc 24, 13-35

Mc 16,14 – APARIÇÃO AOS ONZE DISCÍPULOS

            ver  Lc 24,36-43

Mc 16,15-18 – MISSÃO DOS ONZE

ver  Mt 28,18-20; Lc 24, 44-53

Mc 16,19 – ASCENÇÃO

ver  Lc 24,50-51; At 1,9

Mc 16,20 – OS DISCÍPULOS COMEÇAM A MISSÃO

(Cf.: Atos dos Apóstolos)

(*)  O Codex Vaticanus, é um dos mais antigos manuscritos existentes da Bíblia grega (Antigo e Novo Testamento) e um dos quatro grandes códices unciais. O nome do codex deve-se ao fato de estar guardado na Biblioteca do Vaticano, pelo menos desde o século XV. Escrito em 759 folhas de velino em letras unciais, foi datado palaeograficamente como sendo do século IV.

A erudição acadêmica atual considera o Codex Vaticanus como um dos melhores textos gregos do Novo Testamento, juntamente com o Codex Sinaiticus. Até a descoberta do texto do Sinaiticus por Tischendorf, o Codex Vaticanus era inigualável. O Codex Vaticanus foi usado extensivamente por Westcott e Hortna edição de “O Novo Testamento no Grego Original“, em 1881. As edições mais vendidas do Novo Testamento grego são largamente baseadas no texto do Codex Vaticanus.

 

(**)O Codex Sinaiticus, também conhecido como Manuscrito ‘Aleph’ (primeira letra do alfabeto hebraico), é um dos mais importantes manuscritos gregos já descobertos, pois além de ser um dos mais antigos (século IV), e o único codex que contém o Novo Testamento inteiro. Atualmente acha-se no Museu Britânico. Juntamente com o Codex Vaticanus, é um dos mais importantes manuscritos gregos para o Criticismo Textual, além do texto da Septuaginta.

Trechos de Marcos que não estão no codex Vaticanus

Marcos 7,16;    9,44.46;      Marcos 11,26;      Marcos 15,28;

Marcos 16:9–20; —O Livro de Marcos termina em 16:8, consistente com o texto-tipo Alexandrino.

 

Trechos do Novo Testamento que não estão no codex Vaticanus

O texto do Novo Testamento carece de várias passagens:

O fim do Evangelho segundo Marcos no Vaticanus contém uma coluna vazia após 16:8, sugerindo que o escriba estava ciente do término. É a única coluna vazia no Novo Testamento no codex.[15]

Frases que não estão no Codex Vaticanus, mas que estão em manuscritos posteriores
  • Mateus 5:44 – εὐλογεῖτε τοὺς καταρωμένους ὑμᾶς, καλῶς ποιεῖτε τοῖς μισοῦσιν ὑμᾶς (bendizei aos que vos maldizem, fazei o bem aos que vos odeiam);[24]
  • Mateus 10:37b – καὶ ὁ φιλῶν υἱὸν ἢ θυγατέρα ὑπὲρ ἐμὲ οὐκ ἔστιν μου ἄξιος (e quem ama o filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim) como no Codex Bezae;[25]
  • Mateus 15:6 – ἢ τὴν μητέρα (αὐτοῦ) (ou (sua) mãe);[26]
  • Mateus 20:23 – καὶ τὸ βάπτισμα ὂ ἐγὼ βαπτίζομαι βαπτισθήσεσθε (e sereis batizados com o batismo com que eu sou batizado), como no codex Sinaiticus, DLZΘ085f1f13, it, Syriac Sinaiticus (syrs)syrc, copsa.[27]
  • Marcos 10:7 – καὶ προσκολληθήσεται πρὸς τὴν γυναῖκα αὐτοῦ (e se unirá à sua mulher), como nos codex Sinaiticus, Codex Athous Lavrensis892 48Sinaitic Palimpsest (syrs)Codex Argenteus.[28]
  • Marcos 10:19 – μη αποστερησης omitido (tal como nos codex KWΨf1f13287001010, 1079, 1242, 1546, 2148,  10 950 1642 1761, syrs, arm, geo) mas acrescentado mais tarde por um revisor (B2).[29]
  • Lucas 9:55–56 – και ειπεν, Ουκ οιδατε ποιου πνευματος εστε υμεις; ο γαρ υιος του ανθρωπου ουκ ηλθεν ψυχας ανθρωπων απολεσαι αλλα σωσαι (e Ele disse: “Vocês não sabem de que espécie de espírito são; pois o Filho do homem não veio para destruir as vidas dos homens, mas para salvá-los) — omitido como nos codex Sinaiticus, C, L, Θ, Ξ, 33, 700, 892, 1241, versão em siríaco antigo (syr), copbo;[30]
  • Lucas 11:4 – αλλα ρυσαι ημας απο του πονηρου (mas livra-nos do mal) omitido. A omissão é suportada pelos manuscritos: \mathfrak{P}75, Sinaiticus, L, f1 700 vg syrs copsa, bo, arm geo.[31]
  • Lucas 23:34 – “E Jesus disse: Pai perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem.” Esta omissão é suportada pelos manuscritos \mathfrak{P}75, Sinaiticusa, D*, W, Θ, 01241241a, d, syrs, copsa, copbo.[32]

