Archive for abril, 2017

INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA

sábado, abril 29th, 2017

* CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI VERBUM sobre a REVELAÇÃO DIVINA do Concílio Vaticano II – 1965

18. Ninguém ignora que entre todas as Escrituras, mesmo do Novo Testamento, os Evangelhos têm o primeiro lugar, enquanto são o principal testemunho da vida e doutrina do Verbo encarnado, nosso salvador.

A Igreja defendeu e defende sempre e em toda a parte a origem apostólica dos quatro Evangelhos. Com efeito, aquelas coisas que os Apóstolos, por ordem de Cristo, pregaram, foram depois, por inspiração do Espírito Santo, transmitidas por escrito por eles mesmos e por varões apostólicos como fundamento da fé, ou seja, o Evangelho quadriforme, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João (1).

A INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA NA IGRERJA - Documento da Igreja, Roma, 15 de Abril de 1993

A INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA E A LEITURA FUNDAMENTALISTA - Klaus da Silva Raupp

 

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

quinta-feira, abril 27th, 2017

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

01-A Teologia da Libertação – Michael Lowly

02-A Teologia da Libertação está viva – Selvino Heck

03-As comunidades eclesiais de base na igreja do Brasil

04-Altemeyer – Dos mistérios de ser Deus e homem

05a-Frei Betto – O papa e a teologia da libertação

05b-Frei Betto – O papa e a crise mundial – A Encíclica do Papa

05c-Frei Betto-Você acredita em milagres

05d-Frei Betto – François Houtart e Miguel D’Escoto

06-Historía Breve de la Teología de la Liberacion – Roberto Oliveira Maqueo

07-Interpretando os sinais-Pe. Edênio Valle

08-La practica de Jesus-Hugo Echegaray

09-Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs – CNBB

10-Liberacion y Teología-Roberto Oliveros Maqueio

11-Pascoa e teologia da libertação – Dom Luiz

12a-Comblin – Retomar a Teologia da Libertação na America Latina

12b-Comblin – Evangelho, Religião e Igreja

12c-Comblin – As grandes incertezas na Igreja atual

12d-Comblin – La Vida En Busque da De La Libertad-2008

12e-Comblin – Deus e Pai

13-Não ha teologia sem ideologia – Jose Lisboa Moreira de Oliveira

14-Lugar da missão em Aparecida – Paulo Suess

15-90 anos de transformações na Igreja – Entrevista especial com Dom Tomas Balduino

16-A contribuição da Teologia da Libertação – Entrevista com Michael Lowy

17-Atuação Política de Jesus – Frei Clodovis Boff

18a-Boff – Estamos indo do mal a pior

18b-Boff – O caminho como arquêtipo

18c-Boff – A busca de um ethos planetário

18d-Boff – Papa apoia a Teologia da Libertação e fala como nós

18e-Boff – Ha de se cuidar do amor e da amizade-livrinho

18f-Boff – Papa Francisco e a Teologia da Libertação

18g-Boff – Quarenta anos da Teologia da Libertação

18h-Boff – Teologia da Libertação -Entrevista

18i-Boff – Libertad Y Liberacion – Leonardo e Clodovis Boff

18j-Boff – O Cristo cosmico – A espiritualidade do universo

19-Jung – A razão espiritual do cristianismo de libertação – Jung Mo Sung

20-Teologia da Libertação abriu Igreja aos pobres e a vivência da Palavra-Dom Leonardo

21-Gebara – Direito de decidir – Ivone Gebara

21b-Gebara – As mulheres que mantem a luz acesa

22-Este e o vosso culto espiritual-Frei José Ariovaldo da Silva

23-Os Filhos da Teologia da Libertação – Marcelo Netto Rodrigues

24-Páscoa e teologia da libertação – Dom Luiz

25-A Teologia da Libertação pode ajudar a interpretar o mal-estar global de hoje

26-Sobrino – Mesías y messianismos

27-Perseguicao a Teologia da Libertacao-Mauro Lopes

28-Uma Teologia da Libertacao asiatica

29-Teologia da Libertacao-Maise de Carvalho

30a-Gutierrez-Os preferidos de Deus

30b-Gutierrez-Gigante da teologia

31-CANTA FRANCISCO - vídeo

32-Para compreender as CEBs-Ferraro

33-Onde se encontra a teologia da libertacao na era do Papa-Moser

34-O que é teologia feminista

35-500 anos da Reforma de Lutero-Leonardo Boff

36-TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO na WIKIPÉDIA

37-LIBERTATIS NUNTIUS - Instrução da Sagrada Congregação da Doutrina da Fé sobre ALGUNS ASPECTOS DA ‘TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO’-1984

