Mc 5, 21-34 – JESUS CURA A MULHER COM HEMORRAGIA

JESUS CURA A MULHER COM HEMORRAGIA

E RESSUSCITA A FILHA DE JAIRO

(Mt 9, 18-26; Lc 8, 40-56)

5,21 JESUS(17/80) atravessou de barca de novo(6/27) para o outro lado (do mar). Uma numerosa MULTIDÃO (o;cloj)(11/35) se reuniu junto dele,  e (Ele) ficou junto ao mar (qa,lassan)

22 Aproximou-se um dos chefes da sinagoga, (avrcisunagw,gw|chamado  Jairo.  Quando viu, caiu a seus pés,

23 e pediu com insistência: “Minha filhinha está morrendo. (está nas últimas) (Cf Mt 9,18) Vem e põe as mãos sobre ela, para que sare e viva.”  (i[naswqh/| kai. zh,sh)

24 Acompanhou Jairo. E numerosa MULTIDÃO (o;cloj)(12/35) o seguia  e o apertava de todos os lados.

 

JESUS CURA (11/20) A MULHER COM HEMORRAGIA

(Mt 9,20-22; Lc 8,43-48)

5,25 Aí chegou uma mulher que sofria de hemorragia já há doze anos;

26    tinha padecido na mão de muitos médicos, gastou tudo o que tinha e, em vez de melhorar, piorava sempre mais.  

27 A mulher tinha ouvido falar de JESUS (18/80). Então ela foi no meio da MULTIDÃO (o;clw)(13/35) aproximou-se dele por trás e tocou na roupa dele,

28 porque pensava: “Ainda que eu toque só na roupa dele, ficarei curada/salva.” (swqh,somai)

29 E logo(euvqu.j)(21/42) a hemorragia parou. E a mulher sentiu no corpo que estava curada (i;atai)da doença.  

30 E logo(euvqu.j)(22/42) JESUS(19/80) percebeu que uma força (du,namij) tinha saído dele. Então virou-se no meio da MULTIDÃO (o;clw)(14/35) e perguntou: “Quem foi que tocou na minha roupa?”  

31 Os discípulos(8/42) disseram: “Estás vendo a MULTIDÃO (o;clon)(15/35) que te aperta e ainda perguntas: ‘quem me tocou?’”

32 Mas Ele ficou olhando ao redor(3/5)  (perieble,petopara ver quem tinha feito aquilo. 

33 A mulher, cheia de medo e tremendo, percebeu o que lhe havia acontecido. Então foi, caiu aos pés dele e contou toda a verdade(avlh,qeian).  

34 E disse à mulher: “Minha filha (quga,thr), sua (pi,stij) curou/salvou você.(se,swke,n se) (Cf: 10,52)  Vá em paz (eivrh,nh) (Cf. 9,50) e fique curada/salva (se,swke,n) dessa doença.”

 

JESUS RESSUSCITA (CURA) (12/20) A FILHA DE JAIRO

   (Mt 9,23-26; Lc 8,49-56)

5,35 Ele ainda estava falando, quando chegaram algumas pessoas da parte do chefe da sinagoga (avrcisunagw,gw|        e disseram a Jairo: “Sua filha morreu. Por que você ainda incomoda o MESTRE(2/12)?” 

36  JESUS(20/80) ignorando tal palavra disse ao chefe da sinagoga (avrcisunagw,gw|“Não tenha medo(1/2);  apenas tenha !” (crê – pi,steue)

37 E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. 

38 Quando chegaram à casa(5/12) do chefe da sinagoga, (avrcisunagw,gouobservou a confusão e as pessoas chorando e gritando.  

39 Entrou e disse:  “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu. Ela está apenas dormindo.” (Cf. 9,26) 

40 As pessoas começaram a zombar dele. Mas mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três* que o acompanhavam. Entraram no quarto onde a menina estava. 

41 Pegou a menina pela mão e disse: “Talita cúmi”, que quer dizer:  “Menina, – eu lhe digo – levante-se!”

42 E logo(euvqu.j)(23/42) a menina levantou-se e começou a andar, pois já tinha doze anos. E logoÎeuvqu.jÐ(24/42) todos ficaram muito admirados.

43 Recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo disso. E mandou dar comida para a menina.

*************

BP:* 21-43: Toda mulher menstruada ou sofrendo corrimento de sangue, era considerada impura (Lv 15,19.25), e impuros ficavam também os que fossem tocados por ela. A fé em Jesus faz que essa mulher viole a Lei e seja curada. A missão de Jesus é restaurar os homens na vida total: não só libertá-los da doença que os diminui e exclui do convívio social, mas também salvá-los da morte, que os exclui da vida antes do tempo.