Adições

No Evangelho segundo Mateus 27:49 o codex contém o texto adicionado: ἄλλος δὲ λαβὼν λόγχην ἒνυξεν αὐτοῦ τὴν πλευράν, καὶ ἐξῆλθεν ὖδορ καὶ αἳμα (e outro tomou uma lança, perfurando Seu lado, e saiu água e sangue). Esta leitura foi derivada de João 19:34, esse texto também está disponível em outros manuscritos dotexto-tipo Alexandrino, os quais são: א, C, L, Γ, 1010, 1293, pc, vgmss.[33]

 

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Codex_Vaticanus

 

**********

MAPA DA PALESTINA

 ÍNDICE GERAL -EVANGELHO DE MARCOS

  Responsável por este trabalho

    Xavier Cutajar

            xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

BELZEBU

sábado, janeiro 2nd, 2016

BELZEBU

Alguns DOUTORES DA LEI que tinham descido de Jerusalém, diziam: “Ele está possuído por Belzebu“;   e também: “É pelo príncipe dos demônios  que ele expulsa os demônios” Mc 3,22

Belzebu é uma deformação grotesca de Baal-Zebul, divindade cananéia, deus de Acaron (2Rs 1). Parece que a palavra Zebul significa “príncipe” (Baal significa ‘Senhor’). Mas o nome dessa divindade foi distorcido e, em vez de ser Baal-Zebul (‘Senhor Príncipe’), o povo da Bíblia o chamou de Baal-Zebub (‘Senhor das Moscas’). Naquele tempo, como hoje, as moscas frequentam as mesmas coisas e ambientes) De Baal-Zebub vem Belzebu, ‘príncipe dos demônios’.  (Evangelho de Marcos – José Bortolini – Paulus)

 

Belzebu (nome dervivado de Baal Zebul ou Baalzebub, também referido por Belzebuth) é uma divindade maligna nas mitologias filisteia e cananeia, com várias referências na Bíblia como sendo o próprio diabo.

 

Origem mitológica

Baalzebub é uma entidade amalgamada de outras duas poderosas entidades conhecidas das mitologias cananeia e fenícia:

  • o deus Baal ou Bael, senhor dos trovões, agricultura e fertilidade. Também associado à morte e crueldade;
  • Zebub, o deus das moscas e da pestilência.

Segundo a mitologia, Zebub era um infernunita arqui-inimigo de Baal. Este, junto com grandes magos da antiguidade, derrotou Zebub numa batalha épica que, por ter expandido suas forças no cosmo, abriu um abismo que sugou os dois deuses e os uniu em um só, o então “belth-zebul”. Seu espírito foi arremessado ao inferno e lá perdurou na “fossa”, até ser resgatado por Satã. Seu poder excedia o poder de Zebub e o do próprio Baal. Proclamou-se senhor da cidade de Dite, antes governada por Orcus.

No cristianismo

Para o cristianismo moderno, Belzebu é um dos nomes do diabo. Na demonologia cristã, ele é um dos sete príncipes do inferno e a personificação do segundo pecado, a gula, tal como era visto na Idade Média.

No Dictionnaire Infernal, é descrito como o “Príncipe dos Demônios, Senhor das Moscas e da Pestilência, Mestre da Ordem”. Belzebu é conhecido principalmente como O Quarto, por ser o quarto demônio mais poderoso do inferno, curvando-se somente perante LúciferSatã e Belfegor. Ele é o irmão mais velho de Lúcifer, descendente da geração de Behemoth, pai de Belial, um dos maiores demônios do inferno.

————————

https://pt.wikipedia.org/wiki/Belzebu

 

Beghelzebul “alla taz-zibel” hi tibdila ta’ Beghelzebub “alla tad-dubbien” (It-Testment il-Gdid – Bibbja Saydon roda-pé de Mt 12,22-24) – 1976

 

Veja também em MARCOS
*** DEMÔNIO
*** SATANÁS
*** ESPÍRITO IMPURO
*** BELZEBU
*** DIABO (Marcos não usa a palavra DIABO)
VOLTA AO MENU PRINCIPAL DE MARCOS

 

**********

MAPA DA PALESTINA

 EVANGELHO DE MARCOS

  Responsável por este trabalho

    Xavier Cutajar

            xacute@uol.com.br       http://xacute1.com