38-LIBERTATIS CONSCIENTIA – Instrução da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé sobre A LIBERDADE CRISTÃ E A LIBERTAÇÃO-1986

39-CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II AOS BISPOS DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL DOS BISPOS DO BRASIL-1986

40-TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO OU DA PROSPERIDADE – Gianfranco Ravasi

41-ALBERTO HURTADO ANTECIPA A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO - Teólogo Chileno Jorge Costadoat sj

42-QUEM É ALBERTO HURTADO

43-UM PAPA LATINO-AMERICANO – Teólogo Chileno Jorge Costadoat sj

44-O FUTURO DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO – Teólogo Chileno Jorge Costadoat sj

45-FUNDAMENTAÇÃO DOS FUNDAMENTOS – Artigo de Gianfranco Ravasi

O exemplo dos bispos de Malta para os episcopados da América Latina - Teólogo Chileno Jorge Costadoat sj

Amoris laetitia: o navio de Malta se une à frota papal - Sandro Magister

 

 

 

** O que é SER DE ESQUERDA Baixe este arquivo em PDF contendo todos os artigos

** O QUE E SER DE ESQUERDA-RESUMO

O QUE É “SER DE ESQUERDA”?

DEBATE NA “CARTA MAIOR

 

01 – SER DE ESQUERDA, HOJE. FAZ SENTIDO? QUAL? Por Reginaldo Moraes

 

02 - O QUE É SER DE ESQUERDA HOJE? O QUE FAZER AQUI-E-AGORA?  Por Fernando Nogueira da Costa

03 - O QUE É SER DE ESQUERDA? Por Liszt Vieira

04 – ESQUERDA (SER DE)  Por R. Saturnino Braga

05 – A IDENTIDADE DA ESQUERDA  Por Roberto Bueno  

06 – POR ESQUERDAS PLURAIS E DEMOCRÁTICAS  Por Flavio Aguiar

07 – ESQUERDA? ENTRE A NOSTALGIA MOBILIZADORA E ACRÍTICA, E A RENOVAÇÃO DO PENSAMENTO CRÍTICO Por Aram Aharonian

08 – SER DE ESQUERDA NA COLÔMBIA É SABER QUE SE TORNOU UM ALVO Por Camilo Rengifo Marín

09 – O QUE É SER DE ESQUERDA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA? Por Renato Dagnino

10 - O QUE TU QUERES SEI EU Por José Manuel Pureza

11 – CONTRA A BARBÁRIE Por Pedro Tierra

 

Baixe este arquivo em PDF contendo todos os artigos:

O que é SER DE ESQUERDA

http://xacute1.com/wp-content/uploads/2017/04/O-que-e-SER-DE-ESQUERDA.pdf

 

 

 

      MAIS SOBRE A BÍBLIA

** PARA ENTENDER LA BIBLIA por Alejandro von Rechnitz

** Leia alguns ARTIGOS sobre a BÍBLIA

** Leia alguns LIVROS APÓCRIFOS

** VEJA MAPAS E OUTRAS IMAGENS DO MUNDO DA BÍBLIA

** VEJA O ESTUDO DO APOCALIPSE DE SÃO JOÃO

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE MARCOS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE MATEUS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE LUCAS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE JOÃO

** VEJA 10 VÍDEOS DE COMO FUNCIONAVA A SOCIEDADE NO TEMPO DE JESUS E A SUA PROPOSTA

**VEJA MATERIAL SOBRE A LITURGIA

**VEJA MATERIAL SOBRE A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

** Volta à PÁGINA PRINCIPAL

 

Responsável por este trabalho:

Xavier Cutajar

xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

DOMINGO DE RAMOS – HUGHES

quinta-feira, abril 6th, 2017

DOMINGO DE RAMOS (09.04.17)

TOMAZ HUGHES

Mt 21, 1-12; Mt 26, 14 – 27, 66

Bendito aquele que vem em nome do Senhor!

Neste primeiro dia da Semana Santa, com certeza não há comunidade católica no Brasil que não celebre, com muito entusiasmo, a comemoração da entrada de Jesus em Jerusalém. Organizam-se procissões e encenações, e quase todos fazem questão de levar alguns ramos bentos para a casa.