Mc 5,23: (seguido por Lucas 8,42) a menina está prestes a morrer, enquanto Mateus diz que a menina acabou de morrer. Mt 9,18

****************

** A MULHER COM FLUXO DE SANGUE - Veja várias perguntas

***************

A FÉ GRANDE DE UMA MULHER – Pagola

 A cena é surpreendente. O evangelista Marcos apresenta uma mulher desconhecida como modelo de fé para as comunidades cristãs. Dela poderão aprender como procurar Jesus com fé, como chegar a um contacto curador con Ele e como encontrar Nele a força para iniciar uma vida nova, cheia de paz e saúde.

 Diferentemente de Jairo, identificado como «chefe da sinagoga» e homem importante em Cafarnaum, esta mulher não é ninguém. Só sabemos que padece de uma doença secreta, tipicamente feminina, que lhe impede de viver de forma sã a sua vida de mulher, esposa e mãe.

 Sofre muito física e moralmente. Arruinou-se procurando ajuda nos médicos, mas ninguém a pôde curar. No entanto resiste a viver para sempre como uma mulher doente. Está só. Ninguém a ajuda a aproximar-se de Jesus, mas ela saberá encontrar-se com Ele.

 Não espera passivamente a que Jesus se aproxime e lhe imponha as Suas mãos. Ela mesma o procurará. Irá superando todos os obstáculos. Fará tudo o que possa e saiba. Jesus compreenderá o seu desejo de uma vida mais sã. Confia plenamente na Sua força curadora.

 A mulher não se contenta só com ver Jesus de longe. Procura um contacto mais directo e pessoal. Actua com determinação, mas não de forma amalucada. Não quer incomodar ninguém. Aproxima-se por detrás, entre as pessoas, e toca-Lhe no manto. Nesse gesto delicado concretiza e expressa a sua confiança total em Jesus.

 Tudo ocorreu em segredo, mas Jesus quer que todos conheçam a fé grande desta mulher. Quando ela, assustada e temorosa, confessa o que fez, Jesus diz-lhe: «Filha, a tua fé curou-te. Vai em paz e com saúde». Esta mulher, com a sua capacidade para procurar e acolher a salvação que se nos oferece em Jesus, é um modelo de fé para todos nós.

 Quem ajuda as mulheres dos nossos dias a encontrar-se com Jesus? Quem se esforça por compreender os obstáculos que encontram em alguns sectores da Igreja actual para viver a sua fé em Cristo «em paz e com saúde»? Quem valoriza a fé y os esforços das teólogas que, com pouco apoio e vencendo toda a classe de resistências e rejeições, trabalham sem descanso por abrir caminhos que permitam à mulher viver com mais dignidade na Igreja de Jesus?

 As mulheres não encontram entre nós o acolhimento, a valorização e a compreensão que encontravam em Jesus. Não sabemos olhar como as olhava Ele. No entanto, com frequência, elas são também hoje as que com a sua fé em Jesus e o seu alento evangélico sustentam a vida de não poucas comunidades cristãs.

 José Antonio Pagola

Tradução: Antonio Manuel Álvarez Perez

———————–

https://docs.google.com/document/d/1lI9xiqwQTLy3d9qegxQycNzJfvH71mAMllxTgXt1AXg/edit?usp=drive_web

*****************

Dehonianos

1. O Reino de Deus é a vida. Jesus percorre o país para o anunciar e o estabelecer. Ele fala e age. A sua fama espalha-se, porque uma força brota d’Ele, é a força da ressurreição, o Espírito de vida.
“Sê curada”. O imperativo de Jesus tem algo de afectuoso para com esta mulher, restaurada na sua dignidade, restabelecida na sociedade que excluía o seu mal. Este “sê curada” aparece também como uma constatação: é a sua fé que a salvou, e Jesus alegra-Se por isso. A cura é consequência da fé, que é sempre fonte de vida e de felicidade.
“Levanta-te”. Este segundo imperativo do Evangelho deste dia é dinâmico e traduz perfeitamente este louco desejo de Deus em ver o homem vivo, o seu amor incondicional pela vida. “Adormecida”, no “sono da morte”… um estado do qual Deus nos quer fazer sair, um estado do qual Jesus nos salva. “Eu te ordeno: levanta-te”. A palavra evoca a ressurreição, o novo surgir da vida, o amor divino que nos coloca de pé. Jesus pede ao pai da jovem apenas uma coisa: “basta que tenhas fé”. E quanto a nós, cremos verdadeiramente?

2. As duas beneficiárias das acções de Jesus neste Evangelho têm isto em comum: a primeira estava doente desde os 12 anos e a jovem filha morreu aos 12 anos, a idade em que se devia tornar mulher. No povo de Israel, o percurso destas duas mulheres era sinal de um fracasso. Uma estava atingida, como Sara, a mulher de Abraão, na sua fecundidade: ela perdia o seu sangue, princípio de vida na mentalidade semítica. A outra perdia a vida, precisamente na idade em que se preparava para a transmitir (era tradição casar-se muito cedo). Cristo cura as duas mulheres e permite-lhes assim assumir a sua vocação maternal.
Estas duas mulheres representam a Igreja, na sua vocação maternal de dar e de alimentar a vida em Cristo. As alusões aos santos mistérios da Igreja orientam a compreensão do relato: Jairo pede a Jesus para impor as mãos, para salvar e dar a vida à sua filha. Ora, toda a preparação para o Baptismo está sinalizada pela imposição das mãos. Jesus levanta a jovem, tomando-a pela mão, como o diácono fazia sair da água o baptizado, tomando-o pela mão, para que fosse desperto para a vida em Deus. Jesus pede, de seguida, que se dê de comer a esta jovem ressuscitada da morte: é uma alusão à Eucaristia que se segue ao Baptismo.

3. Bilhete de Evangelho: a transformação pela fé. Um chefe de sinagoga cai de joelhos e suplica a Jesus para curar a sua filha… Uma mulher atingida por hemorragias não diz nada, mas contenta-se em tocar as vestes de Jesus, sem dúvida porque se considera impura. Isto basta Àquele que veio para levantar, curar, salvar a humanidade ferida. As reacções dos que acompanham Jesus são diversas. Riem-se d’Ele. Só a fé solicita um sinal de Jesus, a fé de Jairo, a fé da mulher, a fé de Pedro, Tiago e João… E esta fé faz Jesus agir e transforma os beneficiários: a mulher é curada, a jovem levanta-se, as testemunhas ficam abaladas. Decididamente, Jesus não é um taumaturgo: é reconhecido por aqueles que acreditam, recomenda insistentemente que ninguém saiba, com receio, sem dúvida, que se valorize os seus sinais sem os ver com os olhos da fé.

4. Na escuta da Palavra… Eis Jesus mergulhado no barulho e nos apertos da multidão. Para mais, circula o rumor: Jesus vai fazer um milagre, curar a jovem filha de Jairo! A multidão esmaga Jesus. E eis que uma mulher quer aproximar-se de Jesus, a todo o custo, para tocar ao menos as suas vestes. Ela quer ser também beneficiária do poder do homem de Deus, ser, enfim, curada da sua doença que dura há doze anos. Ela chega por detrás, toca as suas vestes. Conhecemos o diálogo que se segue… O mesmo acontece com Jairo que se aproxima… No meio da multidão, Jesus está atento a estas pessoas concretas, manifesta uma disponibilidade extraordinária, está extremamente atento à sua presença. No meio da multidão, Jesus está atento a cada um. Ninguém fica anónimo aos olhos de Jesus. Está habitado pelo amor de Deus para com os seus filhos. No Coração do Pai, Jesus é capaz de uma atenção extrema a cada angústia do ser humano. Não interessa quem possa vir junto d’Ele, não interessa qual é a situação: ele será sempre acolhido, Jesus dará sempre a sua atenção como se cada um estivesse sozinho no mundo com Ele. Isto continua a ser verdadeiro, agora que Jesus está na plenitude da glória do seu Pai. Se eu também começasse a fazer silêncio em mim para melhor escutar Jesus, através da sua Palavra, se eu tivesse tempo para a oração interior, para aprofundar o meu silêncio interior… certamente ficaria mais disponível, mais atento aos outros. Senhor Jesus, dá-me a graça do silêncio interior que escuta e que ama.

————-

http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2059

 

13º Domingo do Tempo Comum – Ano B

JESUS CURA A MULHER COM HEMORRAGIA

E RESSUSCITA A FILHA DE JAIRO

EVANGELHO – Mc 5, 21-43

** 13º DOMINGO DO TEMPO COMUM – Ano B - Dehonianos

** A FÉ GRANDE DE UMA MULHER - José Antonio Pagola

 

**********

MAPA DA PALESTINA

 ÍNDICE GERAL -EVANGELHO DE MARCOS

  Responsável por este trabalho

    Xavier Cutajar

            xacute@uol.com.br       http://xacute1.com

Leave a Reply