Porém, é muito importante resgatar o verdadeiro sentido da entrada de Jesus em Jerusalém, para que possamos celebrar a festa com mais profundidade. O próprio Evangelho de Mateus nos dá uma dica, quando em v. 5 cita o profeta Zacarias. Pois, Jesus, escolhendo entrar na capital desta maneira, estava fazendo uma releitura de Zacarias 9, 9-10. O profeta (conhecido como Segundo Zacarias, pois, capítulos 9-14 do livro são pós-exílicos) vivia numa situação de grande opressão e pobreza, quando Palestina e o seu povo eram dominados pelo Império Grego, depois de Alexandre Magno. O profeta procura animar o seu povo oprimido, manter viva a chama de resistência através da esperança na chegada de um Messias, que teria três grandes características: seria rei (9, 9-10), bom pastor (11, 4-17) e “transpassado” (12, 9-14). Portanto, quando Jesus e os seus discípulos fizeram a sua entrada em Jerusalém; era uma maneira forte de proclamar a chegada do Messias, do Rei esperado pelos pobres de Javé. Era gesto profético de esperança, algo tão necessário no ministério das Igrejas hoje, infelizmente muito marcadas pela ameaça, frequentemente com mais ênfase sobre o mal do que sobre o bem, de uma suposta dominação de “demônios” e não pela certeza da vitória da graça e da redenção.

Mas, o rei proclamado por Zacarias e concretizado em Jesus era bem diferente dos reis dos países de então. Enquanto estes faziam questão de apresentar-se publicamente com toda a pompa, montados sobre cavalos imponentes, o rei previsto por Zacarias iria entrar em Jerusalém montado em um jumento – o animal do pequeno agricultor. Pois, o seu reino seria, não de dominação, opulência e opressão, mas, de paz, de justiça e de solidariedade:

“Dance de alegria, cidade de Sião; grite de alegria, cidade de Jerusalém, pois, agora o seu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento, num jumentinho, filho de uma jumenta. Ele destruirá os carros de guerra de Efraim e os cavalos de Jerusalém; quebrará o arco de guerra. Anunciará a paz a todas as nações, e o seu domínio irá de mar a mar” (Zc 9, 9-10).

A entrada em Jerusalém de Jesus era verdadeiramente uma entrada triunfal – mas, do triunfo de Deus, do Messias dos pobres e justos, e uma reviravolta nos valores da sociedade. Era a rejeição dos valores opressores dos Reinos mundanos, a celebração de Javé, o libertador, que “ouve o clamor dos pobres e sofridos” (Êx 3, 7). Celebrar a memória deste evento no Domingo de Ramos deve nos levar a um compromisso maior com a construção de um mundo de paz verdadeira, fruto de justiça, partilha e solidariedade. Quando falamos da entrada triunfal, lembremo-nos que é o triunfo da fraqueza de Deus, da Cruz, do projeto do Reino, pois como disse Paulo, “a loucura de Deus é mais sábia do que os homens e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens” (1Cor 1, 25). Cuidemos de não transformar a celebração litúrgica em folclore, centrada na figura do padre, glorificando o poder e a dominação, fazendo o que fizeram em Jerusalém, conforme o hino: “Queriam um grande Rei que fosse forte, dominador e por isso não creram n’Ele e mataram o Salvador”.

A celebração de Domingo de Ramos é realmente uma das vitórias, mas, da vitória que vem de fidelidade ao projeto de Deus, no seguimento de Jesus, até a Cruz e à Ressurreição. Evitemos criar uma caricatura de Jesus como Rei poderoso, conforme os padrões da nossa sociedade, e procuremos recuperar a finalidade da ação profética de Jesus – reacender a esperança dos excluídos, marginalizados, pobres e oprimidos, assumindo cada vez mais ações concretas na busca da construção da “Terra Sem Males”. Um desafio muito grande para quem tem qualquer ministério nas Igrejas, ordenado ou não, pois o nosso modelo – como o Papa Francisco nunca cansa de nos lembrar – é o “anti-rei”, Jesus de Nazaré, e não as autoridades pomposas deste mundo.

******************

MAIS SOBRE A BÍBLIA

** PARA ENTENDER LA BIBLIA por Alejandro von Rechnitz

** Leia alguns ARTIGOS sobre a BÍBLIA

** Leia alguns LIVROS APÓCRIFOS

** VEJA MAPAS E OUTRAS IMAGENS DO MUNDO DA BÍBLIA

** VEJA O ESTUDO DO APOCALIPSE DE SÃO JOÃO

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE MARCOS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE MATEUS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE LUCAS

** VEJA O ESTUDO DO EVANGELHO DE JOÃO

** VEJA 10 VÍDEOS DE COMO FUNCIONAVA A SOCIEDADE NO TEMPO DE JESUS E A SUA PROPOSTA

**VEJA MATERIAL SOBRE A LITURGIA

** Volta à PÁGINA PRINCIPAL

 

Responsável por este trabalho

    Xavier Cutajar

            xacute@uol.com.br       http://xacute1.com